FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Mapeamento de pastagens por imagens de satélites

PRODUÇÃO

EM 15/06/2020

4 MIN DE LEITURA

1
11

Marcos Cicarini Hott1
Ricardo Guimarães Andrade1
Walter Coelho Pereira de Magalhães Junior2

1Pesquisador – Embrapa Gado de Leite
2Analista – Embrapa Gado de Leite

A produção leiteira no país, estimada em 33,83 bilhões de litros, se concentrou nos últimos anos em municípios das Regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, com praticamente a metade da produção ocorrendo em apenas 10 mesorregiões. Destas, destacam-se as mesorregiões Noroeste Rio-Grandense, Oeste Catarinense e Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba, as quais, em conjunto, concentram 22% da produção nacional, registrada em 2018 pelo IBGE. A mesorregião Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba acumula quase 26% da produção mineira, a qual é de 8,93 bilhões de litros, enquanto Noroeste Rio-Grandense e Oeste Catarinense produzem 67% e 78% do leite de seus Estados, cujos totais são estimados em 4,24 e 2,97 bilhões de litros, respectivamente. As mesorregiões Sul/Sudoeste de Minas, Sul Goiano, Sudoeste Paranaense e Centro Goiano produzem 15% do leite nacional, aproximadamente, com forte participação em seus Estados.  Os fatores que contribuem para esse desempenho passam por técnicas eficientes de manejo dos recursos disponíveis, aliadas à gestão financeira e condições de mercado.

Dentre os cenários que possibilitam o planejamento regional, formulação de políticas setoriais e atuariais, por exemplo, o mapeamento de recursos forrageiros e de pastagens pode traduzir em números o potencial produtivo a ser explorado em determinadas regiões do país. Em razão da extensa área de pastagens distribuída ao longo do território brasileiro, o uso de imagens de satélite para análise dessas áreas permite um levantamento menos oneroso e mais ágil.

O Brasil possuía uma área de 160 milhões de hectares de pastagens em 2006, e em 2017 detém 158 milhões de hectares, com base em dados preliminares do IBGE, sendo 92 milhões de hectares de pastagens plantadas (expansão de 9,1%) e 58 milhões de hectares de pastagens naturais (retração de 18,7%), sendo que as pastagens degradadas aumentaram de 9,9 milhões para 11,8 milhões de hectares (expansão de 19,3%), aproximadamente. Considerando os principais Estados produtores de leite, houve redução na área de pastagens totais, natural e plantada, no Rio Grande do Sul (-0,95%), Paraná (-15,11%) e em Goiás (-4,92%), e um aumento na área em Minas Gerais (6,02%) e Santa Catarina (7,32%) (Tabela 1).

monitoramento de pastagens por satelite

Entretanto, com a popularização de softwares geográficos e o surgimento de novos métodos para mapeamento das áreas de pastagens, abordando séries históricas de imagens para a depuração de mapas e classificações digitais, o país deteria entre 160 e 168 milhões de hectares de pastagens atualmente. Essa área foi estimada mediante avaliações realizadas por alguns laboratórios de geoprocessamento e centros de análises, variando com a precisão das imagens e com a metodologia utilizada, a qual pode considerar parâmetros biofísicos, socioeconômicos e censitários. Portanto, de acordo com a abordagem técnica, novos cenários em termos de quantificação e caracterização das áreas de pastagens podem ser obtidos, tendo em vista que a classe de vegetação dedicada às pastagens é uma das mais difíceis de identificação devido à semelhança nas imagens com cultivos agrícolas anuais.

O uso de séries temporais de imagens de satélites como o Landsat e Terra permitiram um ganho em termos de qualidade gráfica e de informação sobre o comportamento da vegetação e condições fitossanitárias através da resposta espectral, a qual é o retorno da energia ou luz refletida pelos tecidos das plantas e captada pelos sensores dos satélites. Todas essas informações dispostas em gráficos (Figura 1) ou imagens classificadas (Figura 2) permitem avaliações acerca da área, produção e evolução da vegetação de pastagens. As imagens da cobertura vegetal das pastagens são processadas a partir da luz visível e do infravermelho, gerando mapas com precisão variável, com o intuito de avaliar o vigor das pastagens por meio de índices de vegetação.

A Figura 1 apresenta um gráfico para um determinado ponto na imagem de uma região com pastagens, em referência ao perfil do índice de vegetação NDVI (Normalized Difference Vegetation Index) no momento e ao longo do tempo. Dessa forma, consegue-se distinguir entre os diversos cultivos ou mesmo detectar alterações na vegetação, caso ocorram, o que poderá ser tratado como uma mudança no uso das terras devido à análise do padrão de comportamento das culturas agrícolas, denominado como assinatura temporal.

monitoramento de pastagens por satelite

Figura 1 – Interface da aplicação SAT VEG com perfil temporal de uma área de pastagem (Embrapa Territorial, 2020).

Já a Figura 2 denota a aplicabilidade das imagens de satélite no mapeamento das áreas de pastagens, onde dados acerca do rebanho foram apresentados e cuja metodologia abordou a classificação de imagens de satélite e a taxa de lotação animal para derivar um índice associado ao processo de degradação.

monitoramento de pastagens por satelite

Figura 2 – Resultados de mapeamento de áreas de pastagens para o Brasil (LAPIG / UFG, 2020), cujas áreas na cor laranja pertencem à classe pastagens e na cor vermelha destacam as pastagens degradadas.

A indicação de áreas com bom estado vegetativo, assim como áreas com aspectos de degradação, aponta para a utilização cada vez maior de séries temporais de imagens de satélites no planejamento de ações na cadeia produtiva do leite no que concerne à identificação de áreas de pastagens e de forragens cultivadas. Dessa forma, cenários podem ser gerados por meio de geotecnologias para atendimento às demandas do setor lácteo, de órgãos governamentais e privados de planejamento e desenvolvimento regional. Por exemplo, através de levantamentos por imagens orbitais, estima-se que em torno de 25% das pastagens da região da Zona da Mata mineira se encontram em estágio de degradação e, em sobreposição a esta margem, 60% possuem atributos de cobertura vegetal condizentes com vulnerabilidade a processos de degradação, de forma persistente ou mesmo variável. Assim, por meio do monitoramento das condições da vegetação de pastagens, com o uso de imagens de satélite, podem-se acompanhar tendências na produção leiteira e apoiar a tomada de decisão em políticas públicas de mitigação da degradação de pastagens em áreas de interesse.

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário! Quer escrever para nós? Envie um e-mail para contato@milkpoint.com.br.

Participe também do nosso grupo no Telegram, para receber as notícias mais importantes do setor diariamente. Acesse aqui > https://t.me/milkpointexperts

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

DUARTE VILELA

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 22/06/2020

Parabéns aos colegas de Unidade pelo trabalho o qual me prontifiquei a colaborar. Desde a década de 2000, enquanto chefe-geral da Embrapa Gado de Leite, pensava em um levantamento desta natureza, para conhecer com certa precisão ou exatidão, qual era o universo de área degradada ou qual a área com pastagem de bachicaria, dominante à época? Mas, apesar do esforço as tecnologias disponíveis à época dificultavam a avaliação pelo ônus e pela disponibilidade de pessoal qualificado e com disposição a fazer o levantamento.