ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Uso da tecnologia do ultrassom de alta intensidade no processamento de leite e derivados

INDÚSTRIA

EM 26/11/2018

0
5

Autores do artigo* > Jonas T. Guimarães e Hugo E. de Oliveira > Universidade Federal Fluminense (UFF), Faculdade de Medicina Veterinária

Eric Keven Silva e Maria Ângela A. Meireles >  Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Faculdade de Engenharia de Alimentos (FEA)

Adriano Gomes da Cruz > Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ), Departamento de Alimentos

Nos dias atuais, os consumidores estão cada vez mais preocupados com o que consomem, a sua origem e as propriedades nutricionais. As tecnologias emergentes não térmicas estão sendo estudadas com o objetivo de eliminar ou reduzir os efeitos negativos do tratamento térmico convencional nos alimentos, mas sem comprometer sua segurança microbiológica.

O processamento por ultrassom surgiu como alternativa para o processamento convencional de alimentos. Esta tecnologia é conhecida por causar reações físicas e químicas em materiais desde 1920, entretanto, a ciência e os equipamentos por trás desta tecnologia somente começaram a se desenvolver em 1970.

O ultrassom é definido como ondas sonoras de frequências que ultrapassam o limite audível do ser humano (~20KHz). As aplicações do ultrassom no processamento de alimentos e análise e controle de qualidade são divididas de acordo com a frequência das ondas utilizadas e a intensidade da energia aplicada em ultrassom de alta intensidade (baixas frequências, 20-500KHz e >1 W por cm2) e ultrassom de baixa intensidade (altas frequências, >1 MHz e <1 W por cm2). No entanto, o ultrassom de alta intensidade se mostra mais promissor para o processamento de produtos lácteos.

O ultrassom de alta intensidade (UAI) produz ondas capazes de induzir alterações físicas e químicas nos alimentos, diferentemente do ultrassom de baixa intensidade que é mais usado em métodos analíticos não invasivos; portanto, esses efeitos são promissores no processamento, preservação e segurança de alimentos. Em produtos lácteos, a capacidade do ultrassom de alta intensidade de operar em temperaturas mais baixas que a de pasteurização, possibilita o processamento de leite e derivados reduzindo as alterações induzidas pelo calor como: desnaturação de proteínas; degradação de vitaminas; degradação da lactose; entre outras.

O principal mecanismo envolvido no UAI é a cavitação acústica, que pode ser entendida como a formação e implosão de bolhas microscópicas, induzidas pela diferença de pressão durante o processo de ultrassonificação, sendo responsável pela maior parte das alterações físico-químicas e microbiológicas. O UAI pode atuar nos componentes do leite de diferentes formas, reduzindo o tamanho dos glóbulos de gordura, cristalizando a lactose, destruindo células somáticas e quebrando agregados proteicos, entretanto, o ultrassom não se mostra capaz de reduzir o tamanho das micelas de caseína.

Uma das utilidades mais reconhecidas dessa tecnologia é a homogeneização e emulsificação das gorduras, pois oferecem mais benefícios que os métodos convencionais de emulsificação, como o de agitação mecânica, o de homogeneização de alta e ultra alta pressão e o de microfluidificação. Portanto, consiste em uma técnica muito versátil para produtos lácteos, pois melhora a viscosidade, além de manter maior estabilidade que os métodos convencionais.

"Em produtos lácteos, a capacidade do ultrassom de alta intensidade de operar em temperaturas mais baixas que a de pasteurização, possibilita o processamento de leite e derivados reduzindo as alterações induzidas pelo calor como: desnaturação de proteínas; degradação de vitaminas; degradação da lactose; entre outras".

A capacidade do UAI de inativar micro-organismos é atribuída à dois eventos:

(a) A cavitação acústica, na qual o colapso das bolhas, criadas pela cavitação, gera jatos de líquido sob alta pressão saindo do centro da bolha, causando severos danos à parede celular;

(b) E a cavitação intracelular, que ocasiona a ruptura das estruturas e dos componentes celulares até o ponto da lise celular, que são efeitos principalmente do aquecimento localizado e da formação de radicais livres.

Entretanto, ainda há controvérsias quanto ao uso do ultrassom para o processamento de leite cru ou a elaboração de produtos lácteos. Um dos principais obstáculos para o uso desta tecnologia como único método de processamento é a necessidade do uso de altas densidades energéticas para inativação de micro-organismos mais resistentes, o que causa significante alteração sensorial nestes produtos. Portanto, muitas pesquisas estão voltadas para o uso concomitante do ultrassom com tratamentos térmicos ou até mesmo outras tecnologias emergentes.

