ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Como o creme se transforma em manteiga?

VÁRIOS AUTORES

THERMA/UFV

EM 10/06/2024

6 MIN DE LEITURA

0
13

A manteiga é mundialmente consumida, sendo destacada por suas características sensoriais, que incluem sabor e aroma, que são geralmente considerados como agradáveis pela maioria dos consumidores.

Tecnologicamente, a manteiga é formada através da inversão de fases do creme de leite de óleo em água (O/A) para água em óleo (A/O). Portanto, pode ser compreendida como um sistema coloidal, termodinamicamente instável, onde a fase contínua (o que vemos quando olhamos para o produto) é a gordura e, a fase dispersa (gotículas da ordem de micrômetros), é uma solução formada por água e sal.

Mas como esse alimento tão apreciado é produzido, afinal?

Conhecer os fenômenos responsáveis pela transformação do creme em manteiga é importante pois permite obter um produto com qualidade sensorial e, seguro do ponto vista microbiológico e físico-químico

Mas, primeiro, de onde vem o creme?

No leite, a gordura está presente sob a forma de glóbulos em suspensão na fase contínua (solução formada por água e sólidos não gordurosos do leite), estabilizados parcialmente pela ação surfactante dos fosfolipídios que compõem a membrana do glóbulo, diminuindo a tensão interfacial entre as fases aquosa e lipídica, permitindo a dispersão da gordura no sistema.

A desestabilização do sistema ocorre naturalmente por processos físicos como a coalescência e maturação de Ostwald, os quais geram glóbulos de gordura de dimensões maiores que tendem a migrar para a superfície do leite (WALSTRA; WOUTERS; GEURTS, 2006). Através do uso da centrífuga, este processo é acelerado, separando a gordura do leite, dando origem ao leite desnatado e ao creme de leite.

Para a fabricação de manteiga, o creme deve atender a alguns requisitos específicos, visando a qualidade do produto e a viabilidade do processamento, sendo eles:

•Acidez igual a 0,14 – 0,20% em ácido lático;

•Teor de gordura mínimo igual a 35%;

•Creme não homogeneizado.

A definição destes requisitos é de suma importância, visto que a acidez muito elevada pode ser indicativa de uma baixa qualidade do creme, o que poderia colocar em risco à saúde do consumidor, bem como impactar na qualidade tecnológica do creme. Os baixos teores de gordura poderiam retardar ou até mesmo inviabilizar o processo de fabricação da manteiga, considerando que a colisão dos glóbulos de gordura seria prejudicada por sua concentração insuficiente no meio. E, por fim, a homogeneização que torna os glóbulos de gordura menores e mais estáveis, o que dificulta o processo de coalescência parcial e aumenta o tempo de bateção do creme.

Enfim, como a mágica acontece?

Após o creme atender aos requisitos necessários, a próxima etapa a ser realizada é a maturação física, que compreende o período de resfriamento do creme a 5 – 8 °C por um período de 10 – 12 h.

O creme é composto por uma mistura de diferentes lipídeos cujos pontos de fusão são distintos. Ao sofrer resfriamento, parte desses lipídeos se solidificarão, formando cristais na superfície do glóbulo de gordura, alterando a proporção de gordura sólida/líquida do meio.

A interação entre os cristais de gordura e a gordura líquida do glóbulo define a textura mais macia ou mais firme do produto. Exemplificando, a formação de uma pequena área superficial de cristais de gordura no glóbulo (poucos cristais; cristais grandes) minimizará sua interação com a gordura líquida, resultando em uma maior proporção de gordura líquida livre no meio e conferindo uma textura mais macia à manteiga. Em contrapartida, uma maior área superficial de cristais (muitos cristais; cristais pequenos) interagindo com a gordura líquida, tornará esta última menos disponível no meio, resultando em um produto mais firme (GREGERSEN et al., 2015).

Contudo, é possível alterar a área superficial dos cristais de gordura através do aquecimento do creme a 20 – 21 °C por 2 h após seu resfriamento inicial, para fazer com que parte dos cristais se funda, promovendo cristais maiores, reduzindo a área superficial de interação com a gordura líquida, tornando o produto mais macio.

Bateção

Na etapa de bateção, o creme deve ocupar cerca de 35% da capacidade da batedeira, garantindo assim espaço suficiente no interior do equipamento que permita a agitação correta do sistema. O objetivo é desestabilizar o creme promovendo choques efetivos entre os glóbulos de gordura. Com a superfície dos glóbulos mais rígida após a maturação física, esses choques causam rompimentos parciais, levando à coalescência parcial dos glóbulos (Figura 1). Com a colisão dos glóbulos de gordura e o rompimento da superfície, parte da gordura líquida é liberada para o meio, que auxilia na manutenção da união parcial dos glóbulos de gordura (WALSTRA; WOUTERS; GEURTS, 2006).

Figura 1. Choque efetivo entre os glóbulos de gordura.

Choque efetivo entre os glóbulos de gordura

Fonte: autores, 2023.

O processo de bateção promove uma rede tridimensional de glóbulos de gordura que é capaz de aprisionar bolhas de ar em sua estrutura. Caso o processo seja interrompido nesse instante seria possível obter o produto comercialmente denominado “chantilly”. No entanto, há a continuidade do processo de bateção, sendo formados mais aglomerados de gordura e o ar inicialmente aprisionado é perdido.

