ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Sistemas de higienização OPC e CIP: quais são as diferenças?

VÁRIOS AUTORES

INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 21/05/2021

9 MIN DE LEITURA

1
13

Os sistemas de higienização nas indústrias de laticínios são classificados em dois tipos básicos, sendo eles o Open Plant Clean (OPC) e o Cleaning in Place (CIP) utilizados de acordo com o layout em questão.

 

A correta higienização ao longo da cadeia produtiva do leite é fundamental para garantir a qualidade da matéria-prima, ingredientes, insumos e processos, visando à obtenção de alimentos seguros, particularmente em relação às contaminações com agentes químicos, físicos e biológicos.

Assim, procedimentos de higienização adequados objetivam não só reduzir a população microbiana dos produtos lácteos a níveis seguros, tanto do ponto de vista tecnológico quanto de saúde pública, mas também eliminar as sujidades (compostos orgânicos e inorgânicos, microrganismos e outros sedimentos indesejáveis), proporcionando produtos com qualidade nutricional, sensorial e higiênico-sanitária desejada.

Cada indústria de laticínios é responsável por estabelecer seus procedimentos de higienização em função das condições de operação da planta (equipamentos, escalabilidade, processos utilizados e produtos fabricados) (PAIVA et al, 2017). De formal geral, a higienização é dividida em duas etapas bem definidas: limpeza e sanitização (ANDRADE, 2008).

A limpeza é a etapa que consiste na remoção de resíduos orgânicos e inorgânicos (além de poeira, microrganismos e outros contaminantes oriundos do ambiente) dos equipamentos, utensílios e demais superfícies de processamento, por meio da utilização de detergentes (soluções à base de compostos alcalinos ou ácidos, apresentando também compostos coadjuvantes de limpeza como fosfatos, complexantes, tensoativos, enzimas, dentre outros) e ação mecânica.

Deve ser realizada imediatamente após o processamento para evitar que as incrustações fiquem aderidas mais fortemente às superfícies, o que dificulta a sua remoção e favorece o crescimento e adesão de microrganismos, ou seja, a formação de biofilmes microbianos.

Já a sanitização é a etapa que visa assegurar a qualidade microbiológica das superfícies/ambiente de processamento, por meio da eliminação dos microrganismos patogênicos e redução dos deterioradores a níveis que atendam às especificações previamente propostas.

Essa etapa pode ser realizada por meio de métodos físicos (calor ou radiação ultravioleta) e/ou químicos (aplicação de soluções sanitizantes, como hipoclorito de sódio, ácido peracético ou clorexidina, por exemplo). Deve ser feita imediatamente antes do processamento para evitar recontaminação das superfícies.

De acordo com o layout de produção, os sistemas de higienização utilizados são classificados em dois tipos básicos: o Open Plant Clean (OPC) e o Cleaning in Place (CIP).

 

Sistema de higienização OPC

É utilizado em superfícies externas, utensílios e equipamentos abertos. Nele, as soluções de limpeza e os sanitizantes podem ser aplicados manualmente; por imersão; por meio de equipamento tipo spray com baixa ou alta pressão; pela aplicação de gel ou espuma; e por aspersão ou nebulização (Figura 1).

Figura 1.  Sistema de higienização OPC utilizado em superfícies externas, utensílios e equipamentos abertos.

sistema opc higienização laticinios

 

Quais são as operações de higiene do sistema OPC?

 

  • Higienização manual

É a operação de limpeza de superfícies de processamento (mesas, fôrmas e tanques) realizada por manipuladores com solução detergente e água, à temperatura de até 45 ºC, por meio de buchas e/ou escovas (cerdas rígidas ou flexíveis, dependendo da superfície).

Geralmente, usa-sedetergente neutro ou de alcalinidade leve/moderada (à base de carbonato de sódio, por exemplo).Importante observar que durante esta operação, a mangueira de água precisa ter o comprimento ideal para alcançar todas as áreas a serem higienizadas.

 

  • Higienização por imersão

Consiste em mergulhar utensílios (fôrmas e dessoradores para queijos, facas, etc) e peças desmontáveis de equipamentos e tubulações (válvulas, conexões e gaxetas) em uma solução detergente (processo de limpeza) ou sanitizante (processo de sanitização) durante 15 a 30 minutos, com ou sem agitação. 

No processo de limpeza alcalina por imersão, normalmente utilizam-se soluções alcalinas de baixa/moderada alcalinidade, seguida de limpeza manual complementar. Se for necessária a limpeza ácida por imersão (por exemplo, para a desincrustação mineral em fôrmas de queijos, realizada uma a duas vezes por semana), é indispensável que o manipulador utilize luvas apropriadas e óculos de proteção, além dos demais EPI’s indispensáveis, para evitar o contato com a solução detergente.

