FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

MilkPoint Experts: quais as previsões para o mercado lácteo brasileiro diante do coronavírus?

INDÚSTRIA

EM 23/04/2020

1
7

O leite é uma atividade diária e extremamente dinâmica. Com isso, está sujeita a sofrer impactos grandes e repentinos, como a pandemia de coronavírus. Para trazer um pouco de luz ao futuro deste mercado, a segunda palestra do MilkPoint Experts foi ministrada por Valter Galan, do MilkPoint Mercado.

Válter dividiu sua palestra em três etapas: mercado pré-coronavírus, momento atual e possíveis cenários de futuro. Este artigo será dividido da mesma forma.

Mercado pré-coronavírus

Como não se via desde 2016, a situação era promissora para o mercado lácteo.

O fim de 2019 e o início de 2020 foram marcados por uma desaceleração na produção de leite em todo o país, devido a fatores como seca em Goiás e Minas Gerais no ano passado, seca no Sul (que se mantém) e alta nos preços de milho e soja (veja bem, os preços de grãos já vinham altos antes da pandemia!).

Por outro lado, a demanda por produtos lácteos estava em alta: leite UHT e iogurtes fecharam o ano com recuperação, requeijão e leites em pó se mantiveram estáveis. Logo, com produção baixa e demanda alta, a disponibilidade de leite era baixa, refletindo melhores preços e um mercado firme.

Situação atual

Então veio a pandemia do coronavírus. Os serviços de food service foram praticamente reduzidos a zero. O mercado de queijos (que destina cerca de 50% da sua oferta a esse canal), sofreu grande impacto.

Grande parte do leite excedente foi absorvido pelo varejo e outros canais (como vimos no artigo anterior, a demanda por produtos lácteos no varejo teve alta) e parte foi direcionado para o mercado spot (comercialização entre indústrias). O comportamento de estocagem dos consumidores fez com que houvesse aumento nos preços da indústria para o varejo.

A permissão de comercialização de leite entre grandes, médias e pequenas indústrias pelo governo aliviou os pequenos laticínios (principalmente produtores de queijo), que não tinham mais como armazenar seus produtos. Na verdade, a comercialização de leite entre empresas já existia. O que foi permitido foi a comercialização por parte de empresas somente com inspeção municipal e estadual para as empresas com inspeção federal. Contudo, esse fator somado à desaceleração da demanda por parte dos consumidores, vem gerando dificuldades de escoamento da produção. Os preços do mercado spot, que antes haviam subido, caíram fortemente. O mercado de muçarela segue também em queda e os leites em pó se sustentam.

Na produção, deve-se observar daqui para frente uma diminuição na rentabilidade dos produtores e os custos de produção permanecem elevados. Este cenário leva à diminuição nos volumes de produção (mudanças na dieta, secagem e, até, descarte de animais).

Diante disso, o que nos espera?

Como mencionado anteriormente, os preços do milho e da soja já vinham em alta e a tendência é de permanecerem (apesar de leves quedas recentes). Logo, pelo restante do ano, os custos de produção devem se manter altos e a produção diminuída.

Devido à situação do mercado internacional e do valor das taxas de câmbio, as importações não são atrativas, com estimativa de queda de 42% no primeiro semestre de 2020, frente ao ano anterior. As exportações, por sua vez, são uma possibilidade.

Esses dois fatores (menor produção e menor importação) levarão a uma disponibilidade de leite per capita diminuída (cerca de menos 5% em relação a 2019). Ocorre que, neste trimestre, a queda de dois dígitos no PIB deve reduzir mais do que isso a demanda, o que acarreta em redução dos preços para a indústria e para o produtor. Por quanto mais tempo se estender a quarentena, maior será o impacto no PIB do país e na renda da população, o que impacta diretamente o consumo de lácteos (estima-se que, com uma queda de 5% no PIB, tenha-se uma queda de 3,3% no consumo de produtos lácteos).

Previsões para o segundo semestre

A tendência é que o consumo, em algum momento se recupere, mas a disponibilidade de leite reagirá mais lentamente, devido a problemas na rentabilidade dos produtores no primeiro semestre. Esse aumento de demanda provavelmente levará a um aumento no preço do leite mais no fim do ano.

Caso essa tendência se consolide, teremos uma “curva invertida de preços”, com valores baixos no meio do ano e mais altos no fim, devido à baixa disponibilidade de leite. Contudo, se a situação de pandemia demorar muito a se resolver, é provável que a curva se estenda até 2021.

previsao mercado do leite brasil coronavirus

É importante levar em consideração que diversos outros fatores (como medidas governamentais, impactos no PIB, mercado externo, câmbio etc.) não podem ser precisamente previstos e podem causar impactos importantes, modificando as curvas propostas. A situação esperada para o fim de 2019 e início de 2020 é semelhante à ocorrida em 2015/2016, quando houve queda na renda da população, contudo a disponibilidade de leite per capita caiu ainda mais, levando à alta nos preços.

O "MilkPoint Experts: Panorama atual do mercado de lácteos frente ao coronavírus" foi um oferecimento da Boehringer Ingelheim, com apoio da Abraleite, Rabobank e Nielsen e teve a participação de 957 pessoas. Assista ao evento completo aqui.

Leia outros textos com conteúdo do evento:

MilkPoint Experts: as pessoas continuam comendo, mas como o coronavírus impactou os hábitos?

MilkPoint Experts: mercado internacional de lácteos deve sofrer com coronavírus

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CARLOS HUMBERTO MENDES DE CARVALHO

SÃO PAULO - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 24/04/2020

Foram boas as palestras do Milkpoint Point Express. Como o mercado ficará volátil sujeito principalmente a mudança das quarentenas Municipal e estadusal e medidas do Governo Federal a área de lacteos precisa de muita cautela afim de evitar excessos de produção frente a demanda reprimida.