Ainda não existem no mercado produtos lácteos processados por ultrassom, mas a grande versatilidade do ultrassom faz desta tecnologia uma ótima opção para a elaboração de produtos inovadores. No meio científico, pesquisas inovadoras estudam a elaboração de produtos lácteos processado por ultrassom de alta intensidade. Atualmente podem ser encontrados estudos de bebidas lácteas achocolatadas e com frutas, queijos, leites fermentados, sorvetes, sobremesas lácteas e produtos lácteos de origem não-bovina como leite de ovelha. Estes estudos concluíram que o UAI pode ser usado na elaboração de novos produtos, pelo fato de alterar a textura, estabilidade, sabor e aroma de forma positiva e sem degradar seus principais compostos nutricionais

O UAI também pode ser utilizado na elaboração de produtos funcionais. Alguns estudos demonstraram que o uso do ultrassom de alta intensidade pode aumentar a atividade de compostos bioativos (compostos com atividades antioxidantes, anti-hipertensivas, anti-inflamatórias, imunomoduladoras, entre outras) em alguns produtos. Estes compostos são encontrados normalmente em produtos lácteos contendo frutas (bebidas lácteas e iogurtes de frutas), especiarias (queijos com orégano, pimentas e outros temperos) e leites fermentados; e segundo estudos, o ultrassom é capaz de aumentar a atividade destes compostos, principalmente pelo rompimento de células e mudança na conformação de alguns compostos.

De forma geral, esta tecnologia é promissora na área de processamento de produtos lácteos e para que ela seja finalmente utilizada na produção de produtos comerciais, por um lado ainda falta investimento em equipamentos de larga escala e por outro, ainda faltam estudos clínicos sobre o consumo prolongado destes novos produtos a fim de comprovar a alegação nutricional/funcional desta tecnologia.

Referências bilbiográficas

Barukcic, I., Lisak Jakopovic, K., Herceg, Z., Karlovic, S., Bozanic, R., (2015). Influence of high intensity ultrasound on microbial reduction, physico-chemical characteristics and fermentation of sweet whey. Innovative Food Science & Emerging Technologies 27, 94-101.

Batur, V., Lelas, V., Rezek Jambrak, A., Herceg, Z., Badanjak, M. (2010). Influence of high power ultrasound on rheological and foaming properties of model icecream mixtures. Mljekarstvo,  60, 10-18.

Balthazar, C.F. Santillo, A., Guimaraes, J.T., Bevilacqua, A.,  Corbo, M.R., Caroprese, M., Marino, R. Silva, M.C., Raices, R.S.L., Freitas, M.Q., Cruz, A.G., Albenzio, M. Ultrasound processing of fresh and frozen semi-skimmed sheep milk and its effects on microbiological and physical-chemical quality, Ultrasonics Sonochemistry, in press, doi: 10.1016/j.ultsonch.2018.10.017

Chandrapala, J., Leong, T., (2015). Ultrasonic Processing for Dairy Applications: Recent Advances. Food Engineering Reviews, 7, 143-158.

Guimarães, J.T., Silva, E.K., Alvarenga, V.O., Costa, A.L.R., Cunha, R.L., Sant'Anna, A.S., Freitas, M.Q., Meireles, M.A.A., Cruz, A.G., (2018). Physicochemical changes and microbial inactivation after high-intensity ultrasound processing of prebiotic whey beverage applying different ultrasonic power levels. Ultrasonics Sonochemistry, 44, 251-260.

Guimarães, J.T., Silva, E.K., de Freitas, M.Q., de Almeida Meireles, M.A., da Cruz, A.G., (2018). Non-thermal emerging technologies and their effects on the functional properties of dairy products. Current Opinion in Food Science, 22, 62-66.

Marchesini, G., Fasolato, L., Novelli, E., Balzan, S., Contiero, B., Montemurro, F., Andrighetto, I., Segato, S., (2015). Ultrasonic inactivation of microorganisms: a compromise between lethal capacity and sensory quality of milk. Innovative Food Science & Emerging Technologies, 29, 215-221.

Monteiro, S.H.M.C., Silva, E.K., Alvarenga, V.O., Moraes, J., Freitas, M.Q., Silva, M.C., Raices, R.S.L., Sant'Ana, A.S., Meireles, M.A.A., Cruz, A.G., (2018). Effects of ultrasound energy density on the non-thermal pasteurization of chocolate milk beverage. Ultrasonics Sonochemistry, 42, 1-10.

U.S. Food and Drug Administration. Kinetics of Microbial Inactivation for Alternative Food Processing Technologies. In: Ultrasound. Science & Research (Food). Safe Practices for Food Processes. Disponível em: http://www.fda.gov/Food/FoodScienceResearch/SafePracticesforFoodProcesses/ucm103342.htm. Acesso em: 09/09/2016.

Zisu, B., Chandrapala, J., (2013). High power ultrasound processing in milk and dairy products, Emerging Dairy Processing Technologies: Opportunities for the Dairy Industry. Wiley–Blackwell publisher.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.