A bateção continua até que os aglomerados de gordura atinjam o tamanho de 2 – 3 mm, obtendo-se o chamado ponto de “couve-flor” (Figura 2). Neste momento, devido a desestabilização do sistema pela agitação e a maior concentração da gordura, com expulsão de parte da água, há a inversão de fases, de O/A (creme) para A/O (manteiga).

Figura 2. Representação dos grãos de manteiga ao final do processo de bateção.

Representação dos grãos de manteiga ao final do processo de bateção.

Fonte: autores, 2023.

Desleitagem

Após a inversão de fases descrita na etapa anterior, a expulsão de parte da água e dos sólidos não gordurosos do leite (SNGL) do sistema, é formado um  coproduto denominado leitelho.

A etapa de desleitagem, então, compreende a separação do leitelho dos grãos de manteiga formados. Para que  este processo seja admitido como eficiente, o teor de gordura presente no leitelho deve ser inferior a 0,7% (TETRA PAK, 2019).

Lavagem

O volume de água utilizado é equivalente ao volume de leitelho retirado na etapa anterior. A lavagem dos grãos de manteiga é efetuada para a retirada dos resíduos de leitelho do processo de desleitagem. Concomitantemente, há a eliminação dos SNGL, solvatados e carreados pela água. Isso auxilia na diminuição da umidade do sistema, visto que a camada de água requerida para a solvatação desses sólidos na manteiga também é eliminada. A redução da água na massa aumenta a segurança microbiológica do produto. Além disso, parte das enzimas responsáveis pelo desenvolvimento de sabores indesejáveis na manteiga também é carreada pela lavagem, conferindo um maior shelf life ao produto. Para evitar a fusão dos grãos de manteiga e a consequente perda de rendimento do produto, a lavagem deve ser realizada com água gelada (em torno de 12 °C).

Malaxagem

Essa etapa é necessária para homogeneizar todos os ingredientes, i.e., a gordura, a água e o sal (adicionado nessa etapa), trabalhando os grãos para que se tornem uma massa contínua, uniforme. A adição de sal não é obrigatória, embora auxilie na conservação e no perfil sensorial do alimento.

O tempo de malaxagem é diretamente proporcional à quantidade de água desejada no produto final, visto que é necessária uma boa dispersão da fase aquosa no produto para melhorar a estabilidade do sistema. Entretanto, deve-se atentar para o excesso do tempo de malaxagem, pois pode levar à incorporação de ar na massa, o que seria algo indesejável dado o aumento da possibilidade de degradação oxidativa do produto. Após a malaxagem, o produto está pronto para o envase e armazenamento sob refrigeração.

Este processo de fabricação é um excelente exemplo de como o conhecimento das etapas envolvidas não apenas nos permite apreciar a manteiga como um produto, mas também nos ajuda a compreender a ciência por trás da transformação dos alimentos.

 

Referências

WALSTRA, P.; WOUTERS, J. T. M.; GEURTS, T. J. Dairy Science and Technology, 2. ed., Taylor & Francis Group, Inc. Broken Sound Parkway, New York, 763 p, 2006.

TETRA PAK. Dairy Processing Handbook. Chapter 12: Butter and dairy spreads. 2019. Disponível em: https://dairyprocessinghandbook.tetrapak.com/chapter/butter-and-dairy-spreads. Acesso em: 21 out. 2023.

GREGERSEN, S. B. et al. Texture and microstructure of cocoa butter replacers: Influence of composition and cooling rate. Food Structure, v.4, p.2-15, 2015. DOI: 10.1016/j.foostr.2015.03.001.

 

 

LAYSHA

Graduanda em Ciência e Tecnologia de Laticínios da Universidade Federal de Viçosa.

RAFAEL CÉSAR PEREIRA

Graduando em Ciência e Tecnologia de Laticínios da Universidade Federal de Viçosa.

TAWANA SILVA CARDOSO

Graduanda em Engenharia de Alimentos do Instituto de Ciências Agrárias da UFMG.

WALMAR OLIVEIRA

Graduando em Ciência e Tecnologia de Laticínios da Universidade Federal de Viçosa.

GLÁUCIA VALÉRIA FONSECA LEONEL

Engenheira de Alimentos e mestranda do Laboratório de Termodinâmica Molecular Aplicada (THERMA-UFV).

ANA CLARISSA DOS SANTOS PIRES

Profa. Dra. Ana Clarissa dos Santos Pires, Professora do Departamento de Tecnologia de Alimentos da UFV e coordenadora do Laboratório de Termodinâmica Molecular Aplicada (THERMA-UFV)

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

Assine nossa newsletter

E fique por dentro de todas as novidades do MilkPoint diretamente no seu e-mail

Obrigado! agora só falta confirmar seu e-mail.
Você receberá uma mensagem no e-mail indicado, com as instruções a serem seguidas.

Você já está logado com o e-mail informado.
Caso deseje alterar as opções de recebimento das newsletter, acesse o seu painel de controle.

MilkPoint Logo MilkPoint Ventures