ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Estratégias de manejo nutricional para sistemas de leite a pasto

POR FERNANDA MARTINS

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 11/12/2020

5 MIN DE LEITURA

5
26

Atualizado em 10/12/2020

A ideia de sistemas intensivos de produção de leite geralmente está associada ao confinamento dos animais. No entanto é possível encontrar sistemas a pasto com grande retorno econômico e alta produtividade, sendo a Nova Zelândia o país referência neste modelo de produção. Mas, para que esse retorno aconteça e os animais respondam ao sistema de produção a pasto, é essencial que se busquem estratégias de manejo nutricional e de uso das pastagens.

O uso adequado das pastagens representa uma parte expressiva do sucesso. Dessa forma, é necessário atenção desde o processo de escolha da forragem até a adubação e manutenção dos pastos. Considerando uma produtividade variável das forragens, a espécie forrageira ideal não existe, visto a diversificação de clima, solo, animais e manejos das diferentes regiões brasileiras. 

É importante ressaltar a elevada capacidade de produção e manejo das pastagens tropicais. Existe a possibilidade de utilização como única fonte de forragem no verão, enquanto no inverno é possível que se realize a suplementação com outras forragens ou ainda a sobressemadura de gramíneas de clima temperado. O importante é que se tenha a conservação dessa forragem, com adubação, evitando pisoteio excessivo, para que a pastagem possa crescer com qualidade nutricional adequada.

O sucesso do sistema de produção a pasto é baseado em conforto animal, consumo do pasto, qualidade da forragem e suplementação concentrada. Diante disso, existem estratégias nutricionais para o aumento de produtividade e bom funcionamento desse sistema, visto que somente a pastagem é capaz de suprir uma produção máxima de 15 litros/animal/dia (NRC, 2001).

As forragens tropicais possuem menor densidade nutricional (NDT baixo) e um alto teor de fibra (FDN alta), além de uma capacidade de degradação menor, resultando em um maior tempo de retenção no rúmen. O conjunto desses aspectos reflete na limitação do consumo por enchimento ruminal, considerando o efeito físico. No entanto, a limitação física, nesse caso, acontece quando o capim é cortado e oferecido ao animal. Na prática do pastejo em si, o que limita o consumo é a estrutura do dossel e o tempo de pastejo, sendo o último influenciado pelo clima. Em um clima tropical, nas horas mais quentes do dia os animais buscam a sombra e deixam de pastar.

A luminosidade reflete de maneira direta sobre a produção de leite, considerando os aspectos hormonais, como o aumento de prolactina e IGF-1. Na prática, percebe-se também um aumento da ingestão de matéria seca nos dias longos, época em que se utiliza as pastagens. Esse consumo se dá principalmente ao amanhecer, em que a luminosidade aumenta, mas a temperatura não está tão elevada. Geralmente o que se vê é a realização da ordenha justamente nesse horário de pico de consumo dos animais. Dessa forma, o horário de ordenha deve ser bem planejado, permitindo o pastejo nos horários que o animal naturalmente busca o alimento, adiantando a ordenha.

Além disso, uma estratégia adotada para minimizar a limitação de consumo está relacionada à estrutura do pasto, através do manejo de altura e densidade das forragens. Dessa forma, o animal consegue apreender quantidade adequada da planta, com taxa e massa de bocado satisfatórias. 

Estudos relatam resultados positivos quando o manejo de rotação de piquetes é realizado com base na altura da forragem nos momentos de entrada e saída dos animais em comparação ao intervalo fixo de descanso dos piquetes. Isso acontece quando são consideradas características como índice de área foliar, número de folhas e intercepção luminosa, que permitem o desenvolvimento e máximo aproveitamento das pastagens (Carnevalli et al., 2006; Giacomini et al., 2009; Voltolini et al., 2010). É importante lembrar-se da divisão de lotes, assim como para vacas confinadas, animais mais produtivos tem maior exigência e, portanto, poderiam fazer o pastejo de desponta.

A qualidade da forragem está ligada à necessidade de suplementação concentrada para os animais, visto que o pasto não oferece uma dieta completa e balanceada. Dessa forma, visando a redução dos gastos com concentrado, a adubação nitrogenada se faz importante para a manutenção dos níveis de proteína bruta das plantas forrageiras (Chagas, 2011). 

De acordo com modelos de cálculos de necessidade proteica, a forragem bem manejada é satisfatória para o fornecimento de proteína metabolizável para as vacas, ressaltando-se a necessidade de avaliar o estágio da lactação e a produtividade do animal. No entanto, no campo existe uma grande resistência em reduzir a suplementação proteica e focar na utilização de ingredientes energéticos (Danes, 2013).

