ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Leite de cabra: produção, características e potencialidades

LIPA/UFV

EM 09/04/2021

9 MIN DE LEITURA

5
15

Produção de leite de cabra

produção de cabras leiteiras fornece meios de subsistência sustentáveis, especialmente em áreas de recursos limitados, permitindo a geração de renda e emprego para pequenos produtores, além de produtos saudáveis e nutritivos (MILLER; LU, 2019). Nos últimos 50 anos, a produção mundial de leite caprino mais que dobrou e espera-se um aumento de aproximadamente 53% até 2030 (PULINA et al., 2018).

A produção mundial de leite de cabra foi estimada em 18,7 milhões de toneladas em 2017 (FAO, 2019). A Índia registrou a maior produção mundial (~33%), seguido por Bangladesh (5,9%), Sudão (5,8%), Paquistão (4,5%), França (3,12%), Grécia (3,0%), Turquia (2,8%) e Espanha (2,6%) (FAO, 2019).

No período de 2007 a 2017, a Ásia apresentou o maior aumento na produção de leite de cabra (22%), seguida pela África (13%), Oceania (9%), Américas (5%) e Europa (4%) (MILLER; LU, 2019).

No Brasil, predomina a produção de leite de vaca, no entanto, o leite de cabra mesmo com o menor volume de produção, tem grande importância na geração de emprego e renda (DELGADO-JÚNIOR et al., 2020). A caprinocultura brasileira é mais difundida nas regiões Norte e Nordeste, sendo o estado da Paraíba o maior produtor do país.

Nessa região, a maior parte da produção é direcionada para programas de distribuição de alimentos, como a merenda escolar. A região Sudeste é a segunda maior bacia leiteira, sendo o estado de Minas Gerais o terceiro maior produtor de leite de cabra (IBGE, 2017).

De acordo com o IBGE, entre 2006 e 2017, o rebanho caprino apresentou crescimento de 16%, totalizando mais de 8 milhões de cabeças com uma produção anual de aproximadamente 25 milhões de litros, o que demonstra seu potencial no contexto do agronegócio brasileiro (IBGE, 2017).

Características do leite de cabra: composição, digestibilidade e alergenicidade

O leite de cabra é um alimento que possui alto valor nutricional, com quantidades significativas de proteína, gordura, carboidrato, vitaminas e minerais. Sua composição nutricional possui semelhança com a composição do leite de vaca (Tabela 1), podendo variar de acordo com a dieta do animal, raça, paridade, estágio de lactação, estação do ano e condições de manejo (PARK, 2017).

Com a finalidade de padronizar a identidade e a qualidade do leite de cabra destinado ao consumo humano, aprovou-se a Instrução Normativa nº 37, em 31 de outubro de 2000, na qual consta a descrição dos requisitos mínimos quanto à composição de nutrientes do leite caprino (Tabela 1).

Tabela 1. Composição média dos leites de cabra e vaca.

composição leite de vaca e cabra
Fonte: DELGADO-JÚNIOR et al., 2020; PARK, 2017; BRASIL, 2000
**
São admitidos valores inferiores a 2,9% m/m para as variedades integral e semi-desnatada, mediante comprovação de que o teor médio de gordura de um determinado rebanho não atinge esse nível.

O leite de cabra apresenta maior digestibilidade e menor potencial alergênico quando comparado ao leite de vaca, o que está associado à sua composição. A gordura do leite caprino é composta por cerca de 98% de triacilgliceróis e traços de colesterol, fosfolipídios e ácidos graxos livres (TAYLOR; MACGIBBON, 2011). Os glóbulos de gordura são menores que os do leite de vaca, o que resulta em melhor dispersão e melhor digestão, pois fornece maior área de superfície para ação das lipases.

Além disso, o sabor e odor característicos do leite de cabra também estão relacionados ao seu perfil lipídico, devido, principalmente, à presença significativa dos ácidos graxos de cadeia curta, como capróico, caprílico e cáprico (podendo atingir uma concentração de duas a três vezes maior em relação ao leite de vaca) (PARK, 2017).

As principais proteínas do leite de cabra são as caseínas (β-caseína, κ-caseína, αs1-caseína e αs2-caseína) e proteínas do soro (β-lactoglobulina, α-lactalbumina, soro albumina, imunoglobulinas e lactoferrina). As caseínas estão predominantemente presentes com percentual entre 60-80% em relação ao conteúdo de proteínas totais.

A fração β-caseína é a mais abundante, diferente do leite de vaca, no qual predomina a fração αs1-caseína. Isso pode explicar a hipoalergenicidade do leite caprino, visto que essa característica tem sido associada a menor quantidade da fração αs1-caseina (DELGADO-JUNIOR et al., 2020; PARK, 2017).

Em relação aos micronutrientes, o leite caprino apresenta concentrações satisfatórias de vitamina A e vitaminas do complexo B (tiamina, riboflavina e niacina), além de minerais como cálcio, zinco, selênio, manganês e cobre.

Beneficiamento do leite e derivados caprinos: características e potencialidades

O crescimento na demanda pelo leite de cabra e seus derivados está relacionado ao aumento da renda per capita dos consumidores e a preocupação das pessoas com relação à alimentação saudável. Neste contexto, o leite de cabra apresenta-se como um alimento de alto valor nutritivo e com potencial funcional.

Em relação aos derivados, é possível produzir os mesmos produtos que são obtidos a partir do leite de vaca utilizando-se, inclusive, os mesmos processos tecnológicos (DELGADO-JÚNIOR et al., 2020). A Figura 1 apresenta os principais produtos produzidos a partir do leite de cabra, como: queijos, iogurtes, doces, além do leite de consumo comercializado na forma fluida, congelada ou em .

Figura 1. Principais derivados lácteos produzidos a partir de leite de cabra.

leite de cabra

Dentre os derivados do leite de cabra com potencial promissor, um produto de grande aceitação no mercado brasileiro é o iogurte, que possui vantagens, como baixo custo de produção e alto valor agregado (SEBRAE, 2016).

O leite em pó de cabra é um produto interessante, devido ao longo prazo de validade e por apresentar volume e peso reduzidos, o que facilita o transporte e a distribuição, diminuindo os custos dessas operações.

No entanto, para sua obtenção exige-se equipamentos de alto valor inviabilizando sua produção por pequenos produtores. O doce de leite é outro produto explorado pelos caprinocultores devido ao sabor e textura peculiar, além da vida útil prolongada (AZEVEDO, 2003).

Os queijos fabricados com leites não bovinos têm conquistado espaço e paladares. Dentro desse contexto, os queijos de cabra estão disponíveis em diversas variedades de sabor e formato, sendo classificados de acordo com a consistência da massa e o processo de maturação, que irão determinar o aroma e o sabor do produto final.

Devido ao seu sabor e aroma acentuado, característico pela rica presença de ácidos graxos de cadeia curta e alta concentração de β-caseína, o queijo de cabra é diferenciado e valorizado atraindo paixões e rejeições entre os consumidores, podendo ser comercializados em linhas gourmet e premium.

Além disso existem diversos tipos de queijos artesanais caprinos, que possuem singularidades no processamento que são específicas de cada região do Brasil. Na França e em outros países da Europa, os queijos de leite de cabra são muito apreciados, havendo preferência por aqueles produzidos com fungos, maturados e, portanto, com sabor e aroma marcantes. O consumidor brasileiro prefere produtos com sabor mais suave, como Minas frescal, Bursin, Chevre a L’huille, entre outros (ITAL, 2017).

Porém o desconhecimento desses produtos em algumas regiões do Brasil e alguns de seus aspectos sensoriais, encontram resistência e são fatores que podem contribuir para a menor aceitação. Tais fatores decorrem da falta de costume e familiaridade ou por comparações com características do queijo bovino.

Lima et al. (2015) realizaram um levantamento do perfil de consumidores e de fatores que influenciam na decisão de consumo do leite de cabra e seus derivados entre os paulistanos. Os resultados confirmaram que o consumo tanto de derivados quanto de leite de cabra é restrito devido, principalmente, à falta de costume da população.

Quais são os desafios e perspectivas do leite de cabra e seus derivados?

Embora ainda se configure como um mercado pouco explorado no Brasil, a produção de leite de cabra e seus derivados lácteos apresenta um elevado potencial de crescimento. Para isso, é necessário que os produtores se planejem para percorrer o caminho comercial visando a diversificação dos produtos para atingir as expectativas dos consumidores voltadas tanto para produtos naturais, nutritivos e funcionais, bem como para produtos que atendam os aspectos sensoriais desejados.

Em contrapartida o fortalecimento de políticas de incentivo aos produtos artesanais, produzidos por pequenos produtores, pode ajudar a difundir o potencial de mercado dessa matéria-prima na geração de emprego e renda para população.

Por fim, é fundamental aumentar a publicidade em relação ao leite de cabra e seus derivados no Brasil destacando seus benefícios para saúde humana, visando incentivar ainda mais sua produção e o fortalecimento de suas vendas.

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário, isso nos ajuda a saber que conteúdos são mais interessantes para você. Quer escrever para nós? Clique aqui e veja como!

