FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Utilização da casca de soja na formulação de ração para bovinos

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 03/07/2020

6 MIN DE LEITURA

6
9

Por Marisa Helena de Jesus

Instituto Federal Goiano – Campus Rio Verde, Goiás, Brasil

Características Tecnológicas

Cada vez mais tem-se estudado a utilização de subprodutos da agricultura como alternativas para substituir os grãos na dieta bovina visando reduzir os custos de produção e, com isso, escapando da concorrência com a utilização de insumos da alimentação humana. O Brasil atualmente ocupa o segundo lugar mundial na produção de grãos, tendo alcançado na safra de 2019/2020 uma produção de 121,09 milhões de toneladas (Conab, 2020).

casca de soja é a parte externa do grão, obtida após o processamento industrial de extração do óleo, e vem ganhando destaque no cenário nacional devido à crescente produção brasileira. É também conhecida como casquinha de soja, e comercializada na forma de casca ou casca peletizada. Considerando as características nutricionais, a casca de soja é classificada como coproduto energético (< 20% PB), possui perfil nutricional que permite substituir os grãos mais utilizados na produção animal, como o milho e sorgo. Desta forma, a adição do subproduto na ração visa aumentar o consumo de energia e, ao mesmo tempo, manter o consumo de fibra potencialmente digestível presente em sua estrutura.

Nutrição animal

O uso da casca de soja em ração para alimentação animal em pastejo tem se mostrado bastante interesse por parte dos produtores. Devido à importância da cultura da soja no agronegócio nacional e ao volume de material processado diariamente, ela surge como um resíduo agroindustrial competitivo para ser utilizado na alimentação bovina. Tem sido alvo de diversos estudos, com a finalidade de verificar o seu benefício sobre o desempenho animal (produção e consumo de matéria seca, composição do leite, ganho de peso e conversão alimentar), digestibilidade dos nutrientes, parâmetros ruminais, atividade de mastigação, bem como a sua relação com a degradabilidade ruminal da fibra oriunda de forragens.

Com relação à composição química, a casca de soja possui alto teor de fibra em detergente neutro (FDN) e fibra em detergente ácido (FDA), mas baixa quantidade de lignina (em torno de 2%), o que pode resultar em uma digestibilidade in vitro de mais de 90%. A casca de soja pura (livre da contaminação do farelo de soja durante o processamento) deve conter em torno de 9,4% de proteína bruta (PB) e 74% de FDN na matéria seca (MS), sendo 46% composta de celulose e 18% de hemicelulose. Além de possuir uma boa palatabilidade, proporciona um efeito positivo associativo quando incluída em dietas de alta proporção de forragem (mais que 50%), pois promove a manutenção do pH ruminal e a diminuição da degradação da fibra alimentar. A casca de soja contém entre 60 a 66% de FDN, conferindo-lhe alta digestibilidade. O teor de amido é baixo, entre 0 a 9,4% (média de 3,6%), e os teores médios de pectina têm se situado em torno de 12,8% da MS. O teor de proteína bruta da casca é pouco superior ao do milho, entre 10,7 a 13,9% da MS.

O fornecimento de maiores quantidades de energia em dieta animal normalmente é feito pela inclusão de cereais ricos em amido, principalmente o milho. Além de ser altamente digestível, o amido favorece a formação de um ácido orgânico no rúmen, o propionato, que está associado com maior volume de leite produzido.

Benefícios da casca de soja

A casca de soja pode substituir até 25% da alimentação animal, desde que a dieta obedeça a níveis adequados de fibra efetiva. Caso a substituição seja maior do que a indicada, isto pode promover maior acidificação do rúmen (pela menor produção saliva) e acarretar redução de consumo pelas vacas. 

A utilização da casquinha de soja pode ser uma estratégia bastante interessante na formulação de dietas de vacas leiteiras, pela possibilidade de redução de custos pela substituição parcial ou para o aumento da densidade energética das dietas. Entretanto, é recomendável que os limites de inclusão apresentados pela literatura científica sejam respeitados de forma a evitar problemas associados à produtividade e saúde das vacas.

Alguns pesquisadores americanos relataram que, de modo geral, a substituição parcial do milho na dieta de vacas confinadas por casca de soja não afetou o consumo de MS, a produção de leite e o teor de gordura do leite. Entretanto, há diversos trabalhos onde foi observada redução no teor de proteína do leite com a substituição parcial do milho por casquinha.

A proteína da casca de soja apresenta um perfil de aminoácidos adequado para suprir as necessidades proteicas de uma dieta de qualidade. Revela-se, que o uso do resíduo de soja é indicado na formulação de alimentos visando o aumento do valor nutricional e possível redução nos custos de produção em relação ao produto tradicional. Principalmente para aquelas formulação de dietas em confinamento, nas quais reduz os gastos com alimentação e promove aumento da margem bruta em comparação à dieta formulada com apenas ingredientes energéticos.

