FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Cuidando do umbigo do outro

VÁRIOS AUTORES

PRODUÇÃO

EM 02/04/2019

4
10

O parto das vacas pode ser considerado um dos momentos mais importantes para os criadores de bovinos de leite. Nesse momento, uma nova fêmea passa a ser lactante em seu plantel, concomitantemente ocorre o nascimento do filhote. Após o rompimento do cordão umbilical, o recém nascido adquire uma porta de entrada em seu abdômen, dando livre acesso à agentes patogênicos em órgãos vitais, necessitando uma adequada desinfecção para minimizar complicações e até mesmo sua morte. Essas circunstância podem refletir no incremento do custo de criação dos animais com a terapêutica instituída e - em casos de óbito - a progressão genética na propriedade acaba sendo parcialmente interrompida.

Portanto, neste informativo será retratado o cuidado inicial em bezerras, sobretudo como evitar a principal forma de infecção em bezerras recém nascidas, a infecção por via umbilical, exemplificando alguns pontos que fazem diferença na assepsia do umbigo.

Para se reduzir as doenças de recém-nascidos é necessário a colostragem e a desinfecção umbilical adequada (SVENSSON; LIBERG, 2006). O bezerro recém-nascido detém incapacidade de manter sua temperatura corpórea (RENGIFO, et al., 2006), e seu sistema imunológico tem menor competência de proteção (BARRINGTON; PARISH, 2001), tornando o colostro indispensável nessa fase de sua vida.

Os anticorpos maternos são essenciais para formação da imunidade passiva, que vai sobressair nos primeiros meses de vida e atuar no controle de processos infecciosos, pois é inevitável a exposição do recém-nascido a microrganismos ambientais patogênicos. As infecções umbilicais, diarreias e as doenças respiratórias são as enfermidades que mais acometem bezerros durante os primeiros meses de vida, sua casuística está ligada principalmente à fatores ambientais, higiênicos, traumáticos, bacterianos e congênitos (RADOSTITS et al., 2010).

As afecções umbilicais podem evoluir gerando complicações como a patologia articular, meningite, uveíte, abscessos hepáticos e endocardite (RIET-CORREA, 2007). Dessa maneira, a desinfecção umbilical deve ser realizada até o umbigo estar totalmente cicatrizado. Dentre os produtos desinfetantes que podem ser utilizados, iodo e clorexidine são os mais usuais, facilmente encontrados em lojas agropecuárias. A associação de álcool nas soluções iodadas favorece a secagem das estruturas remanescentes do cordão umbilical (BITTAR, 2009).

No entanto, muitos produtores acabam por utilizar apenas produtos spray, popularmente chamados de “Azulão ou Prata”, porém, sua composição limita-se a produtos com ação larvicidas, repelentes e cicatrizantes, sendo assim, não garantem a higienização do umbigo. Outro produto a ser evitado é a solução iodada utilizada na ordenha de vacas, pois sua concentração é inferior à necessária para cicatrização (JUNIOR, 2015).

Além da concentração, a forma como é aplicada a solução também deve a atenção, evitando a pulverização externa, pois a parte interna do umbigo deve ser desinfetada, sendo necessária sua imersão em um recipiente limpo com o antisséptico (GORDEN; PLUMER, 2010). Para realizar a correta desinfecção das estruturas umbilicais recomenda-se utilizar solução de iodo a 7% em álcool ou clorexidine (aplicação por imersão, duas vezes ao dia até total cicatrização). O clorexidine tem amplo espectro de ação antimicrobiana e é eficaz em presença de matéria orgânica (SEINO, 2014).

Outro procedimento a ser executado é o corte do umbigo quando está com tamanho acima de 15 centímetros (cm), o ideal é que o mesmo tenha de 8-10 cm. Utilizando equipamentos limpos e de forma gentil deve-se realizar a secção, evitando também o corte próximo à pele (PEREIRA, 2011). O diagnóstico de afecções umbilicais em neonatos pode ser efetuado por meio da inspeção, observam-se formato, tamanho, coloração, lesões supurativas e presença de miíases (JUNIOR, 2015).

A palpação pode demonstrar a existência de eventual orifício e anel herniário, sensibilidade aumentada de temperatura e consistência flutuante (GARCIA et al., 2014). Portanto, um manejo correto envolve um local adequado para o bezerro ficar alojado, com menos contaminação possível no solo, fornecimento de colostro em tempo e quantidade suficiente e a cura do umbigo com produtos eficientes, garantindo menos problemas umbilicais. Consequentemente o filhote irá se desenvolver normalmente, diminuindo as chances de morte e o produtor não terá prejuízo no tratamento da enfermidade umbilical.

Referências bibliográficas

BARRINGTON, G. M.; PARISH, S. M. Bovine neonatal immunology. Veterinary Clinics of North America: Food Animal Practice, v. 17, n. 3, 2001. 463-476p.

BITTAR, C. M. M. Curso Agripoint: criação eficiente de bezerras e novilhas. 2009. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2009.

GARCIA, M., et al. Manual de Semiologia e Clínica de Ruminantes. 1 ed., São Paulo, 1996. 192p.

GORDEN, P. J.; PLUMER, P. Control, management, and prevention of bovine respiratory diasease in dairy calves and cows. Veterinary Clinics: Food Animal Practine, v. 26, 2010. 243-259p.

JUNIOR, A. R. C. V. Produto comercial comparado à solução de iodo a 6% na prevenção de e afecções umbilicais de bezerros recém-nascidos. 2015. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Viçosa.

RADOSTITS, O. M., et al. Clínica Veterinária: Um tratado de doenças dos Bovinos, Ovinos, Suinos, Caprinos e Equinos. 9 ed., Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2010. 136p.

RENGIFO, S. A., et al. Isolamento de agentes microbianos a partir de amostras de sangue e umbigo de bezerros mestiços neonatos. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science 43.4, 2006. 442-447p.

RIET-CORREA, F., et al. Doenças de ruminantes e equídeos. 3 ed., Santa Maria: Pallotti, 2007. 405-406p.

PEREIRA, J. C. Criação de bezerras e novilhas para produção de leite. Brasília: SENAR, 2011.

SEINO, C. H. Problemas umbilicais em bezerros nos primeiros 30 dias de vida: avaliação clínica, ultrassonográfica e correlação com a transferência de imunidade passiva. 2014. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

SVENSSON, C.; LIBERG, P. The effect of group size on health and growth rate of Swedish dairy calves housed in pens with automatic milk-feeders. Preventive veterinary medicine, v. 73, n. 1, p. 43-53, 2006.

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

AMARO FRANCISCO VIERO SILVEIRA

SÃO LEOPOLDO - RIO GRANDE DO SUL - ESTUDANTE

EM 11/04/2019

Olá! Se eu utilizar o álcool, qual deve ser a graduação dele? 96, 92, 70 ?
JOEL RODRIGO LOVATEL

IPORÃ DO OESTE - SANTA CATARINA

EM 12/04/2019

Bom dia Amaro! Utilizar álcool 70.
ALEX MOREIRA

NOVA INDEPENDÊNCIA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 02/04/2019

QUAL DEVE SER A CONCENTRAÇÃO DE CLORIXIDINE?
JOEL RODRIGO LOVATEL

IPORÃ DO OESTE - SANTA CATARINA

EM 02/04/2019

Bom dia Alex!
A concentração mais indicada é Clorexidina 2%.