Autores

Isabela Soares Magalhães, Nutricionista e membro do Laboratório de Inovação no Processamento de Alimentos - LIPA/DTA/UFV

Arthur Pompilio de Capela, Engenheiro de alimentos e membro do Laboratório de Inovação no Processamento de Alimentos- LIPA/DTA/UFV

Alécia Daila Barros Guimarães, Engenheira de Alimentos e membro do Laboratório de Inovação no Processamento de Alimentos - LIPA/DTA/UFV

Profa. Dra. Érica Nascif Rufino VieiraProfessora do Departamento de Tecnologia de Alimentos da UFV e coordenadora do Laboratório de Inovação no Processamento de Alimentos - LIPA/DTA/UFV

Prof. Dr. Bruno Ricardo de Castro Leite JúniorProfessor do Departamento de Tecnologia de Alimentos da UFV e coordenador do Laboratório de Inovação no Processamento de Alimentos  LIPA/DTA/UFV

Agradecimentos: ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq pelo financiamento do projeto (n° 429033/2018-4); e pela bolsa de produtividade a B.R.C. Leite Júnior (n°306514/2020-6).

Referências

AZEVEDO, J. H. Análise de mercado. In: INICIANDO um pequeno grande negócio agroindustrial: leite de cabra e derivados. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2003. p. 56-57. Disponível em: <https://livraria.sct.embrapa.br/liv_resumos/pdf/00071490.pdf>. Acesso em: 02 abr. 2021.

BRASIL. Mistério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 37, 31 de outubro 2000. Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Leite de Cabra. Diário Oficial da União, Brasília, 2000.

DELGADO-JÚNIOR, I.J.; SIQUEIRA, K.B.; STOCK, L.A. Produção, composição e processamento de leite de cabra no Brasil. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Circular Técnica, 122, 2020.

FAO - Food and Agriculture Organization of the United Nations. Food and Agriculture Organization of the United Nations statistical databases. 2019.  Disponível em: <https:// faostat.fao.org>. Acesso em: 02 abr. 2021.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário 2006 e 2017. Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br>. Acesso em: 02 abr. 2021.

ITAL. “Brasil Dairy Trends 2020”. 1. Ed. – Campinas, 2017.

LIMA, F.T. et al. Estudo exploratório do mercado das potencialidades de consumo do leite de cabra e seus derivados entre paulistano. Revista Informações Econômicas, v. 45, p. 30-38, 2015.

LUCENA, C. Novo Censo Agropecuário mostra crescimento de efetivo de caprinos e ovinos no Nordeste. Portal Embrapa, 08 ago. 2018. Disponível em: <https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/36365362/novo-censoagropecuari

o-mostra-crescimento-de-efetivo-de-caprinos-e-ovinos-no-nordeste>. Acesso em: 02 abr. 2021.

MILLER, B. A.; LU, C. D. Current status of global dairy goat production: an overview. Asian-Australas Journal of Animal Sciences, v. 32, p. 1219-1232, 2019.

SEBRAE. Por que investir em caprinocultura no Nordeste. 2016. Disponível em: <https://www.sebraemercados.com.br/por-queinvestir-em-caprinocultura-leiteira-no-nordeste/>. Acesso em: 02 abril 2021.

PULINA, G. et al. Invited review: Current production trends, farm structures, and economics of the dairy sheep and goat sectors. Journal of Dairy Science, v. 101, p. 6715-6729, 2018.

PARK, Y. W. Goat milk–chemistry and nutrition. Handbook of milk of non-bovine mammals, p. 42-83, 2017.

TAYLOR, M. W.; MACGIBBON, A. K. H. Milk Lipids: General Characteristics. Encyclopedia of Dairy Sciences, p.649-654, 2011.

*Fonte da foto do artigo: Freepik

5

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

GABRIEL CARNE SECA

SEROPEDICA - RIO DE JANEIRO - ESTUDANTE

EM 13/04/2021

Excelente abordagem!
PATRÍCIA MARTINS

EM 12/04/2021

Muito bom!
DANIEL MUNIZ BASTOS

EM 12/04/2021

Acabei de fazer uma excelente leitura! Ficou a vontade e o compromisso de consumir leite de cabra e seus derivados. Parabéns a todos envolvidos!
ARTHUR POMPILIO

ITAPETINGA - BAHIA - ESTUDANTE

EM 12/04/2021

Cada dia mais fã do leite de cabra e das potencialidades que essa matéria prima oferece! Oportunidade de renda para quem produz e nutrição de qualidade para quem consome.
ANA FLAVIA COELHO PACHECO

VIÇOSA - MINAS GERAIS - ESTUDANTE

EM 09/04/2021

Parabéns aos autores!! Excelente artigo!
MilkPoint AgriPoint