FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Fontes alternativas de energia para bovinos leiteiros - parte 1

POR JUNIO CESAR MARTINEZ

PRODUÇÃO

EM 17/10/2007

35
1
Uma vez que a alimentação perfaz mais da metade do custo de produção do leite, as granjas leiteiras estão cada vez mais de olho em alimentos alternativos ao milho, alimento este tradicionalmente utilizado como fonte de energia para bovinos leiteiros.

Dependendo do tipo de alimento a ser utilizado, este pode ser substituir o milho parcialmente ou mesmo integralmente. Entretanto, alguns alimentos, dependendo no nível de substituição, não podem proporcionar o mesmo nível de produção de leite, dadas as peculiaridades de cada ingrediente.

O componente presente no grão de milho que fornece energia é o amido. Várias alternativas estão disponíveis para substituir a energia na dieta, mas substituir o amido é difícil. Do ponto de vista nutricional, um nutriente somente deveria ser substituído por outro ingrediente de igual ou melhor valor nutricional. Entretanto, quando estudos de desempenho comprovam o efeito e a eficiência das fontes alternativas de menor valor nutricional, um estudo avaliando preço do produto e o desempenho animal esperado pode ser o principal balizador para a tomada de decisão em utilizar uma fonte de energia diferente do milho grão (amido).

Nos últimos anos, essa substituição vem sendo muito discutida no exterior, visto que muitos países destinam boa parte do milho produzido para a produção de etanol. Com as leis incentivando o uso de energia limpa e renovável, espera-se que cada vez mais se aumente a participação do etanol com fonte de combustível, saindo de 18,3 bilhões de litros produzidos atualmente para 28,5 bilhões de litros a serem produzidos no ano de 2012.

Por sorte, o Brasil produz etanol a partir da cana-de-açúcar, o que nos permite utilizar o milho na alimentação animal de forma mais intensa. Entretanto, a medida que passar a faltar milho no mercado externo, os preços praticados no mercado interno tenderão a subir, obedecendo a lei da oferta e da procura. O preço do milho só não aumentaria se outras fontes alternativas de combustíveis como hidrogênio, metano, eólica, solar e nuclear fossem intensificadas, reduzindo assim a demanda do produto para fabricação de etanol.

Por outro lado, o milho utilizado para a produção de etanol também gera subproduto passível de ser utilizado na alimentação animal, que são os grãos destilados, ou seja, subprodutos provenientes da utilização do grão de milho para produção de etanol.

Alguns cuidados devem ser tomados ao substituir o milho por outro produto, pois dadas as composições de cada alimento, os níveis de amido, proteína bruta e fósforo poderão variar consideravelmente, conforme apresentado na Tabela 1.

Tabela 1. Valor nutritivo de alimentos alternativos ao milho passíveis de serem utilizados na alimentação animal.


Um bom guia é substituir somente metade da proteína do farelo de soja por outras fontes de proteínas, como por exemplo farelo de algodão, grãos destilados ou resíduo de cervejaria. Procure limitar o uso de grãos destilados em 10% a, no máximo, 20% da matéria seca da dieta e avalie o teor de gordura do leite.

O refinasil é um alimento muito interessante e pode ser utilizado em larga escala, podendo perfazer até 60% da matéria seca total da dieta de um ruminante.

Por outro lado, o caroço de algodão deve ser utilizado com maior critério, nunca deixando passar muito da casa dos 20% da estimativa de ingestão de matéria seca total.

Outra dica interessante é sempre que possível mandar fazer uma análise bromatológica do alimento alternativo, pois dependendo do produto, grandes variações de composição podem ocorrer. Também, uma avaliação é importante para chegar possível presença de aflatoxinas e demais micotoxinas.

Abaixo seguem dados de desempenho de estudos conduzidos na Esalq/USP com a substituição do milho por subprodutos agro-industriais

Tabela 2. Produção e composição do leite de vacas holandesas alimentadas com cana-de-açúcar durante o inverno tendo o concentrado testemunha (sem caroço de algodão) sendo substituído em três níveis seus teores de amido.


Valores seguidos de mesma letra na linha não diferem entre si pelo teste de Tukey a 0,05.

1 Produção de leite corrigida para 3,5% de gordura.
2 Concentrado com 17% de caroço de algodão com energia para produzir 18 litros de leite.
3 Concentrado com 17% de caroço de algodão com energia para produzir 21 litros de leite.
4 Erro padrão da média;
5 Probabilidade

Tabela 3. Produção e composição do leite de vacas em terço médio de lactação, mantidas em pastagens de capim-elefante, tendo o milho do concentrado sendo substituído em três níveis por polpa cítrica peletizada.


1 Produção de leite (3,5% de gordura) = 0,4324*PL(kg) + 16,216*gord(kg) (Tyrrel & Reid, 1965);
2 Erro padrão da média;
3 Probabilidade
4 Considerando apenas o Farelo de soja (US$ 11,70* a saca de 60 kg), o milho (US$ 6,69 saca de 60 kg) e a polpa cítrica (US$ 86,95 a tonelada).

Tabela 4. Produção e composição do leite de vacas em terço final de lactação, mantidas em pastagens de capim-elefante, tendo o milho do concentrado sendo substituído em três níveis por polpa cítrica peletizada.


Médias seguidas de mesma letra na linha não diferem entre si pelo teste de Tukey a 0,05.
1 Produção de leite (3,5% de gordura) = 0,4324*PL(kg)+16,216*gord(kg) (Tyrrel & Reid, 1965);
2 Erro padrão da média;
3 Probabilidade
4 Considerando apenas o Farelo de soja (US$ 11,7* a saca de 60 kg), o milho (US$ 6,69 saca de 60 kg) e a polpa cítrica (US$ 86,95 a tonelada).

Tabela 5. Produção e composição do leite de vacas alimentadas com diferentes quantidades de refinasil no concentrado em substituição ao milho e pastejando campim-elefante.


1 Erro padrão da média;
2 Probabilidade.

Tabela 6. Produção e composição do leite de vacas alimentadas com casca de soja em substituição ao milho e pastejando campim-elefante.


Médias seguidas de mesma letra na linha não diferem entre si pelo teste de Tukey a 0,05.

1 Produção de leite (3,5% de gordura) = 0,4324*PL(kg)+16,216*gord(kg) (Tyrrel & Reid, 1965);
2 Erro padrão da média;
3 Probabilidade

Tabela 7. Produção e composição do leite de vacas alimentadas com diferentes quantidades de farelo de trigo no concentrado em substituição ao milho, pastejando capim-elefante.


1 Erro padrão da média;
2 Probabilidade.

Tabela 8. Produção e composição do leite de vacas alimentadas com diferentes níveis de caroço de algodão no concentrado e pastejando capim elefante, durante a estação chuvosa.


Dados seguidos de mesma letra na linha não diferem entre si pelo teste de Tukey a 0,05.

1 Produção de leite corrigida para 3,5% de gordura; PL(3,5%) = 0,4324*PL(kg)+16,216*gord(kg) (Tyrrel & Reid, 1965);
2 Erro Padrão da Média.

Considerações finais

Muitos alimentos podem ser utilizados como fontes alternativas de energia em substituição ao milho. Nesse sentido, alguns subprodutos tem grande destaque, como a polpa cítrica peletizada e o caroço de algodão com linter. Alguns destes, como no caso da polpa cítrica, têm além do atrativo com relação ao custo, por ser mais barata em grande parte do ano, poder também melhorar o desempenho de animais de alto mérito genético, por melhorar o padrão de fermentação ruminal devido as suas características fermentativas.

Ainda em se tratando de animais de alto desempenho, o caroço de algodão também pode ser a solução para melhorar os teores de gordura do leite, ou seja, também é um regulador de padrão de fermentação ruminal.