 

  • Higienização pelo uso de equipamento tipo spray

Operação na qual água (etapas de enxágues inicial, intermediário e final), soluções detergentes e sanitizantes são aspergidas na superfície a ser higienizada, como azulejos, por meio de um aparelho constituído de uma pistola e injetor.

Este processo pode ser realizado a baixas ou altas pressões, geralmente com produtos químicos que não apresentam riscos aos manipuladores, como detergente neutro (solução de limpeza) e clorexidina (solução sanitizante).

 

  • Higienização pela aplicação de gel/espuma

Consiste em aplicar o gel ou espuma sobre a superfície a ser higienizada, deixando-a atuar durante um determinado tempo de contato antes da limpeza manual complementar e enxágue. Geralmente, os detergentes apresentam na formulação agentes tensoativos aniônicos, incluindo os compostos alquil aril sulfonatos como o lauril éter sulfato de sódio, que formam bastante espuma (ANDRADE, 2008).

Este procedimento é aplicado em superfícies externas de equipamentos ou ambiente, como na limpeza de caminhões isotérmicos, portas de câmaras frias e azulejos. É um método interessante por haver uma maior economia de mão de obra. Entretanto, dependendo do nível de espuma formado, faz-se necessária a utilização de agentes antiespumantes para o correto descarte do efluente gerado.

 

  • Higienização por aspersão ou nebulização

Consiste na ação de aspergir (borrifar) uma solução sanitizante no ambiente da fábrica (salas de produção e câmaras frias, por exemplo) de modo a remover os microrganismos contaminantes. Utilizam-se equipamentos que produzem uma névoa da solução sanitizante (como de quaternário de amônio ou de ácido peracético), reduzindo o número de microrganismos do ambiente à níveis toleráveis de acordo com as especificações previamente propostas.

É importante enfatizar que o responsável técnico deve sempre utilizar uniforme e equipamentos de proteção individual (EPI’s) como botas, avental, óculos de proteção, protetor auricular, luvas e máscara, de modo a evitar acidentes durante as operações de limpeza e sanitização.

 

 

Sistema de higienização CIP

O sistema de higienização CIP é aplicado em locais onde a higienização manual não pode ser realizada facilmente ou é impossível de ser feita (por exemplo, silos de estocagem de leite e tubulações, além de trocadores de calor como pasteurizadores e evaporadores).

Assim, não é necessário a desmontagem dos equipamentos, além da possibilidade de utilização de detergentes em concentrações e temperaturas mais elevadas, bem como da recuperação destas soluções de limpeza.

A sua eficácia depende da circulação sob regime de escoamento turbulento das soluções detergentes e sanitizantes no interior dos equipamentos e tubulações, da temperatura e das concentrações adequadas dos princípios ativos dessas soluções, devendo ser realizada em tempo suficiente para que se tenha a remoção completa das incrustações.

Para a realização de cada etapa de um processo de higienização CIP (Figura 2A), emprega-se uma combinação de quatro principais fatores, conhecida como Ciclo de Sinner: ação química, ação mecânica, tempo e temperatura (Figura 2B) (ANDRADE, 2008; LELIEVELD, 2003).

Figura 2.  (A) Etapas básicas de um procedimento de higienização CIP; (B) Ciclo de Sinner.

cip laticinios

 

 

Quais são os fatores do Ciclo de Sinner?

 

  •  Ação química

É a interação ou reação química entre as substâncias de limpeza (componentes das formulações dos detergentes) e as substâncias que compõem as incrustações. Está diretamente relacionada com a sequência correta de aplicação dos detergentes, a concentração dos princípios ativos, a temperatura, o tempo de contato e a ação mecânica sobre a superfície a ser higienizada.

 

  • Ação mecânica

Consiste na força aplicada à superfície a ser higienizada, juntamente à ação química das substâncias detergentes. No caso do sistema OPC, a ação mecânica se dá por fricção da superfície, através do uso de buchas e/ou escovas adequadas (geralmente de fibra ou nylon).

Já no sistema CIP a ação mecânica é devido ao escoamento turbulento (velocidade mínima de 1,5 m/s) das soluções de limpeza através das tubulações e equipamentos, impulsionado por bombas ou pela força gravitacional (no caso de silos de estocagem, por exemplo, onde utilizam-se spray balls. Neste caso, a solução de limpeza aspergida na parte superior da superfície do reservatório escoa ao longo das paredes internas, promovendo a remoção das sujidades).

 

  • Tempo

É o período de contato da solução de limpeza com a superfície a ser higienizada. Deve ser o suficiente para que ocorra a completa remoção das sujidades da superfície em uma determinada etapa do processo de higienização.

