ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Emater/RS: custos de manutenção da produção leiteira seguem altos

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 22/10/2021

6 MIN DE LEITURA

2
0

Os custos de manutenção da produção leiteira seguem altos, especialmente para criadores que utilizam concentrados e sais minerais; porém, o bom rebrote das pastagens perenes de verão vem possibilitando reduzir o fornecimento de concentrados, aliviando em parte a alta pressão dos custos.

O rebanho apresenta bom estado corporal, mesmo os animais ainda mantidos em pastagens cultivadas de inverno e que recebem silagem, feno e ração concentrada no cocho. De maneira geral, o estado sanitário do rebanho é satisfatório.

Os parâmetros de qualidade do leite sofreram impacto devido ao excesso de chuvas em setembro, mas em outubro devem voltar aos patamares normais devido à melhoria das condições de umidade que contribuem para evitar os problemas relacionados com o barro.

Na de Caxias do Sul, com a deficiência de forragem, é relatada a ocorrência de acidez no leite, com baixa higroscopia, baixo teor de sólidos ou leite instável não ácido (LINA), comuns em períodos de mudanças abruptas na dieta ou de deficiências na alimentação, como durante vazios forrageiros.

Ainda em relação ao aspecto sanitário, a elevação das temperaturas provoca maior ocorrência de ectoparasitas, como os carrapatos bovinos, a mosca-do-chifre, e casos de bicheira (miíases). Foram realizados o controle de endo e ectoparasitas e a vacinação de terneiras em prevenção à brucelose.

Continuam os problemas de barro ao redor das instalações devido às chuvas, dificultando o manejo das vacas. Tais situações, além de exigirem trabalho adicional de limpeza, podem também provocar o aumento da contaminação do leite.

Na de Passo Fundo, os rebanhos mantêm elevados níveis de produção de leite, consequência da qualidade dos alimentos volumosos, típicos dessa época. Os produtores mantêm o uso da silagem, principalmente de milho, visando o ajuste dos níveis de energia nas dietas disponibilizadas. 

Na regional de Lajeado, o volume de leite entregue para a indústria atingiu o pico em setembro, principalmente pelo clima e estágio das pastagens de azevém. Em outubro, já se percebe leve redução na produção, pela transição das pastagens de inverno para as de verão. A transição de pasto reduz a produção de leite, principalmente nas propriedades onde ela é baseada em pastagens.

Na de Soledade, a oferta de pastagem em boa parte das propriedades produtoras de leite fica por conta do azevém das variedades tetraploides e das pastagens perenes de verão, destacando-se o tífton e o capim elefante BRS kurumi. Por outro lado, há propriedades com pastagens anuais de inverno em estágio final, de menor qualidade.

Na de Ijuí, a produção média regional segue estável, com variação de aumento ou queda entre municípios e redução do preço pago ao produtor para o leite entregue em setembro, com queda média de R$ 0,10. A alta umidade prejudica o manejo dos animais e o transporte da produção devido ao mau estado das estradas após as chuvas torrenciais.

Na regional de Erechim, o tempo chuvoso e nublado reduziu o tempo efetivo de pastejo dos animais e dificultou o manejo dos rebanhos, que apresentam boa condição corporal e boas condições sanitárias. Os corredores e arredores das instalações estão enlameados, comprometendo a higiene dos animais ordenhados. O manejo da cama nos sistemas confinados ficou dificultado, exigindo muitas horas de ventilação, mais revolvimento e fechamento de cortinas laterais para evitar o molhamento pelas chuvas. Permanece a apreensão dos produtores com o alto custo de produção.

Na de Santa Maria, a condição nutricional das vacas leiteiras está adequada. Continua boa a oferta em quantidade e qualidade de pastagens de inverno. Aumenta a produção do leite em virtude da ampliação da oferta de pastagens verdes de qualidade.

Na de Bagé, é bom o estado corporal das matrizes, com bons níveis de produção de leite. As temperaturas foram benéficas para o conforto dos animais e permitem o uso das pastagens sem maiores restrições de horário.

Em Hulha Negra, produtores buscaram adaptar a dieta das matrizes com utilização de milho em maiores quantidades ou até mesmo substituindo totalmente as rações formuladas, considerando o alto custo das mesmas e a excelente disponibilidade de proteína nas pastagens.

Com o vazio forrageiro primaveril na regional de Caxias do Sul, há grande diminuição da oferta de forragem nas pastagens para os rebanhos e, com isso, ocorre queda na produção leiteira. Grande parte dos produtores não utilizam pastagens de verão, e a base alimentar dos rebanhos se concentra na silagem de milho. Alguns produtores mais profissionais efetuam a suplementação volumosa para substituir a deficiência de pasto e fazem o balanceamento nutricional adequado, mantendo a produção estável, mesmo elevando o custo de produção. Nas propriedades manejadas com pastagens perenes, como tífton 85 e jiggs, já há boa oferta de forragem para os rebanhos. Assim, produtores conseguem manter a produtividade sem aumento significativo na suplementação, minimizando efeitos do vazio forrageiro outonal e mantendo estáveis os custos de produção.

Nos sistemas mais intensivos – semiconfinamentos e confinamentos, a alimentação fornecida no cocho é composta basicamente de silagem de milho, suplementada com ração concentrada baseada em grãos ou farelos. Tem crescido o interesse por fontes nutricionais alternativas, como o resíduo de cervejaria, o caroço de algodão, além da inclusão das silagens de inverno, como forma de reduzir custos na dieta. Esses cereais e subprodutos que compõem as dietas sofreram grande reajuste de preço. Produtores aproveitam os dias de tempo firme para regularizar a confecção de silagem de inverno das lavouras de trigo ou de outros cereais de inverno. A ensilagem do trigo deve se intensificar nos próximos dias. Segue atrasada a implantação de milho para silagem, devido às chuvas frequentes. Em lavouras implantadas, já são relatados os primeiros casos de ocorrência de cigarrinha do milho, praga que pode comprometer parte da produção de silagem no verão.

Na de Santa Rosa, as chuvas volumosas das últimas semanas proporcionam boa umidade do solo, que por sua vez proporciona melhorias na brotação e crescimento das forrageiras, mas de outro lado o barro ao redor das instalações dificulta o manejo das vacas e sujeira nos tetos; além de exigirem mais trabalho de limpeza e podem também provocar o aumento de contagem bacteriana total – CBT e contagem de células somáticas – CCS.

A oferta de forragem para as vacas está muito boa, potencializando a produção e com tendência a reduzir o fornecimento de silagem e ração, uma vez que os nutrientes serão basicamente fornecidos pelas pastagens de verão, reduzindo custos. Muitos produtores realizaram a silagem de pré-secado de trigo e de azevém com aveia para alimentação dos animais, visando reservar alimento para caso de frustação da produção da silagem de milho no verão.

Em 06/10 foi iniciada a primeira das 12 coletas e análises de água em 49 propriedades participantes do Projeto de Qualificação da Cadeia Produtiva do Queijo Artesanal Serrano em Bom Jesus, Cambará do Sul, Caxias do Sul, Jaquirana, Muitos Capões, São Francisco de Paula e São José dos Ausentes.
 

Comercialização do Leite

De acordo com o levantamento de preços realizado pela Emater/RS-Ascar, o preço médio do litro do leite no Estado ficou em R$ 2,10, o que representou um aumento de 0,96% em relação a setembro. 

A variação nos preços recebidos pelos produtores deve-se a diferentes variáveis, entre elas o volume comercializado, as bonificações por quantidade e qualidade do leite, de acordo com os parâmetros normatizados para o produto.

As informações são da Emater/RS, adaptadas pela equipe MilkPoint. 

 

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

DANIEL DALGALLO

PORTO UNIÃO - SANTA CATARINA - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 25/10/2021

Barro em centro de manejo e corredores é assunto superado
Transição só para quem não tem pastagens perenes
DANIEL DALGALLO

PORTO UNIÃO - SANTA CATARINA - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 25/10/2021

Barro no entorno de instalações?
Transição de pasto?
Isso são questões já debatidas e com soluções simples
MilkPoint AgriPoint