ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Leite A2: o ouro branco pouco explorado no mercado nacional

ADRIANO GOMES DA CRUZ

EM 22/06/2021

8 MIN DE LEITURA

0
10

O leite é um dos produtos mais importantes para o agronegócio, além de ser um alimento considerado completo, sendo recomendado na dieta de diferentes faixas etárias devido ao seu aporte nutricional, principalmente em relação à oferta e biodisponibilidade de cálcio, proteínas, vitaminas e minerais.

No entanto, atualmente se observa um crescente aumento na parcela da população que se sente sensibilizada ao consumir o leite comum do tipo A1, bem como seus derivados. Como uma alternativa para contornar esse problema, a produção de leite do tipo A2, considerado um produto de melhor digestão, tem sido um nicho que tem apresentado cada vez mais destaque no mercado internacional e nacional. 

O leite mais consumido no Brasil e no mundo é o leite de vaca, e em sua composição total média possui cerca de 3,8% de proteínas, valor que pode variar de acordo com alguns fatores, como a raça do animal, alimentação, idade entre outros.

Essas proteínas são divididas basicamente em proteínas do soro, que correspondem a 20%, e caseínas que correspondem a 80% das proteínas totais, e consistem de quatro proteínas principais, sendo elas αs1-caseína, αs2-caseína, β-caseína e κ-caseína.

De acordo com a genética do animal, vacas com genótipo A1A1 possuem a variante β-caseína A1 que dá origem ao leite tipo A1 e vacas com genótipo A2A2 possuem a variante β-caseína A2 que dá origem ao leite do tipo A2.

A β-caseína possui um total de 209 aminoácidos e o que difere os dois tipos variantes A1 e A2 é a substituição de um aminoácido específico na posição 67. Enquanto a β-caseína A1 apresenta a molécula de histidina ligada a essa posição, a β-caseína A2 apresenta a ligação com a molécula de prolina. A grande implicação no consumo do leite tipo A1 está relacionada à digestão enzimática da proteína.

Os peptídeos normalmente manifestam atividades antimicrobianas, anti-hipertensivas, antitrombóticas, imunomoduladoras e de ligação mineral, entretanto, com a troca do nucleotídeo na C2N2 A1, ocorre uma alteração na estrutura, nas propriedades físicas da caseína e a vulnerabilidade à digestão enzimática.

A histidina favorece a liberação do peptídeo bioativo β-casomorfina-7 ou BCM-7, onde estudos apontam ser capaz de sensibilizar a região gastrointestinal e causar desconfortos como a redução da frequência e amplitude das contrações gastrointestinais e o aumento da secreção de muco, além de outros sintomas que podem variar entre indivíduos, e que não são observados no consumo de leite do tipo A2.

Estima-se que há cerca de dez mil anos, as vacas produziam somente leite do tipo A2, mas durante a época de domesticação do gado na Europa, ocorreu uma mutação genética transversa que levou ao surgimento do gene para produção de leite A1.

Na tentativa de aumentar a produção leiteira, através da reprodução dirigida, o gado com esse tipo de genótipo se espalhou pelo mundo durante a colonização do homem. Até o momento, essa mutação genética só foi observada exclusivamente em rebanho bovino, enquanto o leite de cabra, ovelha e búfala são considerados como A2. É importante mencionar também que a porcentagem das variantes A1 e A2 são diferentes de acordo com a espécie bovina.

Para a produção de leite do tipo A2, faz-se necessário que a fazenda produtora invista no melhoramento genético dos bovinos. Inicialmente, deve-se fazer um mapeamento genético através de coleta de material do tecido biológico das vacas, que pode ser uma amostra de sangue ou de pelo, que em seguida é enviado para o laboratório especializado, para identificar se o animal é homozigoto para a produção do leite A2.

Caso confirmado, elas serão separadas das que foram identificadas com tipo A1A1 e A1A2 e selecionadas para serem inseminadas artificialmente com sêmen de touros também de genótipo A2A2, dando origem assim a um rebanho exclusivamente A2A2.

A taxa com a qual o rebanho será totalmente convertido dependerá de fatores como investimento da genotipagem, a taxa de descarte dos animais com outros genótipos e da retenção dos bezerros.

No Brasil, o leite do tipo A2 ainda não é regulamentado pela legislação, mas pode receber uma certificação nacional especial que atesta que o produto é de qualidade e puramente de vacas com genótipo A2A2.

Essa certificação foi criada pelo movimento #BEBAMAISLEITE, que é formado por mães e médicas veterinárias que têm como objetivo difundir conhecimento e dados técnicos a respeito do leite para população, em parceria com a instituição Genesis Group, uma empresa certificadora credenciada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), para atuar na área do Sistema Brasileiro de Identificação Individual de Bovinos e Búfalos (SISBOV). O selo representa a possibilidade de o produtor agregar valor à matéria-prima e se destacar no mercado.

Para conseguir a certificação é necessário que o produtor rural ou a indústria cumpra alguns pré-requisitos que foram estipulados através de pesquisas desenvolvidas em universidades e instituições brasileiras.

O programa utiliza a certificação de terceira parte, que se trata de uma auditoria fiscal realizada pela Genesis Group, para verificar se os pré-requisitos foram estabelecidos, documentados e se estão sendo mantidos de acordo com as normas impostas, garantindo assim maior transparência e confiabilidade.

Cabe ressaltar que esse programa de certificação não é obrigatório, ficando a critério da organização, a aderência ou não da implementação dos requisitos para obtenção do selo que poderá ser utilizado no rótulo do produto.

O leite A2A2 surge como alternativa para população, pois é capaz de reduzir o colesterol no soro, diminuir a concentração de lipídeos de baixa densidade, prevenir doenças vasculares, além de aumentar o teor de proteína e o rendimento do leite produzido, em comparação com o leite provindo de vacas com alelo A1.

Entre outras vantagens, também apresenta maior digestibilidade devido à ausência de componentes relacionados ao desenvolvimento de alergias e outras doenças, possibilitando que pessoas que sentiam desconfortos, retornem a tomar leite.

Este produto representa uma grande oportunidade de comercialização nacional e internacional, constituindo um nicho de mercado com alta margem de lucro, visto que os consumidores tendem a pagar mais por produtos diferenciados.

Um exemplo a ser citado é a venda do leite zero lactose que pode custar 42% a mais que o leite convencional. No Brasil, apesar de já existirem laticínios que estão produzindo o leite A2 e o comercializando em baixa escala diretamente aos mercados regionais, é possível prever o grande potencial de crescimento nesse nicho.

No mercado internacional, a Nova Zelândia e a Austrália são grandes exportadoras de leite A2A2. Na Oceania, este produto é encontrado usualmente nas prateleiras dos estabelecimentos, similar aos Estados Unidos e Inglaterra (um dos principais importadores). Nos Estados Unidos, este mercado apresenta boa visibilidade, e já movimenta mais de 2 bilhões de dólares por ano, inclusive assumindo um papel de exportador no segmento.

Neste contexto, observa-se uma enorme margem de crescimento do setor no mercado nacional, que pode ser oportunamente explorado através do desenvolvimento de produtos lácteos A2A2, como doces de leite, manteigas, queijos e iogurtes, proporcionam mais benefícios à saúde do consumidor, além de agregar valor aos derivados lácteos possibilitando um aumento significativo nos rendimentos de pequenos produtores e laticínios.

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário, isso nos ajuda a saber que conteúdos são mais interessantes para você. Quer escrever para nós? Clique aqui e veja como!

Autores

Maiara J. de Lima, Departamento de Tecnologia de Alimentos, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ);

Jade  G. Martins, Departamento de Tecnologia de Alimentos, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ);

Camila B. F. da Silva, Departamento de Alimentos, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ);

Bruna B. Durço, Departamento de Tecnologia de Alimentos, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal Fluminense (UFF);

Mônica M. Pagani, Departamento de Tecnologia de Alimentos, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ);

Adriano G. Cruz, Departamento de Alimentos, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ);

Erick A. Esmerino, Departamento de Tecnologia de Alimentos, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), Departamento de Alimentos, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ) e Departamento de Tecnologia de Alimentos, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal Fluminense (UFF).

Referências 

BARBOSA, M. G.; SOUZA, A. B.; TAVARES, G. M.; ANTUNES, A. E. C.; Leites A1 e a2: revisão sobre seus potenciais efeitos no trato digestório. Segurança Alimentar e Nutricional. Campinas, v. 26, n.0, .1-11, Universidade Estadual de Campinas, 2019.

CORBUCCI, F. S.; Beta-caseína A2 como um diferencial na qualidade do leite. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Me3dicina Veterinária) – Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho, 23 f., Araçatuba, 2017.

ESTÂNCIA TAMBURIL. Leite A2A2. 2020. Disponível em: <https://www.estanciatamburil.com.br/leite-a2a2/> Acesso em: 20/03/2021

MILKPOINT. Alergia à proteína do leite de vaca (APLV) e leite A2. 2020. Disponível em: https://www.milkpoint.com.br/colunas/adriano-gomes-da-cruz/alergia-a-proteina-do-leite-de-vaca-aplv-e-leite-a2-222971/> Acesso em: 17 de mar. 2021.

 MILKPOINT. Leite A2: um leite especial para pessoas especiais. 2020. Disponível em:<https://www.milkpoint.com.br/colunas/adriane-elisabete/leite-a2-um-leite-especial-para-pessoas-especiais-213329/> Acesso em: 17 de mar. 2021.

MILKPOINT. Touros A2: utilização da genética como estratégia de mercado. 2020. Disponível em:< https://www.milkpoint.com.br/colunas/associacao-brasileira-de-gado-holandes/touros-a2-utilizacao-da-genetica-como-estrategia-de-mercado-221047/> Acesso em: 17 de mar. 2021.

MILKPOINT. Vendas de leite A2 crescem nos EUA e demonstram grande potencial. 2020. Disponível em: <https://www.milkpoint.com.br/noticias-e-mercado/giro-noticias/vendas-de-a2-milk-crescem-nos-eua-221575/#:~:text=Para%20essas%20pessoas%2C%20beber%20leite,de%20vaca%2C%20A1%20e%20A2.> Acesso em: 17 de mar. 2021.

NARDY, Vinícius; CARVALHO, Glauco; ROCHA, Denis.  EMBRAPA Gado de Leite. Mercado de Leite Fluido e Queijos no Brasil: Uma Análise de 2005 a 2016. 2019. Disponível em: < https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/1107017/mercado-de-leite-fluido-e-queijos-no-brasil-uma-analise-de-2005-a-2016> Acesso em: 21 de mar. 2021.

NEIVA, R.; EMBRAPA Gado de Leite. Melhoramento genético de bovinos permite a produção de leite menos alergênico. 2017. Disponível em: <https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/29569359/melhoramento-genetico-de-bovinos-permite-a-producao-de-leite-menos-alergenico> Acesso em: 19 de mar. 2021.

PACCHIAROTTI, V. L.; MENDES, J. P. G.; FERREIRA, L. M.; Produção do leite A2 e melhoramento genético do rebanho. Revista Interdisciplinar de Saúde e Educação. Ribeirão Preto, v. 1, n. 2, 209-226, 2020.

TRUSWELL, AS.; The A2 milk case: a critical reviw. European Journal of Clinical Nutricion. Nature Publishing Group. Australia. v. 59, p. 623-631, 2005.

*Fonte da foto do artigo: Freepik

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint