ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Farinhas prebióticas em lácteos e seus benefícios à saúde

ADRIANO GOMES DA CRUZ

EM 30/11/2021

4 MIN DE LEITURA

0
1

Um consumidor cada vez mais exigente com respeito à saudabilidade faz com que as indústrias de alimentos estejam em grande renovação. Dessa forma, pode-se observar um grande consumo de produtos lácteos com características funcionais.

Os  prebióticos são carboidratos não digeríveis encontrados em vegetais, cereais e frutas, sendo os mais utilizados na indústria de alimentos os Frutanos (frutooligossacarídeos e inulina) e os galactanos (galactooligossacarídeos), que produzem ácidos graxos de cadeia curta (acetato, butirato e proprionato) e modulam a microbiota intestinal, criando uma barreira contra a invasão de bactérias patogênicas,  aumentando a imunidade e melhorando o metabolismo de lipídeos e glicose. Além disso, também atuam na prevenção do câncer de colón.

Com a nova definição de prebióticos, outros compostos podem ser considerados prebióticos como os amidos resistentes, polidextrinas, pectinas, grãos inteiros e alguns compostos fenólicos.

Nesse sentido, pesquisas por novos prebióticos, oriundos de tubérculos (yacon, batata-doce e bardana), cereais (grão-de-bico) e frutas (laranja e maracujá) estão sendo realizadas. Nesse contexto, a produção de farinhas prebióticas seria uma alternativa econômica, pelo aproveitamento integral.

Além disso, uma vez que esses produtos se transformam em farinhas há uma diminuição da perda pós-colheita e o aumento da vida útil dessas substâncias, importantes como fonte de renda de muitos agricultores como a yacon, bardana, alcachofra de Jerusalém, as quais são fontes de frutooligossacarídeos (FOS) que passaram a ter maior importância para cultivo em escala comercial.

Estudos têm evidenciado os benefícios à saúde e impactos tecnológicos da adição de farinhas prebióticas nos alimentos lácteos. Como, por exemplo, a farinha de maracujá rica em pectina é importante para as características tecnológicas devido aos efeitos geleificante e agente espessante. Além disso, também apresentam efeitos fisiológicos positivos, atuando na redução da lipoproteína de baixa densidade(LDL-C); retardo do esvaziamento gástrico promovendo aumento da saciedade contribuindo para a diminuição do risco de síndrome metabólica.

Em um trabalho realizado com o requeijão cremoso adicionado de farinha de maracujá os resultados microbiológicos foram seguros, não foram verificadas alterações de aroma e consistência, e os testes de análise sensorial tiveram resultados satisfatórios.

Em outro estudo, outra fibra com potencial prebiótico, a araruta — uma planta alimentícia não convencional (PANC) — com alto potencial nutricional, funcional e tecnológico foi incorporada na forma de farinha em sobremesas lácteas

Foi observado um elevado rendimento, adicionado à redução do índice glicêmico do produto, auxiliando nas dietas restritas em açúcares e dietas para controle do peso. Também foram verificados resultados positivos nas características físico-química, reológicas e sensoriais.

O potencial nutritivo do grão-de-bico  um alimento saudável e com alto teor de proteína (especialmente os aminoácidos essenciais), fibras, vitaminas e minerais — apresenta propriedades funcionais como a capacidade de retenção de água, emulsionamento, formação de géis e criação de espuma.

No estudo realizado, a farinha de grão-de-bico adicionada no iogurte comprovou um aumento no número de bactérias probióticas, evidenciando características prebióticas e uma boa aceitação na análise sensorial.

Ainda relacionado as fibras prebióticas, o Yacon é uma raiz de origem andina, que vem sendo considerado o alimento com maior teor de frutooligossacarídeo (FOS) na natureza. A farinha obtida da raiz pode substituir gorduras, reduzindo o valor calórico do produto e melhorando as qualidades funcionais.

Em um estudo onde foi adicionado a farinha de yacon em iogurtes, esses não apresentaram mudanças nas características tecnológicas e funcionais, porém a análise sensorial apresentou uma média baixa, indicando mais testes para adequação do percentual desse produto.

Diante do exposto, os prebióticos aumentariam o rendimento, melhorariam a textura e as características físico-química dos produtos lácteoscomo também seriam substitutos de gorduras e açúcares, auxiliando também no acesso a produtos reduzidos em calorias com características funcionais, atendendo o desejo dos consumidores.

Reitera-se que estudos envolvendo aspectos funcionais dessas farinhas devem ser complementados com avaliação de parâmetros de qualidade físico-química e sensorial.

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário, isso nos ajuda a saber que conteúdos são mais interessantes para você. Quer escrever para nós? Clique aqui e veja como!

 

Autores

Gisela Silva da Costa, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ), Departamento de Alimentos

Erick Almeida Esmerino, Universidade Federal Fluminense (UFF), Faculdade de Medicina Veterinária

Marcia Cristina Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ), Departamento de Alimentos

Adriano Gomes Cruz, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ), Departamento de Alimentos

 

Referências

Chen, X., Singh, M., Bhargava, K., & Ramanathan, R. (2018). Yogurt fortification with chickpea (Cicer arietinum) flour: Physicochemical and sensory effects. Journal of the American Oil Chemists' Society95, 1041-1048.

Cruz et al., (2020). Probióticos e prebióticos desafios e avanços. Setembro. São Paulo.

De Paulo Farias, D., de Araujo, F. F., Neri-Numa, I. A., & Pastore, G. M. (2019). Prebiotics: Trends in food, health and technological applications. Trends in Food Science & Technology93, 23-35.

Fernandes, A., de Oliveira, A., & Dender, V. (2014). Estudo de tecnologia de fabricação e desenvolvimento de formulação de requeijão cremoso light adicionado de farinha de maracujá. In Congresso Interinstitucional de Iniciação Científica (Vol. 8),1-8.

Guimarães, J. T., Balthazar, C. F., Silva, R., Rocha, R. S., Graça, J. S., Esmerino, E. A., & Cruz, A. G. (2020). Impact of probiotics and prebiotics on food texture. Current Opinion in Food Science33, 38-44.

Gusso, A. P. (2017). Estudo dos efeitos da farinha de yacon e de Bifidobacterium lactis sobre as propriedades tecnológicas e funcionais do iogurte de leite de ovelha (Doctoral dissertation, Universidade Federal de Santa Maria),1-122.

Neri-Numa, IA, Arruda, HS, Geraldi, MV, Júnior, MRM, & Pastore, GM (2020). Carboidratos prebióticos naturais, carotenóides e flavonóides como ingredientes em sistemas alimentares. Current Opinion in Food Science  33 , 98-107.

Santos, R. O., Silva, M. V. F., Nascimento, K. O., Batista, A. L., Moraes, J., Andrade, M. M., & Cruz, A. G. (2018). Prebiotic flours in dairy food processing: technological and sensory implications. International Journal of Dairy Technology71, 1-10.

Santos, R. O. (2017). Efeito da adição de farinha de araruta (Maranta arundinacea L.), nas propriedades físico-químicas, reológicas e funcionais de sobremesa láctea sabor baunilha, 1-75.

Rolim, P. M. (2015). Development of prebiotic food products and health benefits. Food Science and Technology35, 3-10.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint