ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Manejo de pastagem: como controlar as principais pragas e plantas invasoras?

EDUCAPOINT

EM 19/06/2018

3 MIN DE LEITURA

1
2
Dentro do manejo de pastagens, há um item fundamental: o controle de pragas e plantas invasoras.

Pragas

As duas principais pragas que afetam as pastagens são:

1) Cigarrinha da pastagem

A cigarrinha da pastagem tem gerado bastante prejuízos aos pecuaristas de praticamente todo o Brasil. O controle da cigarrinha tem um custo por hectare relativamente baixo, por volta de R$ 50-R$ 100 por hectare por ano com inseticida químico ou residual.

É muito importante que o controle seja feito na primeira fase, que começa junto com o período chuvoso, para evitar perdas maiores.

Há também a possibilidade de fazer controle biológico com fungo, que não mata 100% das cigarrinhas, mas deixa o sistema em equilíbrio. Nesse sistema, é necessário fazer aplicação anual do fungo. Começa com uma dose maior no primeiro ano, passando para uma dose menor no segundo ano e, a partir do terceiro ano, estabiliza a quantidade de fungo aplicada.

Pode-se, também, associar as duas medidas nos casos de ataques mais severos.

2) Lagarta

Já a lagarta é mais comum em pasto intensivo, exceto no caso de capim Panicum, que acabam sofrendo um pouco mais de ataques de lagarta, mesmo em sistemas extensivos.

A lagarta é muito fácil de ser controlada com produtos químicos à base de piretroides, que têm um custo baixo, por volta de R$ 20 a R$ 30 por hectare por ano. Também pode ser feito controle biológico com fungo, da mesma forma que se faz com a cigarrinha, mas com fungos diferentes.

Controle de plantas invasoras

Há duas distinções de plantas invasoras:

1) Planta invasora de folha larga

Dentro das plantas invasoras de folhas largas, há folhas moles, que são mais fáceis de serem controladas, e as folhas duras, que são mais resistentes ao herbicida e mais difíceis de controlar.

Pode-se fazer roçada, embora tenha uma eficiência muito baixa, sendo mais uma medida paliativa. Todo ano é necessário roçar e as plantas invasoras não serão eliminadas, podendo, inclusive, ficar cada vez mais resistentes aos herbicidas, no caso das folhas duras.

A forma mais eficiente de controle, que tem um custo-benefício muito grande, que em médio a longo prazo praticamente elimina as plantas invasoras, com um custo de manutenção muito baixo é o uso de herbicida. Há herbicidas específicos para as folhas duras, variando de R$ 300 até R$ 600 por hectare por ano, dependendo do nível de infestação.

A aplicação do herbicida foliar geralmente é feita em área total, para diminuir a população de folha dura em 40% a 60%, aplicando, depois, o produto localizado, passando na base do caule ou cortando e aplicando nesse local.

Para as folhas moles, há uma variedade de herbicidas e o custo chega a R$ 120 a R$ 200 por hectare por ano, com um nível de controle muito bom.

2) Capins invasores

Já a presença de capins invasores no pasto representa um grande desafio para a fazenda, pois não há herbicidas seletivos que matam o capim invasor sem afetar o pasto. É necessário usar uma série de estratégias diferentes, desde reforma de pastagem, manejo, associação de vários métodos de controle.

Quer aprender muito mais sobre o manejo de pastagem? Acesse o curso on-line Manejo de Pastagem, onde os instrutores Adilson Aguiar e Mateus Caseta, especialistas no assunto, explicam o passo a passo da implementação da pastagem e montagem dos pastos. Essas informações fazem parte de uma videoaula bônus do curso!

Gostaria de assistir à essa aula completa e às outras aulas deste curso? Basta ser um assinante do EducaPoint. Um dos benefícios dos assinantes é justamente o acesso a aulas bônus!


Com planos totalmente acessíveis, a plataforma oferece o que há de melhor e mais atual na pecuária brasileira, e os assinantes têm acesso ilimitado a TODOS os cursos (já são mais de 110 temas).


Conheça os planos aqui! Ou experimente sem compromisso realizando um breve cadastro no site: https://goo.gl/mBU14t.

Mais informações:
contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082

   

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

GERALDO FERNANDES SANTOS

RIBEIRÃO PRETO - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 22/06/2018

UM CUIDADO AO FORMAR OS PASTOS, ALÉM DA ESCOLHA DAS SEMENTES CORRETAS PARA O SOLO E CLIMA DA REGIÃO É A UTILIZAÇÃO DE UMA QUANTIDADE SUFICIENTE PARA A COBERTURA RÁPIDA DA SUPERFÍCIE DO PASTO, DIMINUINDO A COMPETIÇÃO.
AUMENTAR OS KGs DE SEMENTES DE B BRIZANTHA POR EXEMPLO DIMINUEM EM MUITO A COMPETIÇÃO, TAMBÉM O MANEJO, PERMITINDO A COBERTURA DA ÁREA E TALVEZ ATÉ A SEMENTEAÇÃO, PARA TER MUUUITAS SEMENTES NA ÁREA, ALÉM DE UMA FERTILIZAÇÃO COM P2O5. GERALDO FERNANDES SANTOS ENG AGHRÔNOMO ESALQ USP.
MilkPoint AgriPoint