FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

O estresse térmico afeta os componentes físico-químicos do leite?

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 08/07/2020

6 MIN DE LEITURA

3
11

Por Ruthele Moraes do Carmo1; Pamella Cristina Teixeira2; Jéssica Silva Medeiros2; Esther Cristina Neves Medeiros2; Edmar Soares Nicolau1 e Marco Antônio Pereira da Silva2

1 Universidade Federal de Goiás, Campus Samambaia, Goiânia - GO
2 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano - Campus Rio Verde, Rio Verde - GO

 

Alterações na composição físico-química do leite podem ocorrer devido a fatores como raça, estádio da lactação, ordem de parição, estação do ano, alimentação, tipo de ordenha, intervalo entre ordenhas, manejo, status sanitário da glândula mamária e estresse térmico, seja pelo calor e/ou pelo frio.

Animais de alta produção, principalmente oriundos de raças europeias são afetados negativamente pelo estresse térmico por calor e, como consequência, reduzem o consumo de matéria seca, causando conseguinte redução na produção e qualidade do leite. Variáveis essas afetadas quando os animais permanecem expostos durante longos períodos a ambientes onde a temperatura e umidade estão acima ou abaixo da sua zona de termoneutralidade ou zona de conforto térmico.  

A zona de conforto térmico pode variar em função da raça dos animais, ou seja, para animais de alta produção varia de 16,0 °C a 25,0 °C em média, porém, temperaturas do ar acima de 20 °C a 25 °C em ambientes de clima temperado e 25 °C a 37 °C em ambientes de clima tropical elevam a temperatura corpórea dos animais – que pode ser observada pelo aumento na frequência respiratória e pela temperatura retal –, induzindo o estresse térmico por calor nos animais.

A produção de leite é um indicador direto de bem-estar, pois oferece aos produtores a capacidade de monitorar a resposta individual do animal a um evento, seja este o aumento da temperatura ambiente ou mudanças na nutrição.

Durante o estresse por calor, as vacas diminuem o consumo de ração, aumentam a taxa respiratória, o fluxo sanguíneo periférico e a transpiração. Essas respostas têm um efeito deletério tanto na produção quanto no estado fisiológico da vaca. A perda de água do trato respiratório pela respiração ofegante é responsável por cerca de 60% da perda total de calor, enquanto o restante se dissipa da superfície da pele pela transpiração.

A temperatura retal e a frequência respiratória são as melhores variáveis fisiológicas para estimar a tolerância dos animais ao calor. A primeira é usada como um índice de adaptabilidade fisiológica a ambientes quentes e a segunda é indicada porque responde imediatamente a mudanças no ambiente térmico. Um aumento nesses parâmetros indica falha nos mecanismos de liberação de calor no ambiente.

Pesquisas demonstram que animais submetidos ao estresse térmico por calor tendem a aumentar suas exigências nutricionais para manutenção da homeotermia, devido a menor ingestão de alimento, menor tempo de ruminação e absorção de nutrientes, ou seja, os animais diminuem suas atividades físicas e fisiológicas visando a redução do calor endógeno produzido.

Diante disso, com a redução de nutrientes absorvidos e destinados a glândula mamária, ocorre diminuição na síntese do leite e seus constituintes. Em média, a produção de leite reduz em 33% uma semana após a exposição dos animais a ambientes com elevada temperatura e umidade, principalmente quando a temperatura sobe de 18,0 ºC para 29,4 ºC e a umidade relativa do ar for de 20%. Consequentemente, as concentrações de proteína, gordura, conteúdo de caseína e a composição das caseínas são fortemente afetadas.

Animais submetidos ao estresse térmico por calor produzem, em média, menos gordura e proteína, principalmente os com ordem de partos superior a três. Fatores como a acidose ruminal e a alcalose respiratória podem influenciar as concentrações de gordura no leite. Animais submetidos ao estresse térmico são mais susceptíveis a acidose ruminal, podendo ter menor pH do líquido ruminal, menor atividade de ruminação e menor capacidade de tamponamento pela saliva.

Essa predisposição à acidose é indicada pela redução nas contrações ruminais e como consequência, menor produção de saliva. A diminuição da atividade da musculatura ruminal de vacas submetidas a estresse térmico pode estar relacionada com uma concentração reduzida de acetato no rúmen e aumento nas concentrações de propionato, que desempenham papel essencial na motilidade ruminal, pois influenciam os receptores neurais na parede do rúmen para haver contração.

Outro fator importante é a alcalose respiratória. Este é um mecanismo fisiológico adicional que ocorre durante condições de estresse térmico e que pode contribuir para a acidose ruminal e, assim, diminuir o teor de gordura do leite.

A dieta que o animal consome afeta os teores de gordura no leite, ou seja, a maior ingestão seletiva de concentrado durante os períodos mais quentes do ano, reduzem as concentrações de acetato no rúmen, sendo este o principal precursor de gordura no leite. Além disso, ocorre variações no perfil de ácidos graxos presentes no leite, visto que o animal em estresse térmico reduz o consumo de alimento e começa a desprender gordura corporal para a glândula mamária, elevando as concentrações de ácidos graxos de cadeia longa e reduzindo as concentrações de ácidos graxos de cadeia curta.

Da mesma forma, ocorre com os níveis de proteína presentes no leite, o déficit nutricional promove redução na síntese das proteínas na glândula mamária, bem como, diminuição na síntese de caseína, ou seja, a menor concentração de aminoácidos chegando na glândula mamária afeta a qualidade da proteína produzida pela mesma.

Outro fator importante na diminuição das concentrações de proteína é a síntese de proteínas de defesa celular. As células da glândula mamária em elevadas temperaturas sintetizam maiores concentrações de proteínas HSP (HeatShockProteins), principalmente HSP70, extremamente sensível à temperatura elevada. Com o desvio dos aminoácidos para síntese de proteínas de defesa, ocorre menor síntese de caseínas, afetando diretamente seus níveis do ponto de vista quantitativo e qualitativo e, consequentemente, a qualidade dos derivados lácteos.

Para amenizar essas variações da composição recomenda-se o uso de árvores e/ou sombra artificial nos piquetes e/ou pastos para que as vacas possam reduzir o tempo de exposição ao sol, do ponto de vista de animais criados a pasto. Por outro lado, para animais de alta produção, recomenda-se a utilização de galpões climatizados, ou seja, sistema confinado (freestall ou compost barn), reduzindo os efeitos climáticos sobre os animais. Nestes ambientes consegue-se controlar a temperatura e umidade com a utilização de ventiladores e aspersores. No entanto, estes são sistemas com elevados custos de instalação e manutenção, bem como, se planejados de forma incorreta, se tornam ineficientes.

BERTONI, G.; CALAMARI, L.; MAIANTI, M. G. Producing specific milks for speciality cheeses. Proceedings of the Nutrition Society, v. 60, n. 2, p. 231-246, 2001.

BIANCA, W. Thermoregulation. In: HAFEZ, E. S. E. Adaptation of domestic animals. Philadelphia: Lea & Febiger, p. 97-118, 1968.

OUELLET, V.; CABRERA, V. E.; FADUL-PACHECO, L.; CHARBONNEAU, E. The relationship between the number of consecutive days with heat stress and milk production of Holstein dairy cows raised in a humid continental climate. Journal of dairy science, v. 102, n. 9, p. 8537-8545, 2019.

PERISSINOTTO, M.; MOURA, D. J.; CRUZ, V. F.; SOUZA, S. R. L.; LIMA, K. A. O.; MENDES, A. S. Conforto térmico de bovinos leiteiros confinados em clima subtropical e mediterrâneo pela análise de parâmetros fisiológicos utilizando a teoria dos conjuntos fuzzy. Ciência Rural, v. 39, n. 5, p. 1492-1498, 2009.

SHWARTZ, G.; RHOADS, M. L.; VANBAALE, M. J.; RHOADS, R. P.; BAUMGARD, L. H. Effects of a supplemental yeast culture on heat-stressed lactating Holstein cows. Journal of dairy science, v. 92, n. 3, p. 935-942, 2009.

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário! Quer escrever para nós? Envie um e-mail para contato@milkpoint.com.br.

Participe também do nosso grupo no Telegram, para receber as notícias mais importantes do setor diariamente. Acesse aqui > https://t.me/milkpointexperts

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

OSMAR REDIN

PORTO ALEGRE - RIO GRANDE DO SUL - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 09/07/2020

Muito bom Artigo.
Parabéns aos autores.
GEISA PRISCILLA ARAÚJO GOMES MAIA

RIO VERDE - GOIÁS - PESQUISA/ENSINO

EM 08/07/2020

Parabéns pelo trabalho !
JÉSSICA MEDEIROS

EM 08/07/2020

Um trabalho muito show!!