Porém, o tempo não deve ser maior do que o necessário, pois implicará em maiores custos com energia elétrica, vapor (dependendo se a etapa do processo de higienização requer aquecimento da água ou solução detergente), consumo de água, produtos químicos e volume de efluentes, além de menor produtividade da planta.

 

  • Temperatura

Relaciona-se à energia térmica necessária para a otimização das interações ou reações químicas entre as substâncias de limpeza e os componentes das incrustações, otimizando a remoção dos componentes orgânicos e inorgânicos aderidos às superfícies.

Por exemplo, na etapa alcalina de limpeza, a remoção de gordura se dá pela reação endotérmica de saponificação entre os lipídios e o composto básico (hidróxido de sódio ou carbonato de sódio) do detergente. Por isso, a necessidade da circulação do detergente alcalino geralmente a temperaturas superiores à 60 °C.

As combinações destes quatro fatores variam em cada etapa para diferentes sistemas de higienização e, em geral, se o uso de um dos fatores for restrito, esse déficit pode ser compensado pela utilização de maiores quantidades dos outros (LELIEVELD, 2003).

No sistema CIP, ao contrário do OPC, é possível a padronização do procedimento de higienização quando o processo é automatizado, de modo a otimizar a correlação entre as quatro variáveis que determinam o sucesso dos programas de higienização.

Assim, define-se a velocidade de fluxo das soluções (ação mecânica), como as concentrações das soluções detergentes e sanitizantes (ação química), temperatura utilizada e tempo para cada etapa dos processos de limpeza e sanitização.

Além disso, a central CIP possibilita o armazenamento dos dados (parâmetros referentes aos 4 fatores) relativos ao procedimento de higienização, favorecendo a verificação e padronização do processo. Por fim, para a avaliação da eficácia e eficiência de um procedimento de higienização, respectivamente, deve-se:

  • Avaliar se os resíduos e produtos químicos foram eliminados das superfícies e a população de microrganismos reduzida até atender a critérios de segurança pré-estabelecidos;
  • Avaliar os custos, ou seja, fazer a gestão estratégica relativa ao tempo de inatividade de produção, consumo de produtos químicos, de água e de energia (elétrica e vapor), além do tratamento de efluentes.

 

Entretanto, como fazer estas avaliações serão temas abordados em artigos futuros.

 

Conclusão

A higienização para a indústria de laticínios tem papel fundamental ao criar um ambiente seguro e livre de contaminações, desde a produção do leite nas fazendas e ao longo das etapas de processamento, estocagem e distribuição.

Decisivamente, contribui para a produção de lácteos de acordo com os seus respectivos Padrões de Identidade e Qualidade, além de sua relevância quanto aos aspectos tecnológicos, econômicos e comerciais.

Assim, a compreensão dos vários procedimentos de higienização na indústria de laticínios, tanto em relação à eficácia quanto ao custo, otimiza o custo-benefício, satisfazendo aos anseios dos produtores, industrializadores e consumidores.

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário, isso nos ajuda a saber que conteúdos são mais interessantes para você. Quer escrever para nós? Clique aqui e veja como!

Referências

ANDRADE, N. J. de. Higienização na Indústria de Alimentos: avaliação e controle da adesão e formação de biofilmes bacterianos. São Paulo: Varela, 2008. 400 p.

LELIEVELD, H. L. M. et al. Hygiene in food processing: principles and pratice. Cambridge: Woodhead , 2003. 370 p.

PAIVA et al. Higienização: da produção do leite à indústria de laticínios. Informe Agropecuário: Prevenção e correção de defeitos na produção de leite e derivados. Belo Horizonte/MG, v. 38, n. 299, p. 43-52, 2017.

ANA FLAVIA COELHO PACHECO

Doutoranda em Ciência e Tecnologia de Alimentos e membro do Laboratório de Inovação no Processamento de Alimentos - LIPA/DTA/UFV.

FLAVIANA COELHO

Graduanda em Engenharia de Alimentos - DTA/UFV.

FERNANDO ANTONIO RESPLANDE MAGALHAES

Professor Dr. e pesquisador do Instituto de Laticínios Cândido Tostes/EPAMIG.

BRUNO RICARDO DE CASTRO LEITE JUNIOR

Laboratório de Inovação no Processamento de Alimentos - LIPA/DTA/UFV

PAULO HENRIQUE COSTA PAIVA

Professor Dr. e Pesquisador do Instituto de Laticínios Cândido Tostes/EPAMIG.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JEAN CARLOS COELHO

VIÇOSA - MINAS GERAIS

EM 26/05/2021

Ótimo artigo, parabéns aos envolvidos!
MilkPoint AgriPoint