Redução dos impactos ambientais

Com o crescimento acelerado da população, as indústrias também tiveram que expandir sua produção de forma a atender a demanda existente, e com isso, há um aumento considerável de problemas ambientais, como a geração de resíduos e outros relacionados à industrialização.

O resíduo de casca de soja é considerado fonte de carboidratos, minerais, fibras e proteína, apresentam vantagens como menor teor energético e lipídios em relação ao grão integral, constituindo uma matéria-prima de qualidade nutricional.

Referências

SANTOS, D.T.; ROCHA, M.G.; QUADROS, L.F.; GENRO, T.C.M.; MONTAGNER, D.B.; GONÇALVES, E.N.; ROMAN, J. Suplementos energéticos para recria de novilhas de corte em pastagens anuais. Desempenho animal. Revista Brasileira de Zootecnia, Viçosa, v. 34, n. 1, p. 209-219, 2005.

CONAB – Companhia Nacional de Abastecimento. Acompanhamento da safra brasileira de produção soja: safra 2019/2020: Terceiro levantamento. Brasília: CONAB, 2020. Disponível em: www.conab.gov.br. Acesso em: 15 jun. 2020.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO – MAPA. Secretaria de Fiscalização Agropecuária. Portaria nº007 de 09 de novembro de 1988. Anexo que estabelece os padrões mínimos das diversas matérias primas empregadas na alimentação animal, Decreto nº99427, 1/8/1990.

SILVA, L.D.F. Degradabilidade ruminal da casca de soja e fontes protéicas e seus efeitos nas digestões ruminal e intestinal de rações de bovinos. 1999. Tese (Doutorado em Zootecnia) - Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal, 1999.

FElJÓ. G. L. O.; SILVA. J. M. de; THIAGO. L. R. L. do S.; PORTO. J. C. A,; ARRUDA, E. F. Eleito de níveis de concentração na engorda do bovino confinados. O desempenho de novilhos F 1 Pardo Suiço x Nelore. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 33., 1996, Fortaleza . Anal. SBZ, 19960. p. 73 ·75

IPHARRAGUERRE, I.R.; CLARK, J.H. Soyhulls as an alternative feed for lactating dairy cows: A review. Journal of Dairy Science, v.86, n.4, p.1052-2073, 2003.  

MONTAGNER, D.B.; GONÇALVES, E.N.; ROMAN, J. Suplementos energéticos para recria de novilhas de corte em pastagens anuais. Desempenho animal. Revista Brasileira de Zootecnia, Viçosa, v. 34, n. 1, p. 209-219, 2005.

ANDERSON, S.J.; MERRIL, J.K.; McDONNELL, M.L.; KLOPFENSTEIN, T.J. Soybean hulls as an energy supplement for the grazing ruminant. Journal of Animal Science, Champaign, v. 66, n. 11, p. 2959-2964, 1988.

SANTOS. Flávio A. P. Nutrição | 01 de Abril de 2013

SILVA, Maria Sebastiana; NAVES, Maria Margareth V.; OLIVEIRA, Rosicler B. de; LEITE, Oneide de S. M.: Faculdade de Nutrição, Universidade Federal de Goiás, Ciênc. Tecnol. Aliment. vol.26 no.3 Campinas July/Sept. 2006

BERCHIELLE, T.T.; ANDRADE, P.; FURLAN, C.L. Avaliação de indicadores internos em ensaios de digestibilidade. Revista Brasileira de Zootecnia, v.29, n.3, p.830-833, 2000. 

ABNT NBR ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental: Requisitos como orientações para uso. 2. ed. Rio de Janeiro: 2004

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário! Quer escrever para nós? Envie um e-mail para contato@milkpoint.com.br.

Participe também do nosso grupo no Telegram, para receber as notícias mais importantes do setor diariamente. Acesse aqui > https://t.me/milkpointexperts

6

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MARCOS RAFAEL SOUSA FERREIRA MARTINS

BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL - ESTUDANTE

EM 06/07/2020

Parabéns pelo artigo, excelente trabalho!!!
JULIANA APARECIDA CELIA

RIO VERDE - GOIÁS - ESTUDANTE

EM 03/07/2020

Parabéns Marisa! Excelente trabalho.
Parabéns pela dedicação à pesquisa. Este trabalho é de alta importância para a sociedade, principalmente para a nossa região que é uma das maiores produtoras de soja do Brasil!
GEISA PRISCILLA ARAÚJO GOMES MAIA

RIO VERDE - GOIÁS - PESQUISA/ENSINO

EM 03/07/2020

Parabéns pelo artigo !
MARCO ANTÔNIO PEREIRA DA SILVA

RIO VERDE - GOIÁS - PESQUISA/ENSINO

EM 03/07/2020

Parabéns Marisa, excelente artigo!!!
GEISA PRISCILLA ARAÚJO GOMES MAIA

RIO VERDE - GOIÁS - PESQUISA/ENSINO

EM 03/07/2020

Muito interessante ! Parabéns a autora !
ISAAC BEZERRA

RIO VERDE - GOIÁS - ESTUDANTE

EM 03/07/2020

Ótimo artigo. Muito obrigado.