ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Trocas térmicas em bovinos leiteiros - Parte I

POR MIGUEL MACHADO

E IRAN JOSÉ OLIVEIRA DA SILVA

PRODUÇÃO

EM 06/07/2018

2
6

Introdução

Na pecuária brasileira a produção de bovinos leiteiros caracteriza-se, em sua maior parte, por sistemas onde os animais estão sob forte influência do clima ao qual estão expostos, ou seja, fora de instalações climatizadas e sujeitos aos efeitos negativos sobre a produção e reprodução.

Principalmente para as raças de origem europeia, o ambiente térmico inadequado as exigências do animal (como fase da lactação, reprodução, etc) pode reduzir a produção de leite, além de causar consequências comportamentais negativas decorrentes do estresse. Em regiões tropicais, como na maior parte do Brasil, a melhora de índices produtivos e a redução de perdas estão diretamente relacionadas ao conforto térmico do animal.

Conforto térmico animal

Mas afinal, o que é conforto térmico e qual sua importância para uma vaca?

O conforto térmico, em poucas palavras, é uma condição onde existe um equilíbrio do ser vivo com o ambiente térmico no qual o mesmo está inserido. Ter conforto térmico significa não sentir frio e nem calor, e sim se manter numa condição de satisfação, que envolve não só a temperatura mas a umidade relativa também.  

Assim como nós, os animais sentem frio e calor, e dispõem de mecanismos para “perder” (dissipar) o calor quando estão com a temperatura elevada, ou “ganhar” calor (energia térmica) quando estão com a sensação de frio. Estes animais necessitam de condições adequadas de conforto térmico para expressar o seu potencial máximo e atingirem o ápice de produção, e assim, aumentar a rentabilidade da propriedade, ou ao menos, reduzir as perdas de produtividade. Isso só é conseguido se, além de possuir boa genética, boa alimentação e saúde, os animais encontrarem boas condições ambientais (conforto térmico) para o seu desenvolvimento.

Manter o equilíbrio gerencial numa propriedade é fundamental para se quantificar as perdas produtivas relacionadas ao estresse térmico. E quando se fala em gerenciamento estamos nos referindo as prioridades nas tomadas de decisão visando as necessidades dos animais, sejam elas, nutricionais, sanitárias ou mesmo da ambiência de produção.  

O estado de conforto térmico é importante para todos animais, em especial para as vacas leiteiras, pois estes animais além de serem sensíveis a altas temperaturas, produzem uma quantidade considerável de leite por dia, e esta produção gera ainda mais calor interno pelo seu próprio metabolismo. No caso do Brasil, estes animais acabam enfrentando o clima quente e úmido, o que piora o desconforto térmico dos animais e impacta negativamente na produção de leite.

Manifestação comportamental e fisiologia do estresse térmico

O comportamento animal é alterado em função do ambiente e o próprio animal recorre aos recursos disponíveis para que o mesmo possa se manter em equilíbrio térmico. Por isso, é comum observar vacas aglomeradas em espaços de sombra nas horas mais quentes do dia, com a respiração ofegante na tentativa de aliviar a sensação de calor. Em condições de estresse térmico, por exemplo as vacas leiteiras em pastejo deixam de se alimentar nas horas mais quentes do dia, e passam a pastejar a noite, uma pratica bastante usual.

Os bovinos são animais homeotermos e possuem a capacidade de manter a temperatura corporal constantemente em torno de 38,5°C a 39,5°C. No entanto, a temperatura corporal dos animais depende da energia térmica armazenada por unidade de massa corporal, ou seja, a quantidade de calor armazenada e produzida pelo organismo animal. Além da energia térmica (calor) recebida do ambiente por meio da radiação solar, das instalações, e das altas temperaturas ambientais, também há a produção de calor dentro do próprio corpo do animal. Essa produção de calor interna é chamada de calor endógeno.

O calor endógeno é produzido pelo metabolismo do organismo, e pode ser aumentado com a alimentação devido ao incremento de calorias, e também com a produção de leite, com a reprodução e outros estados fisiológicos. Além disso, atividades físicas, como longas caminhadas até a sala de ordenha por exemplo, também pode ser considerada uma forma de aporte de energia na forma de calor para a vaca leiteira (Figura 1). 

Figura 1 - Mecanismos de ganho e perda de calor pelos bovinos. 

Quando em desconforto térmico o sistema termorregulador dos animais é ativado, e por meio de mecanismos fisiológicos e comportamentais, eles buscam perder calor para o meio ambiente. Para tanto, os mecanismos fisiológicos (como a vasodilatação periférica, o ofego e a sudorese) e comportamentais (busca por sombra, deitar em local fresco, entre outros) se utilizam dos princípios físicos de transferência de calor de um corpo para outro (do animal para o ambiente), que pode ocorrer de duas formas: a forma sensível e a latente (Figura 2).

Figura 2 - Relações de transferência de calor entre animal e ambiente. 

Confira em breve a parte II deste artigo! 

IRAN JOSÉ OLIVEIRA DA SILVA

Engenheiro Agrícola, Professor Livre-Docente ESALQ/USP. Coordenador e Pesquisador responsável pelo NUPEA - Núcleo de Pesquisas em Ambiência. Especialista em Ambiência e bem-estar de animais de produção.

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ROBERTO VELAZCO GUTIERREZ

BOTUCATU - SÃO PAULO - ZOOTECNISTA

EM 22/11/2018

Ótimo artigo a ser levado em consideração principalmente nos sistemas intensivos de produção de leite.
ROBERTO VELAZCO GUTIERREZ

BOTUCATU - SÃO PAULO - ZOOTECNISTA

EM 22/11/2018

Ótimo artigo e aspecto importante a se considerado principalmente em sistemas intensivos de produção de leite.