FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Filagem da muçarela e pH da massa: qual é a relação?

POR LETÍCIA MOSTARO MAGRI

INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 29/03/2021

3 MIN DE LEITURA

0
8

A muçarela é um dos queijos mais consumidos no Brasil, podendo ser comercializada tanto para consumo direto quanto para food service. Quando pensamos em muçarela, a mente nos remete a um queijo com boa capacidade de derretibilidade e elasticidade.

No processo de fabricação nas indústrias de laticínios, a etapa de filagem exerce um papel fundamental para garantir essas características da muçarela. Esse processo pode ser manual ou automatizado (filadeiras) sendo o resultado da desmineralização da massa (remoção de cálcio) correlacionada a um tratamento térmico com água quente, resultando em uma estrutura fibrosa e filamentosa de caseínas intactas com fibras elásticas, alongadas, paralelas e orientadas na mesma direção.

Um parâmetro importante que devemos nos atentar durante a filagem é o pH da massa antes de ser filada, porém, não existe um pH que podemos dizer ser o ideal, por isso, costuma-se trabalhar com faixas de pH.

Basicamente, ao decorrer da fermentação e acidificação da massa, o cálcio que interliga a matriz proteica é removido pelo ácido lático proveniente da fermentação da lactose. A filagem ocorre quando a maior parte desse cálcio for perdido. À medida que temos o abaixamento do pH paralelamente ocorre a desmineralização gradual da massa, tornando-a mais flexível.

Qual a relação entre a filagem e as faixas de pH da massa?

Como mencionado anteriormente, o processo de filagem não é uma ciência exata. As indústrias de laticínios trabalham com faixas de valores de pH, podendo ser elas:

  • pH inferior a 4,9

Aqui, temos uma massa bem ácida e desmineralizada, caraterizada pelo baixo teor de cálcio. Dessa forma, geralmente teremos uma massa quebradiça que apresentará problemas no momento da filagem, arrebentando-se facilmente. O queijo produzido apresenta uma textura granular e compacta com pouca elasticidade.

  • pH entre 4,9 a 5,3

Podemos dizer que normalmente esta é a faixa de valores ideal para a filagem com média de pH 5,1 e 5,2. Nesses valores a massa apresentará o grau de desmineralização e teor de cálcio considerados satisfatórios para a obtenção de uma boa filagem, dando origem a uma massa que se estica bem, conferindo uma boa elasticidade ao queijo.

  • pH superior a 5,3

Com a baixa acidez a massa ainda está mineralizada e com alto teor de cálcio. Desse modo, a filagem é dificultada ou impossibilitada, dado que a coalhada está firme e requer mais água e maior tempo para ser filada. Quando é possível realizar a filagem, o queijo resultante é caracterizado pela consistência mais firme e áspera, apresentando uma superfície irregular.

Vale destacar, que podem haver variações nas faixas de pH citadas acima. É sempre importante lembrar que o processamento de leite e derivados toda regra apresenta exceções, trabalhamos com uma matéria-prima peculiar.

No caso da muçarela em pH 5,1, por exemplo, a filagem pode não ocorrer de maneira satisfatória. Isso ocorre, porque além do pH da massa, outros fatores também exercem influência nessa etapa, como a temperatura da água de filagem e os teores de cálcio do leite e residual na massa.

Uma maneira prática e rápida que pode ser utilizada nos laticínios para conferir se é o momento ideal ou não para filagem da massa consiste em aquecer com água quente um pequeno pedaço do queijo e esticá-lo. Se a massa esticar facilmente e não se arrebentar, podemos seguir para o processo de filagem.

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário, isso nos ajuda a saber que conteúdos são mais interessantes para você. Quer escrever para nós? Clique aqui e veja como!

Referências

FURTADO, Múcio. Mussarela - Fabricação & Funcionalidade. São Paulo: setembro Editora, 2016.

SABIONI, Rachel Campos. Otimização de um Processo Industrial de Filagem: uma Comparação entre Métodos Multiobjetivo. 2018. 111 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Engenharia de Produção, Universidade Federal de Itajubá, Itajubá, 2018. Disponível em: https://repositorio.unifei.edu.br. Acesso em: 17 fev. 2021.

LETÍCIA MOSTARO MAGRI

Bacharela em Ciência e Tecnologia de Laticínios, UFV

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint