FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Os efeitos do estresse térmico sobre a produção e a qualidade do leite

POR BONIFÁCIO BENICIO DE SOUZA

E NAYANNE LOPES BATISTA DANTAS

PRODUÇÃO

EM 06/07/2012

2
0
A termorregulação, definida sucintamente como o conjunto de estratégias utilizadas pelos seres vivos para regulação da temperatura corpórea, apresenta-se como um mecanismo fundamental para a adaptação e manutenção de espécies animais em diferentes habitats, pois é através dela que os animais conseguem manter sua temperatura constante e assim evitar desequilíbrios nas reações orgânicas.

Ambiente e animal constituem um sistema equilibrado. Diante de estímulos que provoquem desequilíbrio nesse sistema, o organismo recorrerá aos métodos de feedback negativo ativados pela interação neuroendócrina a fim de evitar os transtornos causados por um possível desajuste na homeostasia do organismo animal.

Dessa forma, é imprescindível dispor de uma capacidade de meios fisiológicos e/ou comportamentais que funcionem como atenuantes para as consequências das mudanças ambientais sofridas pelos animais e que melhore as condições de sobrevivência em meios desfavoráveis que constituem as situações de stress térmico.

No âmbito da pecuária, é sabido que a produtividade dos animais é afetada direta e indiretamente pelo meio climático. Tanto que, como enfatiza Mader et al. (2010) vários modelos e índices foram desenvolvidos na tentativa de caracterizar o efeito de fatores ambientais sobre o conforto térmico dos animais e aspectos como saúde animal, visto que o desempenho e comportamento geral podem ser afetados por esses fatores.

Assim, a interação animal-ambiente deve ser levada em consideração quando se busca maior eficiência na exploração pecuária, considerando-se que o conhecimento das variáveis climáticas e suas ações sobre as respostas comportamentais e fisiológicas dos animais são preponderantes na adequação do sistema de produção aos objetivos da atividade pecuária (SOUZA et al., 2012).

Nardelli et al., (2009) assegura que a alta radiação solar, a temperatura elevada e a baixa umidade do ar são características climáticas de regiões que estão sob influência do clima semiárido e que tais características podem ser observadas como influência negativa no bom desempenho das atividades pecuárias.

Sabe-se então que o estresse calórico é um dos fatores limitantes da produção animal nos trópicos, principalmente no semiárido, e isto dificulta a exploração de raças especializadas, tanto na produção de carne como de leite (SOUZA et al., 2011). Como demonstra Barbosa et al., (2004), discorrendo sobre os efeitos benéficos do sombreamento e aspersão de água na produção de leite de vacas da raça Holandesa (Figura 1).

Figura 1 - Médias da produção de leite (PL) em função do período de coleta e da aspersão de água. (BARBOSA ET AL., 2004).



Entre os rebanhos leiteiros comprometidos pelas condições climáticas adversas, destacam-se os rebanhos caprinos, cuja produção média dos animais não ultrapassa um litro de leite por animal/dia, o que demonstra a dificuldade dos animais para externarem seu potencial produtivo (SOUZA et al. 2011). O que confirmam os estudos de Darcan & Güney (2008), cujos resultados demonstraram que a produção de leite de um grupo experimental de caprinos (GE), que foi pulverizado e ventilado durante o experimento foi 21% maior do que a produção alcançada pelo grupo controle (GC), que não foi pulverizado nem ventilado.

Em relação ao leite de cabra, Martinez-Ferez et al., (2006) relatam que grande quantidade e variedade de ácidos e oligossacarídeos foram encontradas no leite de cabras, quando comparado com leite de vaca e ovelha. Além disso, 15 novas estruturas de oligossacarídeos foram identificadas no leite caprino. Isso representa 4-5 vezes a quantidade de oligossacarídeos medidos no leite de vaca e cerca de 10 vezes mais que no leite de ovelha, demonstrando assim sua importância.

Assim, percebe-se que, apesar de os caprinos serem considerados animais de fácil adaptação, a associação entre os vários fatores climáticos como temperatura do ar, umidade relativa do ar e irradiação, provocam alterações fisiológicas que acabam interferindo na produtividade animal (SILVA et al., 2005).

Entre as várias implicações decorrentes do stress calórico sofrido pelos animais, destaca-se a diminuição do potencial produtivo almejado. No que diz respeito à produção leiteira, as consequências são notadas através do rendimento lácteo e também da composição do leite.

De acordo com Hafez (1973), a biossíntese do leite depende de que as glândulas mamárias recebam um abastecimento contínuo de diversos metabólitos e hormônios do sangue, sendo que o rendimento lácteo de todos os mamíferos apresenta variações estacionais. Ainda segundo o mesmo autor, a produção diminui quando há umidade elevada em comparação com a umidade baixa e estima-se que a produção de leite diminua 1 kg por cada grau (°C) de aumento da temperatura retal.

A temperatura ótima do meio para a lactação depende da espécie, raça e tolerância ao calor ou ao frio. Também há diferenças entre raças nas temperaturas críticas máxima e mínima, havendo uma rápida diminuição da produção quando ultrapassados esses limites (HAFEZ, 1973). A diminuição da produção de leite durante a exposição ao calor ou durante o verão não deve ser atribuída unicamente à diminuição da ingestão de alimento ou à qualidade da forragem. Também é importante o efeito provocado pelo calor sobre os mecanismos fisiológicos relacionados com a lactação, como o baixo nível sanguíneo de tiroxina.

Estudos realizados com vacas tolerantes e intolerantes ao calor, distribuídas em diferentes combinações de temperatura e umidade demonstraram que, a 18 °C, ambos os grupos de animais produziam aproximadamente a mesma quantidade de leite. No entanto, a 35 °C e com uma umidade relativa de 25%, o grupo intolerante mostrou uma diminuição na ingestão de alimento e na produção de leite, enquanto não foi observada uma variação considerável nos animais tolerantes (HAFEZ, 1973).

No que concerne à composição do leite, Hafez (1973) acentua que no gado bovino exposto a altas temperaturas ambientais com diferentes níveis de umidade relativa, há aumento de alguns dos componentes do leite como, por exemplo: ácido graxo butírico, sólidos totais, sólidos não graxos, nitrogênio total, lactose, ácidos graxos de cadeia curta (C0 a C12) e ácido oleico. As altas temperaturas diminuem a quantidade de ácido cítrico e cálcio durante a primeira lactação do gado leiteiro, além de reduzir os níveis de potássio.

Essas flutuações iônicas dependentes da temperatura têm importância prática para a indústria de produtos lácteos. Por exemplo, se os íons citrato e fosfato se encontram em proporção baixa em relação aos íons de cálcio e magnésio, ocorrerá coagulação durante os processos de esterilização e pasteurização.

Considerações finais

Dado o exposto, é imprescindível o conhecimento da interação entre os animais e o ambiente, além do conhecimento da capacidade de adaptação das espécies e raças exploradas, para a tomada de decisões quanto aos sistemas de criação e estratégias de manejo a serem utilizadas para maximizar as respostas produtivas.

Dessa forma, o entendimento das variações diárias e sazonais das respostas fisiológicas permite a adoção de ajustes que promovam maior conforto aos animais e permitam uma produção pecuária de forma sustentável (NÓBREGA et al., 2011).

Um ambiente estressante provoca várias respostas, dependendo da capacidade do animal para adaptar-se (BARBOSA et al., 2004). Portanto, avaliar os efeitos da temperatura na produção de leite torna-se bastante relevante e oferecer aos animais condições para diminuir os efeitos deletérios provocados pelo stress térmico constituem medidas importantes para elevar a produtividade do rebanho e, sobretudo, o bem-estar animal.

Referências bibliográficas

BARBOSA, O. R.; BOZA, P. R.; SANTOS, G. T.; SAKAGUSHI, E.S.; RIBAS, N. P. Efeitos da sombra e da aspersão de água na produção de leite de vacas da raça Holandesa durante o verão. Acta Scientiarum. Animal Sciences. Maringá, v. 26, n. 1, p. 115-122, 2004.

DARCAN, N.; GÜNEY, O. Alleviation of climatic stress of dairy goats in Mediterranean climate. Small Ruminant Research. Vol.74, 212-215, 2008.

GAUGHAN, J.B.; MADER, T.L.; HOLT, S.M.; LISLE, A. A new heat load index for feedlot cattle. Journal of Animal Science. Vol. 86, 226-234, 2008.

HAFEZ, E. S. E. Adaptacion de los animales domésticos. Labor, S. A. Barcelona, 1973.
MADER T.L.; JOHNSON L.J.; GAUGHAN, J.B. A comprehensive index for assessing environmental stress in animals. Journal of Animal Science. Vol. 88, 2153-2165, 2010.

MARTINEZ-FEREZ, A.; RUDLOFF, S.; GUADIX, A.; HENKEL, C. A.; POHLENTZ, G.; BOZA, J. J.; GUADIX, E. M.; KUNZ, C. Goats´ milk as a natural source of lactose-derived oligosaccharides: Isolation by membrane technology. International Dairy Journal. Vol.16, 173-181, 2006.

