FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

As vacas são resistentes a antibióticos?

POR MAYSA SERPA

PRODUÇÃO

EM 18/05/2020

1
8

Você já teve uma vaca ou já prestou consultoria para algum produtor que tem um animal constantemente acometido por infecções (muitas vezes na glândula mamária, a famosa mastite) e no qual o tratamento com antibióticos não funciona? É comum até ouvirmos as pessoas dizerem “essa vaca aí não adianta tratar, já ficou resistente”.

De fato, a resistência a antimicrobianos é um dos fatores que podem influenciar na resposta adequada a um tratamento, mas será que é a vaca quem fica resistente aos antibióticos?

Para respondermos essa pergunta, é preciso entender o conceito de resistência. O termo correto é resistência bacteriana a antimicrobianos e, só com isso, já matamos a charada: quem são resistentes são as bactérias. Isso também vale para nós humanos: quando estamos com aquela dor de garganta e algum antibiótico não funciona, não somos nós que estamos resistentes, mas sim as bactérias causadoras da infecção.

Mas por que isso é importante para a pecuária leiteira?

Em se tratando de saúde animal no Brasil, não há controle adequado da venda e uso de princípios antimicrobianos para produção animal. Ou seja, o produtor de leite (ou outro pecuarista) pode adquirir os antibióticos e utilizar como bem entender. A utilização sem critérios de antimicrobianos está diretamente relacionada com o fenômeno de resistência bacteriana.

Como isso acontece?

Contando com a ajuda do nosso amigo Darwin, é tudo uma questão de evolução e de seleção natural. Lembra daquela famosa frase (que infelizmente tem sido bastante usada nesta pandemia), “os mais fortes sobrevivem”? Pois bem, acontece a chamada “pressão de seleção”.

De maneira simples, pressão seletiva é um conceito da genética que diz que quando uma comunidade de indivíduos é constantemente exposta a um fator limitante, podem ocorrer alterações que favoreçam a sobrevivência dos indivíduos naquele meio. Trazendo para o nosso contexto, uma comunidade de bactérias que é constantemente submetida a antimicrobianos terá uma pressão que pode fazê-las evoluir, até que sobrevivam apenas os indivíduos resistentes, pois, mas uma vez, “os fortes sobrevivem”.

Então como vamos fazer, nunca mais usar antibióticos?

Não é isso, precisamos usá-los de forma racional. A resistência a antimicrobianos é um fenômeno natural, mas que é potencialmente acelerado pelo uso indiscriminado de antibióticos, sobretudo na produção animal.

Mais didaticamente: imaginem que uma vaca está com mastite. Ou seja, sua glândula mamária está infectada por bactérias (na maior parte das vezes). O ordenhador faz o teste da caneca, detecta os grumos. Vamos para o protocolo usual: bisnaga de antibiótico durante três dias, descarte do leite. E toda vez que o animal apresenta mastite, o padrão se repete, sem nenhum critério.

Imaginem agora que no meio dessas bactérias que estão colonizando a glândula existam umas que são mais resistentes que as outras. Quando as submetemos aos antibióticos, as “mais fracas” vão morrer, enquanto as resistentes vão sobreviver e multiplicar, até que tenhamos uma comunidade toda de bactérias resistentes. É assim que “a vaca se torna resistente”, podendo ainda contaminar outros animais no rebanho e gerar um problema ainda maior.

Por isso, o uso de antimicrobianos deve ter critério. O ideal é que seja feita a cultura microbiológica do leite e o antibiograma, para que o veterinário consiga definir o melhor protocolo a ser utilizado. Segundo o Prof. Marcos Veiga, no Brasil, 40% das culturas microbiológicas de leite de animais com mastite têm resultado negativo (grande parte atribuído à cura espontânea) e esperar cerca de 24 a 48h para fazer a intervenção terapêutica não traz prejuízos para o animal (desde que não seja um caso super-agudo). Ou seja, em muitos casos, estamos utilizando antibióticos sem necessidade. 

Logo, é responsabilidade nossa usar os recursos mais sabiamente. A saúde animal está diretamente relacionada à saúde humana, logo, o que fazemos na pecuária pode ter impactos significativos na população.

Hoje já existem as chamadas super-bactérias, que são resistentes a TODOS antibióticos existentes. Imaginem só: uma simples infecção pode causar a morte de pessoas e animais por falta de medicamentos que sejam eficazes. Vamos literalmente voltar ao início do século XX!

A Organização Mundial de Saúde (OMS) já atribui grande parte das mortes nos próximos anos a infecções por bactérias super-resistentes. Além da questão saúde, a diminuição da utilização de antibióticos também significa redução de custos para o produtor.

Diante de tudo isso, vamos fazer a nossa parte. A saúde é única! 

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário! Quer escrever para nós? Envie um e-mail para contato@milkpoint.com.br.

MAYSA SERPA

Médica Veterinária e mestranda em Sanidade Animal pela UFLA, Editora Assistente de Conteúdo MilkPoint.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

EVERTON DANIEL GOELZER

QUINZE DE NOVEMBRO - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 18/05/2020

Em animais jovens(1 ou 2 lactacoes) é fácil o tratamento da mastite e sua cura ,já em animais mais velhos ( de 3 lactacoes ou +) a cura se torna cada vez mais difícil. Animais jovens tem imunidade alta. A pergunta que fica é a seguinte: como ter animais longevos e saudáveis?.... A longevidade das vacas é o foco da propriedade mas a MASTITE não permite.