ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Estufamento precoce em queijos

POR LETÍCIA MOSTARO MAGRI

INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 17/06/2021

3 MIN DE LEITURA

0
8

O que é o estufamento precoce em queijos?

 

O estufamento precoce em queijos é um dos grandes problemas enfrentados pelos laticínios. Ele ocorre quando há uma intensa produção de gás no interior em seu interior — sempre entre a prensagem e a saída do queijo da salmoura.

No corte, é possível observar uma massa "rendada", cheia de pequenos olhos arredondados ou irregulares. Além disso, o sabor do queijo também é alterado. 

 

Qual a causa do estufamento precoce em queijos?

O problema é causado pela presença de um grande número de bactérias do grupo coliforme, com destaque para a Enterobacter aerogenes e a Escherichia coli, sendo que a primeira é bem mais danosa em comparação a segunda.

Tais microrganismos — naturalmente presentes no leite cru — são destruídos pela pasteurização. Deste modo, caso um queijo elaborado a partir de leite pasteurizado apresente estufamento precoce, podemos dizer que houve uma contaminação acentuada do leite após o tratamento térmico. Ou seja, este tipo de problema está relacionado a contaminações posteriores à pasteurização, bem como problemas de higienização da fábrica.

No entanto, vale ressaltar que, apenas a presença de coliformes não quer dizer que o queijo, necessariamente, irá estufar.  Para ocorrer o estufamento, se faz necessária a presença de um foco de contaminação no laticínio, que se traduz por um número mínimo de coliformes presentes no leite. Ademais, outros fatores, como o pH do queijo, também exerce influência nestes casos.

 

Quais são os principais meios de contaminação de coliformes nos laticínios?

Uma via comum de contaminação por coliformes é o pasteurizador, sobretudo aqueles com controle manual, onde, nestes casos, pode passar leite cru ou “termizado”. Além disso, também podem ocorrer furos nas placas, geralmente relacionados ao uso incorreto de soluções com alta concentração de cloro ou demais produtos oxidantes utilizados na limpeza e sanitização do equipamento.

As tubulações e demais conexões também configuram um clássico ponto de contaminação, bem como o próprio fermento lático utilizado — quando este não é manuseado com os devidos cuidados.

 

Como prevenir a contaminação de coliformes em laticínios?

Podemos citar os seguintes itens para o combate e prevenção de contaminação de coliformes nas fábricas de laticínios:

  • Uso do fermento lático em plena atividade;
  • Pasteurizador;
  • Tubulações e conexões;
  • Tanques e utensílios de fabricação;
  • Higiene pessoal dos funcionários.

 

 

Uso do fermento lático em plena atividade

É um item fundamental, visto que a simples presença de bactérias do grupo coliforme não significa que o queijo estufará. Caso o fermento lático estiver ativo, muitas vezes metaboliza a lactose mais rapidamente em comparação à flora contaminante, impedindo a formação de gás, ao passo que promove o abaixamento do pH.

 

Pasteurizador

Se certificar que o processo de pasteurização está sendo realizado de forma adequada e que não existem placas perfuradas é essencial. Como dito anteriormente, pasteurizadores com controle manual demandam maior cuidado e atenção, de modo a evitar passagem de leite cru ou apenas termizado.

 

Tubulações e conexões

A realização correta e periódica da limpeza de tubulações e conexões, seguida de sanitização adequada é de suma importância. No caso de limpeza Cleaning in Place (CIP), recomenda-se a desmontagem periódica do circuito, bem como que seja efetuada uma limpeza manual das conexões e registros.

 

Tanques de fabricação e utensílios

Além da desinfecção e limpeza à base de cloro, é importante verificar a existência de furos na camisa de aquecimento dos tanques de fabricação, os quais podem se tornar um ponto de contaminação.

Quando se tem a certeza de que a pasteurização está sendo realizada adequadamente, os utensílios são os principais focos de recontaminação quando não são corretamente limpos e sanitizados.

 

Higiene pessoal dos funcionários

As Boas Práticas de Fabricação (BPF) devem ser seguidas por todos os funcionários envolvidos na fabricação de queijos, de modo reduzir as chances de contaminação dos queijos.

 

Referências

FURTADO, Múcio. Principais problemas dos Queijos: Causas e Prevenção, 3° edição. Editora Setembro, São Paulo, 2017.

LETÍCIA MOSTARO MAGRI

Bacharela em Laticínios pela UFV, Pós-Graduada em Eng.de Produção pela Uninter, integrante da Equipe de Conteúdo do MilkPoint.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint