ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Importações: como você quer ver o copo? Meio cheio ou meio vazio?

POR LAVINIA MORAIS

PANORAMA DE MERCADO

EM 04/02/2021

2 MIN DE LEITURA

4
9

Segundo dados divulgados nessa quinta-feira (04/02) pela Secretaria de Comércio Exterior (SECEX), as importações brasileiras de derivados lácteos apresentaram, em janeiro o menor patamar desde agosto/20. No total, foram importados cerca de 149 milhões de litros de leite equivalente no mês, uma retração de 18% em relação a dezembro/2020. Este é a visão do copo “meio cheio” do tema importações.

Por outro lado, ao compararmos o volume importado agora em janeiro com as importações em janeiro de 2020, o aumento é de impressionantes +82% (ainda!). Já quanto às exportações, o volume foi de 7,5 milhões de litros, uma queda de 9% em relação ao mês anterior e de 44% em relação a janeiro/20.

Assim, o saldo da balança comercial de lácteos foi de -142 milhões de litros (em equivalente leite), uma redução de 18% no déficit quando comparado a dezembro/20.

Gráfico 1. Saldo da balança comercial brasileira de lácteos, 2017 a 2021.

Fonte: Elaborado pelo MilkPoint a partir dos dados do COMEXSTAT

O mercado interno apresentou, em janeiro, um cenário bastante retraído. A demanda enfraquecida, decorrente do fim do auxílio emergencial e segunda onda da pandemia, prejudicou o ritmo de vendas dos derivados lácteos. Por conta disso, os preços vêm apresentando quedas significativas no mercado interno e o nível de estoque nas indústrias estão atingindo elevados patamares. Assim, o ritmo lento do mercado nacional é um dos fatores que desestimulou as compras no primeiro mês do ano.

Outro importante fator é a situação do comércio internacional de derivados lácteos. Desde novembro/20, estamos acompanhando um cenário de aumento de preços nas negociações do leilão GDT.  Assim, o produto importado tem chegado ao Brasil com preços bastante elevados e pouco competitivos em comparação com os produtos nacionais.

Entre os produtos importados pelo Brasil, o leite em pó integral, o leite em pó desnatado e queijos ainda foram aqueles com maior participação na pauta importadora em janeiro; deles, apenas o leite em pó integral apresentou queda, com uma variação de -40% em relação a dezembro/20 no volume importado. O leite em pó desnatado apresentou aumento de 37%, enquanto os queijos permaneceram estáveis.

Entre os produtos que apresentaram queda de volume de importações, destacam-se, também, as manteigas - que vinham apresentando forte aumento de importações nos últimos meses do ano -, com variação de -30%.

Em relação às exportações, os produtos que tiveram maior participação no volume total exportado foram o leite condensado e o creme de leite, que juntos, representaram 66% da pauta exportadora e tiveram variações de 26% e -3% em relação a dezembro/20, respectivamente. Um produto que apresentou forte aumento de exportações em janeiro foi o leite em pó desnatado, embora o volume vendido ainda não seja tão significativo.

Na tabela 2, é possível observar as movimentações do comércio internacional de lácteos no mês de janeiro deste ano.

Tabela 2. Balança comercial láctea em janeiro/2021

Fonte: Elaborado pelo MilkPoint, com base em dados COMEXSTAT.

Apesar dos volumes ainda elevados de importações, o cenário futuro é de queda da competitividade do produto importado em nosso mercado.

Com o leite em pó integral se aproximando dos US$ 3.500/ton no mercado internacional, a taxa de câmbio oscilando ao redor de R$ 5,5/US$ e o recuo dos preços aqui no nosso mercado, fica pouco competitivo o produto do Mercosul e o cenário para os próximos meses é de queda nos volumes importados.

LAVINIA MORAIS

Analista de Mercado do MilkPoint Mercado

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JUSCELINO RAMOS JÚNIOR

AVELINÓPOLIS - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 09/02/2021

A falta de critérios na importação, concomitantemente com a falta de diálogo entre produtores e indústrias, levarão centenas ou milhares de produtores a deixarem a atividade. Os preços pagos atualmente, não cobrem os custos de produção o que fatalmente levará muitos produtores a desistirem da atividade ou venderem/sacrificar parte do rebanho(o preço da arroba está atrativo), para pagarem suas contas.
MARLUCIO PIRES

EDEALINA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 05/02/2021

82% de aumento em relação ao mesmo período do ano passado, mesmo com demanda retraida, estoque aumentando nas indústrias e preço ao produtor caindo a níveis muito abaixo do valor do produto importado. Por Deus, o que leva alguém a importar 150 milhões de litros, a preços mais altos que os locais, com a demanda tão enfraquecida? Me expliquem por favor
MAURO

BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 08/02/2021

Qualidade e mix de produtos.
TABAJARA MARCONDES

FLORIANÓPOLIS - SANTA CATARINA - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 09/02/2021

Possivelmente o fato de serem contratos fechados no transcorrer do segundo semestre de 2020, quando as condições dos mercados interno e internacional eram diferentes das atuais. Importante lembrar que no primeiro semestre de 2020 as importações de lácteos foram bem menores que as do mesmo período de 2019, e só aumentaram a partir do crescimento dos preços internos dos lácteos.
MilkPoint AgriPoint