NARDELLI, M.J.; SOUZA, B.B.; NOGUEIRA, F.R.B. A criação de cabras no semiárido: limitações e potencialidades - Parte II. Farmpoint, 2009. Disponível em: . Acesso em: 26 de Junho de 2012.

NÓBREGA, G.H.; SILVA, E.M.N.; SOUZA, B.B.; MANGUEIRA, J.M. A produção animal sob a influência do ambiente nas condições do semiárido nordestino. Revista Verde (Mossoró - RN - Brasil) v.6, n.1, p. 67 - 73. Janeiro/março de 2011.

SILVA, G.A.; SOUZA, B.B.; ALFARO, C.H.P.; AZEVEDO, S.A.; NETO, J.A.; SILVA, E.M.N.; SILVA, A.K.B. Efeito das épocas do ano e de turno sobre os parâmetros fisiológicos e seminais de caprinos no semi-árido paraibano. Agropecuária Científica no Semi-árido. Vol. 01, 07- 14, 2005.

SOUZA, B.B; SILVA, G.A.; SILVA, E.M.N. Uso da termografia de infravermelho na avaliação das respostas fisiológicas e gradientes térmicos de cabras Anglo nubianas. Farmpoint, 2012. Disponível em: Acesso em: 26 de Junho de 2012. 2012.

SOUZA, B.B; SILVA, G.A.; SILVA, E.M.N. Termografia: avaliação a adaptação de caprinos leiteiros e conforto térmico das instalações. Farmpoint, 2011. Disponível em: . Acesso em: 26 de Junho de 2012. 2011.

SOUZA, B.B; SILVA, E.M.N SILVA, G.A.; NOGUEIRA, F.R.B. Leite de cabra: raças utilizadas e sistemas de alimentação utilizados no Cariri paraibano. Farmpoint, 2011. Disponível em: . Acesso em: 26 de Junho de 2012. 2011.

BONIFÁCIO BENICIO DE SOUZA

Professor Associado - UAMV/CSTR/UFCG, Bolsista de Produtividade do CNPq

NAYANNE LOPES BATISTA DANTAS

Médica veterinária, Mestra em Zootecnia e Doutoranda em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Campina Grande (UFCG).

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

BONIFÁCIO BENICIO DE SOUZA

PATOS - PARAIBA - PESQUISA/ENSINO

EM 15/07/2012

Prezado Ricardo Pereira Cerdas, obrigado por sua participação no Farmpoint.



Respondendo seus questionamentos abaixo.



que afecta mas la temperatura o la humedad.? (Qual fator afeta mais, a temperatura ou a umidade?).

¿como afecta la temperatura y la alta humedad la reproduccion? (Como a temperatura e a umidade elevada afetam a reprodução?)





Na verdade, a temperatura do ar e a umidade relativa  agem em conjunto. O animal perde calor através de duas formas: sensível e insensível. A forma sensível ocorre por meio da radiação, condução e convecção e acarreta alterações na temperatura ambiente. O aumento gradativo da temperatura do meio dificulta a dissipação de calor da forma sensível, sendo necessária então a ativação de outros mecanismos como a sudorese e o aumento da frequência respiratória. Esses dois fatores constituem os meios de perda de calor da forma insensível, que é influenciada pela umidade, ou seja, quanto maior a umidade relativa do ar aliada a altas temperaturas, menos eficiente é a dissipação do calor.



Lugares que apresentem além de altas temperaturas, percentual elevado de umidade, representam ambientes que conferem estresse térmico aos animais, pois dificultam ou impedem a dissipação do calor excedente pelos mesmos. Em consequência disso, têm-se inúmeras implicações negativas. No âmbito da reprodução animal, os efeitos deletérios podem ser evidenciados através de mudanças no comportamento reprodutivo (libido) de machos e fêmeas, bem como na espermatogênese - processo controlado pelo sistema neuroendócrino, responsável pela termorregulação; podendo ainda haver redução da concentração espermática (Silva et al., 2005), entre outros danos à fertilidade.



Referências bibliográficas

SILVA, G. A.; SOUZA, B. B.; ALFARO, C. H. P.; AZEVEDO, S. A.; NETO, J. A.; SILVA, E. M. N.; SILVA, A. K. B. Efeito das épocas do ano e de turno sobre os parâmetros fisiológicos e seminais de caprinos no semi-árido paraibano. Agropecuária Científica no Semi-Árido, v.01, 07-14, 2005.

RICARDO PEREIRA CERDAS

MÍDIA ESPECIALIZADA/IMPRENSA

EM 06/07/2012

¿que afecta mas la temperatura o la humedad.?

¿como afecta la temperatura y la alta humedad la reproduccion?



gracias.