FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Prevenindo e combatendo casos de miíase (bicheira) em ovinos

POR DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 17/09/2010

4 MIN DE LEITURA

42
2
O termo miíase é utilizado para se referir a uma condição patológica em que há invasão de tecidos vivos por larvas de moscas dipteras, causando lesões ulcerativas que afetam o bem-estar, a higidez orgânica e, logo, a performance dos animais acometidos.

Vulgarmente conhecida como "bicheira", a miíase ocorre em diversas espécies animais, domésticas ou silvestres, e, inclusive, no ser humano, representando uma das principais e mais frequentes enfermidades parasitárias na espécie ovina que ocasiona redução na produção, aumento de infecções bacterianas secundárias e em casos severos, mutilações e a morte dos animais massivamente parasitados.

Cochliomyia hominivorax é um parasita obrigatório dos vertebrados homeotérmicos e as fêmeas desta espécie ovipõem sobre feridas, abrasões cutâneas, tecidos traumatizados ou orifícios naturais, não sendo atraídas por tecido morto ou por cadáveres.

Apesar de muitos quadros clínicos se iniciarem a partir de lesões ocasionadas por práticas de manejo rotineiras (caudectomia, brincagem, tosquia e castração), por cortes acidentais (arame farpado, soluções de continuidade em instalações, vegetação nativa e plantas invasoras espinhosas), por intervenções cirúrgicas (vasectomia e cesariana) ou por condições clínicas específicas (dermatite interdigital, foot rot, retenção placentária e ixodidiose), um número significante de casos se iniciam a partir de traumatismos naturais, a exemplo dos tecidos lacerados na região perianal de ovelhas no pós-parto ou no umbigo não cicatrizado de cordeiros recém-nascidos (Figura 1 e 2), sendo a estação de parição um dos períodos de maior ocorrência de miíases.

Figura 1 - Ovipostura de Cochliomyia hominivorax em forma de massa plana sobre a borda seca do cordão umbilical de cordeiro recém nascido.



Figura 2 - Miíase umbilical ativa em cordeiro neonato apresentando larvas de primeiro estágio após a eclosão dos ovos dando margem a infecções bacterianas secundárias.



A fêmea de C. hominivorax realiza a ovipostura sobre a borda seca das lesões em massas planas (Figura 1) contendo de 100 a 500 ovos que após 10 a 24 horas eclodirão (Figura 2), liberando larvas que nos 4 a 8 dias seguintes passarão a se alimentar do tecido subcutâneo, aumentando e aprofundando ainda mais a lesão, e produzindo um exsudato de odor característico que atrai novas posturas de C. hominivorax e de outras espécies de moscas, favorecendo a instalação de infecções bacterianas severas que agravam rapidamente a condição clínica do hospedeiro, especialmente, em cordeiros, causando onfalopatias e a partir das mesmas, artrites infecciosas de difícil tratamento.

Após atingirem cerca de 1,5 cm de comprimento durante o período de desenvolvimento no hospedeiro, as larvas abandonam o animal e caem ao solo, seguindo o período pupal e emergindo como moscas adultas transcorridos 7 dias, dando início a um novo ciclo de vida.

Embora haja uma maior incidência de casos no período chuvoso - quando há maiores temperaturas e um ciclo de vida mais acelerado - quadros de miíases acontecem ao longo de todo o ano, e em função da velocidade com que a doença evolui. O não tratamento em tempo hábil pode determinar uma condição irreversível de deformação ou mutilação (Figura 3 e 4) ou, simplesmente, a morte dos animais parasitados.

Figura 3 - Ovelha apresentando cicatriz facial, deformação nasal e perda dentária após um quadro severo de miíase.



Figura 4 - Ovelha apresentando mutilação na região distal do membro posterior esquerdo com perda do casco, da terceira falange e do sesamóide distal após um quadro agressivo de miíase decorrente de dermatite interdigital.



A miíase por C. hominivorax pode ser prevenida e combatida quando presente por meio da implementação de algumas medidas preventivas, tais como:

1 - Monitoramento dos animais após práticas de manejo como tosquia, castração, caudectomia e brincagem, e intervenções cirúrgicas como vasectomia e cesarianas;

2 - Cauterização do umbigo de cordeiros neonatos com tintura de iodo a 10% logo após o nascimento, a fim de criar tão logo quanto possível um tecido de cicatrização;

3 - Aplicação preventiva de doramectina intramuscular na dose de 300 mcg/kg de peso vivo nas situações acima citadas, assim como, de repelentes do tipo "mata-bicheira" ou de ectoparasiticidas pour on;

4 - Dimensionar e realizar a manutenção das instalações evitando-se soluções de continuidade que possam lesionar os animais;

5 - Combater e controlar espécies vegetais espinhosas que possam traumatizar a pele dos animais em pastejo;

6 - Tratar tão logo quanto possível casos de dermatite interdigital e foot rot por meio de soluções podais (formalina, sulfato de zinco) e antibioticoterapia, quando necessário.

Por sua vez, o tratamento das miíases já instaladas consiste das seguintes etapas:

1 - Tricotomia da região em volta da lesão;

2 - Lavagem da área com água corrente e sabão neutro;

3 - Neutralização das larvas com éter, solução de cresol ou repelente do tipo "mata-bicheira";

4 - Remoção total das larvas utilizando uma pinça desinfectada;

5 - Lavagem da lesão com solução fisiológica para a remoção do exsudato e sujidades presentes;

6 - Aplicação de tintura de iodo a 10% no local da lesão;

7 - Aplicação de pomada ou unguento cicatrizante;

8 - Antibioticoterapia sistêmica a base de oxitetraciclina de longa ação na dose de 20 mg/kg de peso vivo via intramuscular a cada 48 horas durante 7 dias como prevenção e combate a infecções bacterianas secundárias.

DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

Médico Veterinário, MBA, D.Sc., especializado no sistema agroindustrial da carne ovina. Consultor da Prime ASC - Advanced Sheep Consulting.

Facebook.com/prime.asc

Twitter.com/prime_asc

42

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ANA CHIARINI

ANGELINA - SANTA CATARINA - OVINOS/CAPRINOS

HÁ 8 HORAS E 23 MINUTOS

Muito útil o artigo! Estou com uma cordeira de 5 meses que apareceu com a bicheira na perninha traseira. Comecei a passar o Prata, mas daí vi que ela estava com a boquinha inchada. De fato, eu a vi cutucando a ferida da perna com a boca. Retiramos as larvas da perna e da boca. Apliquei a Doramectina e passei prata na perna. Na boquinha, só esfreguei um pouco por fora, porque ela lambe. Parece que melhorou, mas tem um buraco ali onde tiramos 4 larvas de 1 cm, mais ou menos. Desinchou, ela está mais disposta, mas gostaria de saber o que posso passar do lado da boquinha para ajudar na cicatrização.
HENRIQUE QUIRINO

CAÇADOR - SANTA CATARINA - OVINOS/CAPRINOS

EM 17/02/2020

Oi eu to com uma ovelha que esta com uma videira bem profunda na barriga e no quarto dela como faço para tratar
SUZANI SANTOS

SÃO PAULO - SÃO PAULO

EM 24/01/2020

Bom Dia!
Me chamo Suzani, estamos com um bode e uma cabra com bicheira. O bode e nas costas e cabra na orelha. Limpo com água, água oxigenada e sabão neutro, depois passo mata bicheira prata, isso ajuda a acabar ou tenho que dar vacina ou medicação??
CECÍLIA JOSÉ VERÍSSIMO

NOVA ODESSA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 27/01/2020

De modo geral, basta para curar. Tem que passar o produto (o mata bicheira prata) diariamente, até a cicatrização total da ferida.
IGOR HENRIQUE ZIMMERMANN

SÃO SEBASTIÃO DO CAÍ - RIO GRANDE DO SUL - OVINOS/CAPRINOS

EM 28/06/2019

boa tarde...crio ovelhas a 5 anos e nunca tive problemas como estou tendo nas ultimas semanas...ja sao 3 femeas com bichera na vagina...nunca tive esse tipo de problemas assim...consegui salvar todas mas qual seria o motivo disso sera...levando em consideracao q estao em final d gestacao devendo nascer as crias em agosto....des de ja agradeco
CECÍLIA JOSÉ VERÍSSIMO

NOVA ODESSA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 28/06/2019

Significa que elas (as moscas que causam a bicheira, espécie Cochliomyia hominivorax, estão perto de vc aí...)
Tem q ficar de ôlho nas ovelhas, principalmente daquelas que se escondem, ficam afastadas do resto do rebanho e escondem as partes afetadas. O ciclo da bicheira é muito rápido, no verão em 2-3 dias elas vão de uma larva de 1 mm a 1 cm!, passando pelas 3 fases e caindo no solo onde vão virar novas moscas. Precisa ficar de ôlho nas feridas, pois a mosca coloca os ovos (são uma massa branca) na borda da ferida. Um simples mata-bicheiras é capaz de martar as larvas quando são bem miúdas, mas quando a bicheira está grande (buraco grande) aí complica pq elas se aprofundam no tecido, e muitas já estão resistentes a produtos organofosforados, por isso gosto dos mata-bicheira prata.
Abraço e espero q tenha sucesso na atividade!
CECÍLIA JOSÉ VERÍSSIMO

NOVA ODESSA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 10/06/2019

Tratar sempre com mata-bicheira comprado em farmácia veterinária. Dar preferência aos "prata"
CECÍLIA JOSÉ VERÍSSIMO

NOVA ODESSA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 10/06/2019

Deve ter parado de andar por outro motivo...
MARIA LUIZA MARINS

PELOTAS - RIO GRANDE DO SUL

EM 08/06/2019

Olá, tenho uma ovelha que está com bicheira no ouvido, como devo proceder? Obrigado
CECÍLIA JOSÉ VERÍSSIMO

NOVA ODESSA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 10/06/2019

Tratar com mata-bicheiras. Os melhores são aqueles conhecidos como mata-bicheira "prata". Se tiver aí na sua região dar preferência a esses.
VIVIANE

BARRA - BAHIA - OVINOS/CAPRINOS

EM 04/02/2019

Serve para passar em cocheiras de cabras.
MARIO FRANCILIO DOS SANTOS

CANUDOS - BAHIA - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 26/04/2018

Boa tarde, Daniel meu cachorro está com um ferimento no ouvido e percebir algumas lavas apliquei 1ml de terramicina. terramicina serve para esse problema?
CECÍLIA JOSÉ VERÍSSIMO

NOVA ODESSA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 10/06/2019

Não terramicina não serve para tratar bicheira. Somente produtos mata-bicheiras servem.
SERGIO GOMES VIDAL

CARUARU - PERNAMBUCO

EM 30/08/2016

apos colocar mata bicheira prata em um cabritinho ele parou de andar o quer eu faço?
SERGIO GOMES VIDAL

CARUARU - PERNAMBUCO

EM 30/08/2016

apos usar mata bicheira prata no cabritinho ele paralisou as patas traseiras o que fazer ?
LUIZ SANDI

LAGES - SANTA CATARINA - OVINOS/CAPRINOS

EM 09/03/2016

Doramectina.
LUIZ SANDI

LAGES - SANTA CATARINA - OVINOS/CAPRINOS

EM 09/03/2016

Prezado Daniel, em cordeiros recem nascidos posso aplicar? Qual dose pode ser aplicada?
VALDEMIR LUIZ CRISTO DA SILVA

SÃO JOSÉ DOS PINHAIS - PARANÁ - OVINOS/CAPRINOS

EM 22/02/2016

bom dia !

moro no Parana região de Curitiba , tenho uma pequena área de terra e comprei um casal de carneiros jovem e  no segundo dia observei uma ferida no quadril do macinho deve pesar uns 20/25kg. fui limpar e percebi alguns bichos , lavei o local e retirei porem percebi que o local está um pouco escuro a carne, e a ferida é um pouco profunda será possivel trata-lo ou não?
JOSÉ ALVES VENRURA

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS

EM 10/02/2016

Boa tarde a todos!



É possível consumir a carne de animais acometidos por miiase?
DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

FORTALEZA - CEARÁ

EM 06/05/2015

Olá Gabriela,



Infelizmente, esses casos requerem intervenção profissional, de forma que você terá que levar o seu cão a um consultório veterinário.



Os Hospitais Veterinários das universidades podem ser uma opção menos onerosa.



Abraços,



Daniel
GABRIELA

RIO DE JANEIRO - RIO DE JANEIRO - ESTUDANTE

EM 30/04/2015

Ola Daniel,me ajuda por favor!!meu cão está c ferimento dentro da orelha aparentemente fundo e cheio de bicheiros...está sofrendo mto e n tenho como levar no veterinário  
DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

FORTALEZA - CEARÁ

EM 05/01/2015

Olá Talma,



Em relação às pulgas, o mais prudente é se consultar com um veterinário que possa fazer uma visita in loco e examinar adequadamente a sua ovelha e o ambiente, e a partir daí, definir as melhores medidas.



Abraços,



Daniel
TALMA DE BARROS

RIBEIRÃO PRETO - SÃO PAULO

EM 13/12/2014

Obrigada Doutor Daniel. Tenho uma ovelha chamada Brita, ela deu a luz dia 4 de novembro e quando a comprei ninguém me informou que deveria dar vacina, vermífugo,, nada.  O cordeirinho morreu com 25 dias. Daí comprei um cordeirinho cuja mãe foi morta, mas ela se recusou a amamenta-lo. Ela está com miase na vagina. Eu limpei com água morna, bati lepecid, tirei duas larvas. No dia seguinte fiz a mesma coisa, hoje havia uma bola de pus com restos de larvas grandes. Limpei e vim ler a respeito. Minhas ovelhas estão abrigadas em uma casinha com chá de terra, não sei se pode ser assim. A Brita come milho, sal mineral e pasta. Acho que estão com muitas pulgas. Não sei se posso dar banho. Se posso por front line ou bolfo. Não teria uma espécie de repelente para parasitas de ovelhas? Pode-se aplicar ivomec?
DARCI ELIANA DA COSTA

ITARARÉ - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE CAPRINOS DE LEITE

EM 28/11/2014

eu crio 15 cabras mas não seu muito eles se reproduzem e pretendo ir almentando de vagar ai queria saber como cuidar melhor deles
MilkPoint AgriPoint