ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Cadeia produtiva do leite: analisando estrategicamente

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 15/04/2021

4 MIN DE LEITURA

2
11

Atualizado em 14/04/2021

Ao falarmos da cadeia produtiva de leite, temos que analisar as dificuldades enfrentadas pelos pequenos e médios produtores rurais da atividade, desde os preços dos insumos utilizados na alimentação do rebanho, a importação de leite oriundo de outros países, a falta de incentivos a essa parcela de produtores que vem cada vez mais, sendo desmotivadas a permanecerem na pecuária leiteira.

Não é de hoje que o produtor sabe que para ter lucro precisa ter conhecimentos em gestão da produção, saber quais são seus custos variáveis, fixos e totais, conhecer seu rebanho, ter anotado todos os índices de produção, de reprodução, sanidade e de melhoramento genético dos animais e ter uma estrutura dentro da propriedade que permita facilitar o fluxo da produção. 

O cuidado com o local de armazenagem dos insumos, desde os ligados à alimentação para evitar perdas (de pouquinho em pouquinho, no final do processo, o produtor já teve quilos de concentrados desperdiçados), a atenção ao controle de pragas no local, e os locais e formas de armazenamento de produtos.

O controle da qualidade do leite está ligado a um melhoramento contínuo da produção, com foco em entregar um produto de acordo com as exigências de mercado. 

O controle dos índices de CCS (contagem de células somáticas), CBT (controle de bactéria total) e sólidos, influenciam de maneira direta nas características organolépticas dos produtos derivados de lácteos, e nos fatores ligados ao tempo maior de prateleira dos produtos e rendimento. Cito como exemplo, a fabricação de um queijo, e um leite de melhor qualidade impacta no volume de litros para obter um kg de queijo. 

O pecuarista de leite pode fazer o uso de ferramentas que são simples e eficazes em gestão, cito como sugestão a análise SWOT ou FOFA, como é conhecida no Brasil, onde o produtor pode mapear quais são seus pontos fortes na produção (genética dos seus animais, pasto de boa qualidade, etc), podendo mantê-los, e ter conhecimento dos pontos fracos (alto índice de mastite nas vacas, leite com pouco teor de sólidos, etc), podendo assim, ajustar os índices que apresentam falhas para melhorar o fluxo de produção.

Diminuir os fatores que não podem ser alterados pelo produtor como, por exemplo, o alto preço dos insumos de alimentação ou uma nova instrução normativa, e buscar oportunidades de mercado considerando realizar turismo rural ou cruzamentos industriais, para que os bezerros machos no futuro possam apresentar boas condições de carcaça para o abate.

Atentando que o produtor que queira trabalhar com a bovinocultura de corte precisa conhecer as diretrizes de mercado muitas vezes diferentes das voltadas para a bovinocultura de leite.

Entretanto, os pequenos e médios produtores se perguntam se investir na sua produção é viável, já que, para um funcionamento adequado de uma cadeia de produção, é necessário que todos os elos da mesma trabalhem em conjunto e sejam aliados e não competidores, e possuam o mesmo objetivo a alcançar.

Cabe aos produtores rurais se unirem e cobrarem pela sua profissão, buscarem cada vez mais a gestão e a assistência técnica, não só em indicadores técnicos, mas em gestão da produção, análises de contratos e diretrizes de mercado, para seguir as orientações do mesmo, conhecer a sua produção e o seu produto, conseguir uma relação contratual com agroindústrias onde o poder de barganha seja bilateral e não unilateral como vemos atualmente.

O poder de barganha permite “desenhar” o contrato, para que beneficie ambos os lados e traga motivação à melhoria continua, buscando se associarem e cooperarem para a troca de informações, cooperações com empresas do setor e compras estratégicas para conseguir preços melhores.

Cabe a agroindústria investir mais no mix de marketing, na criação de embalagens melhores, linhas de produtos diversificados (orgânico, leite de pastagens, queijos finos) voltados para o mercado diferenciado, podendo criar um selo regional, canais de comunicação com seus clientes, com objetivo de mostrar o processo de extração de leite, etc. 

Conhecer o seu consumidor e o que ele não conhece sobre o produto, desmistificando e solucionando dúvidas e inverdades sobre o leite, buscando estratégias de merchandising e se voltar às necessidades dos seus clientes.

Somente assim, o consumidor saberá dos benefícios que essa cadeia de produção traz economicamente ao local, gerando empregos dentro da propriedade e na fabricação e comercialização de insumos, na agroindústria e no varejo, evitando o êxodo rural e estimulando produtores que contribuem com questões ambientais e sociais, serem reconhecidos.

O agronegócio só é bom se beneficiar todos que pertencem a cadeia produtiva!

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário, isso nos ajuda a saber que conteúdos são mais interessantes para você. Quer escrever para nós? Clique aqui e veja como.

Autores 
Areta Lúcia da Silva -  Especialista em Administração e Negócios e Especialista em Administração da Produção e Logística (UNOESTE) Tecnóloga em Agronegócio (FATEC-MC) e estudante em MBA de Logística e Cadeia de Suprimentos (FACULDADE METROPOLITANA).
Lechan Colares Santos - Doutor em Administração na Área de Gestão de Cadeias do Agronegócio e Docente na UNOESTE.

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

PAULO FERNANDO ANDRADE CORREA DA SILVA

VALENÇA - RIO DE JANEIRO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 19/04/2021

A Aplisi cuida das relações bilaterais, através do contrato com a indústria compradora para 60 produtores associados no RJ e em Minas.
Turismo rural e gado de corte são outra atividade. Não se pode compensar o prejuízo de um centro de despesas com lucrio em outra área de atividade.
ARETA LÚCIA DA SILVA

SANTA ISABEL - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 22/04/2021

Olá Paulo. Não conheço a Aplisi para saber como são as relações de contrato da mesma com os produtores, espero que seja como vc descreveu poder de barganha bilateral. Sobre o turismo rural é uma oportunidade (não é para cobrir custos da atividade leiteira) e sim para o produtor que queira entrar em um outro nicho de mercado. Lembrando que a cadeia produtiva do leite abrange vários tipos de produtores e falo aqui de maneira geral e não especificamente.
Sobre o gado de corte, sim é outra atividade e por isso o produtor que tenha como objetivo destinar bezerros para no futuro abater tem que saber que são atividade com alguns pontos diferenciados. Att
MilkPoint AgriPoint