Para animais de alta produção em sistema a pasto, na fase inicial da lactação, o balanceamento de aminoácidos é importante para que essa proteína advinda do pasto possa realmente ser utilizada pelo animal, enfatizando a necessidade do balanço dos aminoácidos limitantes, principalmente lisina e metionina.  Assim, nos últimos anos, foram desenvolvidas pesquisas relacionadas à suplementação com metionina protegida e análogos com resultados positivos na composição do leite, aumentando a produção de proteína do leite. (Noftsger et al., 2005; St, Pierre; Silvester, 2005; Rulquin et al., 2006) 

Nesse contexto, a maior limitação para as vacas em lactação mantidas nas pastagens tropicais são os níveis energéticos, pela ingestão de energia metabolizável (Santos et al., 2005). Estudos demonstram que a utilização de gordura protegida é uma estratégia para minimizar o efeito de queda do pH ruminal após a ingestão de concentrados com elevados níveis energéticos. Isso acontece porque geralmente a suplementação de concentrado de vacas em sistemas a pasto é feito durante ou após a ordenha, sendo divididos em duas vezes.

Considerando ainda a suplementação energética, uma opção prática é que se divida o fornecimento do concentrado em três vezes, no caso de duas ordenhas. Dessa forma, o animal tem quedas de pH menos acentuadas, com melhor aproveitamento do concentrado e com manutenção da saúde ruminal.

Apesar de um aumento de estudos nessa área nos últimos anos, a nutrição em sistemas de leite a pasto é uma atividade desafiadora. O que se verifica é que na prática existem erros e acertos de manejo nutricional que direcionam decisões de técnicos e produtores. É importante que, baseado nos dados científicos, cada propriedade trace estratégias para que esse sistema possa ser economicamente rentável e que promova a maior produtividade respeitando o conforto e saúde dos animais.

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário, isso nos ajuda a saber que conteúdos são mais interessantes para você. Quer escrever para nós? Clique aqui e veja como!

Referências
https://www.journalofdairyscience.org/article/S0022-0302(12)00800-4/fulltext

https://teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11139/tde-26092011-103336/publico/Lucas_Jado_Chagas_versao_revisada.pdf

https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1516-35982010000100016&script=sci_arttext&tlng=pt

Carnevalli R.A. ;Da Silva S.C.; Bueno A.A.O.; Uebele M.C.; Bueno F.O.; Silva G.N.; Moraes J.P.

Herbage production and grazing losses in Panicum maximum cv. Mombaça under four grazing managements. Trop. Grassl. 2006; 40: 165-176

Giacomini A.A.; Da Silva S.C.; Sarmento D.O.L.; Zeferino C.V.; Souza Jr., S.J.; Trindade J.K.; Guarda V.D.; Nascimento Jr., D.

Growth of marandu palisadegrass subjected to strategies of intermittent stocking. Sci. Agric. 2009; 66: 733-741

Voltolini T.V.; Santos F.A.P.; Martinez J.C.; Imaizumi H.; Clarindo R.L.; Penati M.A.

Milk production and composition of dairy cows grazing elephant grass under two grazing intervals. Braz. J. Anim. Sci. 2010; 39: 121-127

Santos, F.A.P.; Pedroso, A.M.; Martinez, J.C.; Penatti, M.A. Utilização da suplementação com concentrados para vacas em lactação mantidas em pastagens tropicais. In: Simpósio sobre bovinocultura leiteira, 5. 2005, Piracicaba. Anais... Piracicaba: FEALQ, 2005. P. 219-294

5

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

AYLTON SILVA

ALFREDO VASCONCELOS - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 05/01/2021

Boa Tarde,
Ótimo artigo, com variantes interessantes sobre alimentação a pasto!!! Agradeço como produtor rural a divulgação e compartilhamento de tantas informações importantes para nossa profissão. Gostaria de informação sobre o fornecimento de concentrado 3 vezes ao dia, mesmo quando é feita apenas duas ordenhas!! Qual seria o melhor horário para fornecimento fora das ordenhas!!!
JOÃO LEONARDO PIRES CARVALHO FARIA

MONTES CLAROS - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 14/12/2020

O maior desafio é a dependência do clima, mesmo que com regimes estabelecidos em nossa região(inverno seco e verão chuvoso), os contratempos e adversidades sempre se superam a cada ano.
Em meus anos de experiências(poucos, confesso) uma excelente estratégia é a não dependência total das pastagens, ou seja, sempre estar com uma alternativa e reserva para complementação em épocas desafiadoras em que o planejado não sai como o real.
Suplementação com Capiaçu, silagem de milho ou sorgo, feno, polpa cítrica, etc. O ideal é na programação anual alimentar, sempre deixar um pouco há mais....mas é consolidado que as pastagens bem manejadas são ótimos volumosos, capazes de reduzir o custo alimentar e oferecer uma maior rentabilidade ào sistema de produção!
Ótimo artigo!
EQUIPE MILKPOINT

PIRACICABA - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 15/12/2020

Obrigada pela participação, João! Que tal compartilhar conosco suas estratégias e experiência como produtor de leite? Um abraço.
JOSÉ NELSON SILVINO BRITO

GARANHUNS - PERNAMBUCO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 12/12/2020

Excelente matéria, muito esclarecedora, vem contribuir muito no dia a dia do produtor de leite, parabéns à MILKPOINT.
EQUIPE MILKPOINT

PIRACICABA - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 15/12/2020

Muito obrigada, José Nelson, nossa missão é justamente levar informação útil e de qualidade até os produtores de leite e os envolvidos na cadeia. Grande abraço e obrigada por nos acompanhar!
MilkPoint AgriPoint