Por fim, a decisão deve ser sempre pautada basicamente em dois pilares mestres: preço dos insumos e desempenho produtivo e reprodutivo dos animais.

Fonte:

Parte deste texto foi adaptado de J.W. Schroeder, NDSU Extension dairy specialist, publicado em http://www.thedairysite.com/

__________________________________________________________________

* Dólar americano, cotação oficial de 06/05/2004 (R$ 2,99)

JUNIO CESAR MARTINEZ

Doutor em Ciência Animal e Pastagens (ESALQ), Pós-Doutor pela UNESP e Universidade da California-EUA. Professor da UNEMAT.

35

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

EDUARDO WERNECK PAES

EM 11/02/2019

Bom dia tenho um Gado Girolando com produção média diária de entre 25 e 30 kg e estou querendo usar o bagaço de cevada( resíduo da cervejaria) no lugar da silagem de milho gostaria de saber qual seria a média diária deste produto(cevada) por vaca?
WENDER LUGLI

SÃO PAULO - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 12/12/2016

boa noite, tenho resíduos de amendoim (pele) gostaria de saber se existem pesquisas deste produto na alimentação dos bovinos tenho dado em minha propriedade e tem dado bons resultados att.
SILVANO MIGUEL DE ANDRADE

MEDEIROS - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 27/06/2016

ola junio a qui e vaninho boiadeiro costaria de sabe se poço dar trigo engrao na silage gual rezutado no  leiti sou de medeiros mg
BALTAZAR

DOM PEDRITO - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 15/03/2016

boa tarde, estou montando uma area para produçao de leite e implantei tifton em toda a rea com irrigaçao e rodizio de piquetes. Por ser uma forragem de boa PB n pretendo incrementar muito com raçao mas como na minha regiao o farelo de arroz ou ate mesmo a quirera do mesmo tem em abundancia gostaria de saber se posso oferecer para equilibrar um pouco a dieta , e em qual quantia?
MARCELO

PIACABUCU - ALAGOAS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 23/09/2014

Gostaria de saber se a racão oriunda da película do cocô é boa pra gado de corte? e poderia dar ao gado leiteiro?

Obrigado!
ARGEMIRO EDIPO VIEIRA COSTA

CAMPO GRANDE - RIO GRANDE DO NORTE - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 09/09/2014

amigo gostaria de saber qual a dieta ideal para minhas vacas elas então comento sorgo triturado na forrageira.e concentrado milho e soja.
SUSANNE LUEHRSEN

ELDORADO DO SUL - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 10/12/2013

Prezado Junio,

na falta de farelo de arroz no mercado acabamos de moer arroz em casca com o resultado de um bom aumento de leite. Gostaria muito saber a relacao nutricional de milho e arroz integral pois estou pensando em substituir o milho pelo arroz integral em casca ja como ele (ainda) nao e transgenico e de um preco mais vantajoso.
GABRIELA DE FREITAS ZORZETTO

RANCHARIA - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 08/11/2013

Olá Junio  gostaria saber a sua opinião sobre a utilização do coco verde como fonte de PB para vacas leiteiras, ja que tenho em minha propriedade alguns pés de coco verde ja plantado e de como poderia estar aproveitando.
JUNIO CESAR MARTINEZ

TANGARÁ DA SERRA - MATO GROSSO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 13/09/2012

Prezado Moises

Poderá sim. A quantidade irá depender do peso da vaca e da produção de leite. Comece com 3 kg de trigo e vá aumentando se necessário.

Sobre o sorgo, a resposta é não. Grãos como milho, sorgo, melheto, etc. a forma de processamento afeta grandemente a utilização de energia neles contida, por parte do animal. Prefira sempre o finamente triturado.
MOISES ARAAO DA SILVA

FRANCA - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 05/09/2012

JUNIO, O SORGO EM GRAO TEM O MESMO VALOR NUTRICIONAL DO Q O SORGO TRITURADO E MOIDO.
MOISES ARAAO DA SILVA

FRANCA - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 05/09/2012

    O JUNIO EU QUERIA SABER TBEM SE POSSO COLOCAR FARELO DE TRIGO MISTURADO NO CAPIM PICADO E Q QUANTIDADE POR VACA .

    
JUNIO CESAR MARTINEZ

TANGARÁ DA SERRA - MATO GROSSO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 04/09/2012

Prezado Leonado.

Pode fornecer farelo de arroz sim. Mas, acompanhe o teor de gordura no leite das vacas, se abaixar muito a gordura é sinal de que está fornecendo muito farelo de arroz.
JUNIO CESAR MARTINEZ

TANGARÁ DA SERRA - MATO GROSSO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 04/09/2012

Prezado Moises,

O capim pode ser fornecido a vontade. Somente gerencia para que as sobras não sejam maiores de 5%.
MOISES ARAAO DA SILVA

FRANCA - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 03/09/2012

     O JUNIO EU QUERIA SABER TBEM A QUANTIDADE A SER COLOCADO O PRODUTO NO CAPIM PICADO PARA CADA VACA.

     EU COSTUMO DAR UM BALAIO POR VACA POR DIA POS CADA ORDENHA EM EPOCA DE CHUVA  E DOIS BALAIO NA EPOCA DA SECA.

     CADA BALAIO SERCA DE 30 KG MAIS OU MENOS.
MOISES ARAAO DA SILVA

FRANCA - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 03/09/2012

     BOM DIA JUNIO?

     EU TRATO DAS MINHAS VACAS COM CAPIM PICADO NO COCHO, E QUERIA SABER O Q POSSSO COLOCAR NO CAPIM PICADO PARA MELHORAR A PROTEINA, DE PREFERENCIA UM PRODUTO MAIS BARATO E PALATAVEL .

     ME FALARAM Q EU PODERIA COLOCAR FARELO DE ARROZ O Q ACHA ?

     UM ABRAÇO E AGUARDO RETORNO.
WANDERLEY SCHLINDWEIN

TOLEDO - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 30/06/2012

TENHO GRAMA TIFTON 85 QUAL SERIA SUA RECOMENDACAO DE CONSUMO E DE PREFERENCIA EM CORTE DIARIO OU EM FENO:
JUNIO CESAR MARTINEZ

TANGARÁ DA SERRA - MATO GROSSO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 17/11/2009

Prezado Rodrigo.
Esta verificação somente é possível com a utilização de várias outras informações e usando um programa de formulação de ração para as suas vacas em específico. Recomendo uma análise do leite, é simples, rápido e barato, talvez seja mais barato que solicitar a um nutricionista para formular uma dieta balanceada para os seus animais.
RODRIGO OLIVEIRA MARANHÃO

NATAL - RIO GRANDE DO NORTE - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 12/11/2009

Bom dia Junio,
Estou usando 10kg de cevada (cerveja) e 10kg de mandioca triturada na dieta das vacas em lactação e estou reduzindo o concentrado de 6kg para 3,5kg, e as vacas estão aumentado o leite, só faz uma semana que a cevada entrou na dieta.

A duvida é se a cevada interfere na composição do leite, e se estou fornecendo muita energia, pois o concentrado leva 50% de farelo de milho. A produção media das vacas é de 17kg, e o volumoso é pasto de mg5, mais capim elefante + parte aerea da mandioca. Lembrando que o pasto está meio seco, pois estamos entrando na seca.

Obrigado.
Rodrigo.
JUNIO CESAR MARTINEZ

TANGARÁ DA SERRA - MATO GROSSO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 31/08/2009

Prezado Odair.
O teor de proteína das forrageira tropicais varia grandemente, principalmente em função da época do ano e da idade da planta. Assim, na época chuvosa e com a planta jovem, com cerca de 25 dias de crescimento, o teor de proteína pode ser superior a 14-15%, enquanto que na seca, esse teor pode cair para 7-8%.
ODAIR LUIS POSSEMAI

TOLEDO - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 21/08/2009

Gostaria de saber proteina da pastagem tanzania.