FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Estratégias para aumentar a vida de prateleira do leite pasteurizado

POR LIVIA CAVALETTI CORRÊA DA SILVA

INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 08/09/2014

4 MIN DE LEITURA

0
1

O aumento da vida de prateleira ou do prazo de validade do leite pasteurizado é um desafio a ser enfrentado por laticínios que desejam melhorar a competitividade do seu produto no mercado. Desde a década de 90, o leite UHT vem ganhando destaque no mercado e corresponde atualmente a mais de 80% de todo o leite fluido consumido no Brasil.

Grande parte desse sucesso pode ser atribuído à praticidade que este produto oferece ao consumidor. Sua vida de prateleira é, em média, de 4 meses em temperatura ambiente, contra uma média de 4 dias sob refrigeração para o leite pasteurizado. Para estimar o potencial de aumento na vida de prateleira podemos tomar como exemplo o leite pasteurizado produzido nos EUA, que apresenta validade média de 20 dias sob refrigeração.


O que limita a vida de prateleira do leite pasteurizado?

O principal fator é a contagem de microrganismos que o produto apresenta. De forma simplificada, pode-se dizer que quanto maior for a contagem bacteriana total (CBT) do leite cru, maior será a contagem de microrganismos no leite pasteurizado e, consequentemente, mais rápido ele sofrerá deterioração.

Isso porque o processo de pasteurização do leite utiliza a menor temperatura e tempo necessários para garantir a eliminação de microrganismos patogênicos sem promover alterações sensíveis na sua composição e propriedades sensoriais. Por isso, uma parte dos microrganismos presentes no leite cru, chamados de termoresistentes, não é eliminada.

Embora não sejam patogênicos, esses microrganismos são responsáveis pela deterioração microbiana que ocorre no durante o armazenamento, o que limita a vida de prateleira do leite e torna obrigatória sua refrigeração.

É evidente que o tipo de microrganismo presente no leite cru também terá influência. Se a microbiota do leite cru for composta em sua maioria por microrganismos temolábeis, por exemplo, o processo de pasteurização será capaz de atingir reduções maiores.

Estratégias para aumentar a vida de prateleira do leite pasteurizado

A primeira estratégia e que apresenta simultaneamente maior impacto e menor grau de dificuldade na implementação é a redução na CBT do leite cru. Isso pode ser conseguido em um curto espaço de tempo, desde que sejam adotadas Boas Práticas de Ordenha (BPO).

Além de prevenir a contaminação por microrganismos termoresistentes, as BPO também reduzem de forma significativa as contagens de microrganismos psicrotróficos, produtores de enzimas proteolíticas e lipolíticas. Essas enzimas, que continuam ativas após o tratamento térmico, passarão a ser importantes no leite que apresentar vida de prateleira superior a 14 dias.

A sedimentação e a gelificação são defeitos frequentes no leite UHT decorrentes da proteólise causada por essas enzimas, que continuam a agir dentro da embalagem. Defeitos nas características sensoriais como sabor amargo ou sabor rançoso também podem ser decorrentes dessa atividade enzimática.

Outro fator impactante na redução da CBT é a eficiência da refrigeração do leite e a velocidade em atingir a temperatura de refrigeração. As três horas necessárias para que o leite atinja temperaturas inferiores à 4°C permitem a continuidade da atividade microbiana e também podem facilitar a adaptação gradual dos psicrotróficos à nova temperatura.

Esse cenário piora progressivamente com o aumento da CBT. Uma solução para esse ponto seria a adoção do sistema de refrigeração por placas, que faz o leite atingir a temperatura de resfriamento de forma imediata. O intervalo entre a ordenha e a pasteurização deve ser o mais curto possível, de forma a reduzir ao máximo a produção dessas enzimas termoestáveis.

A ocorrência de recontaminação após a pasteurização também é um problema comum que deve ser controlado por meio da higienização adequada de equipamentos, tubulações e conexões. A empacotadeira, em especial, é um equipamento de difícil higienização. Por isso, é frequentemente o ponto onde ocorre a recontaminação do produto.

Um bom indicador da ocorrência de recontaminação pós-pasteurização é a presença de coliformes no leite pasteurizado e fosfatase alcalina negativa. Os coliformes são microrganismos extremamente sensíveis à temperatura e, por isso, não sobrevivem à pasteurização.

Contudo, se voltarem a contaminar o leite após a pasteurização podem causar grandes alterações, especialmente se houver variação na temperatura de armazenamento, que é outro ponto que deve ser controlado pela indústria e por distribuidores.

A contagem de células somáticas (CCS) também deve ser controlada na matéria-prima. Elevadas CCS vêm acompanhadas por alteração na composição do leite e aumento na produção de plasmina. A plasmina é uma enzima presente naturalmente no leite que também causa proteólise, levando aos mesmos defeitos descritos acima.

O emprego de alguns processos como a termização e a microfiltração também pode contribuir para o aumento da vida de prateleira do leite pasteurizado, pela redução na microbiota presente no leite cru. O processo de termização visa eliminar a microbiota termolábil do leite cru especialmente psicrotróficos e coliformes, reduzindo assim as alterações decorrentes de sua multiplicação.

De acordo com o RIISPOA, esse processo é realizado em trocador de calor por placas, no qual o leite atinge uma temperatura de até 65°C por no máximo 15 segundos. A fosfatase alcalina deve permanecer ativa. Já o processo de microfiltração é realizado por meio de tecnologia de membrana, que não envolve tratamento térmico e que promove redução de bactérias e células somáticas por meio de remoção mecânica. Embora seja bastante eficaz, a microfiltração é ainda uma tecnologia cara.

A adoção de um programa de pagamento por qualidade é, sem dúvida, uma excelente ferramenta que pode e deve ser utilizada pelos laticínios. A qualidade do leite cru é a base para a qualidade do leite pasteurizado e também de todos os derivados lácteos. É importante ter em mente que uma vez comprometida, a qualidade do leite não poderá mais ser recuperada por nenhum processo.

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário, isso nos ajuda a saber que conteúdos são mais interessantes para você. Quer escrever para nós? Clique aqui e veja como!

*Fonte da foto do artigo: Freepik
 

ARTIGO EXCLUSIVO | Este artigo é de uso exclusivo do MilkPoint, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem prévia autorização do portal e do(s) autor(es) do artigo.

LIVIA CAVALETTI CORRÊA DA SILVA

Médica Veterinária, com mestrado e doutorado na área de sanidade animal, com ênfase em qualidade do leite. Professora na Faculdade de Veterinária da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint