ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

A vaca leiteira de hoje é menos fértil do que antigamente?

POR RICARDA MARIA DOS SANTOS

JOSÉ LUIZ M.VASCONCELOS E RICARDA MARIA DOS SANTOS

EM 16/06/2021

5 MIN DE LEITURA

2
12

A vaca leiteira moderna é menos fértil do que 20, 30 e 40 anos atrás? Alguns diriam, sim.

No entanto, especialistas em reprodução como o Dr. Richard Pursley, da Universidade do Estado de Michigan, Dr. Paul Fricke e Dr. Milo Wiltbank, Universidade de Wisconsin - Madison, realizaram uma pesquisa mostrando que a fertilidade não foi perdida, mas sim o sistema de produção de leite moderno com demandas por alta produção de leite coloca a vaca moderna em desvantagem reprodutiva.

A recuperação da taxa de fertilidade nas fazendas é alcançável quando um conjunto de relações complexas entre a produção de leite, metabolização hormonal e momento da inseminação estão bem sintonizados. Na verdade, de acordo com Dr. Pursley, aumentar as taxas de concepção no primeiro serviço em 20 pontos percentuais pode aumentar $65.000,00 dólares os lucros por ano de uma fazenda de 500 vacas.

A ciência da reprodução que está em constante evolução, continuamente novas informações são descobertas, o que requer uma mudança de mentalidade e um plano de ataque na fazenda. Neste caso, os pesquisadores estimulam os produtores a repensar três conceitos para ajudar o rebanho a entrar num ciclo de alta fertilidade (Como o início da gestação no momento adequado em uma lactação pode resultar em menos problemas?).

Os quais são:

 

1. Manutenção de ECC adequado

Fim da lactação e período seco eram tradicionalmente momento para aumento do ECC em preparação para o parto, com o pensamento de que o ECC extra seria aproveitado para a produção de leite nos primeiros 30 a 60 dias da lactação.

No entanto, pesquisa feita pelo Dr. Jack Britt, e replicada por Dr. Fricke e Dr. Pursley, leva a uma mudança de paradigma de que a manutenção do ECC mais baixo ao longo da lactação e do período seco beneficia a qualidade do embrião, os resultados reprodutivos e a saúde geral das vacas. Vacas que mantiveram ou ganharam ECC após o parto tiveram maiores taxas de concepção, menor perda de gestação e eram mais saudáveis do que as vacas que perderam ECC no pós-parto.

Nos estudos, a taxa de concepção no primeiro serviço foi de 25% para vacas que perderam ECC e 62%para aquelas que mantiveram. A taxa de concepção em todos os serviços foi de 42% para as que perderam e 61% para as que mantiveram. Vacas que mantiveram ECC tiveram 7,1% de perda de gestação, enquanto ambos os grupos de vacas que ganharam e perderam ECC apresentaram 14,3% de perda de gestação.

A incidência de metrite, mastite, cetose e pneumonia foram significativamente menor nas vacas mantiveram ou ganharam ECC. Das vacas que ganharam ECC, 60% apresentaram menos um problema de saúde no pós-parto.

 

2. Combinação de programas de IATF com detecção de cio

Existe o mito de que a inseminação após cio natural leva à maior fertilidade. Na realidade, a vaca leiteira de alta produção metaboliza hormônios rapidamente, e com isso a concentração plasmática dos hormônios fica diminuída, o que altera a capacidade dela ficar gestante e manter a gestação.

De 15 a 20% das vacas ovulam, mas não mostram sinais de cio; outras podem aceitar monta por uma ou duas horas. Estradiol está sendo produzido, mas a concentração plasmática não é suficiente para desencadear no hipotálamo o comportamento de cio.

A introdução de programas de fertilidade, como os protocolos de IATF, trouxeram tecnologia para ajustar as concentrações hormonais da vaca de alta produção para que ela expresse o comportamento de cio e fique gestante.

Vinte anos atrás, a taxa de prenhez média em 21 dias dos rebanhos leiteiros dos EUA estava em 14%. A maioria dos rebanhos mal conseguia atingir a meta de 20% e raramente ultrapassava os 40%. O início dos programas de fertilidade como Double-Ovsynch ou G6G usados para IATF aumentou tanto as taxas de serviço, quanto prenhez/IA. A média da taxa de prenhez em 21 dias atual nos EUA é acima de 20%. Mais de 60% dos rebanhos da raça holandesa com dados registrados no Dairy Records Management Systems, excedem 50% das taxas de concepção, graças à sincronização da ovulação e aos programas de fertilidade.

Não há dúvida de que programas mais complexos que requerem múltiplos tratamentos ao longo de vários dias pode apresentar questões em relação a mão de obra, custo, gerenciamento do protocolo e documentação extra. Mas existem muitos programas de fertilidade para atender a uma variedade de necessidades e circunstâncias.

Dispositivos de detecção de cio como marcadores de cauda devem ser incluídos como parte de um sistema completo de manejo reprodutivo.

Dr. Fricke aconselha estabelecer e manter uma regra dura sobre o número de vezes que cada vaca do rebanho vai ser inseminada durante a lactação, e depois de atingir esse número a vaca deve parar de receber inseminação e ser marcada para o descarte ao final da lactação.

 

3. Redução do número de partos gemelares

Um segundo mito é que os programas de IATF são culpados por um aumento dos partos gemelares. Mas na verdade a vaca de alta produção, geralmente produzindo de 40 a 45 kg de leite por dia, terá naturalmente uma baixa concentração plasmática de progesterona, assim como uma vaca mais velha.

Devida a baixa concentração de progesterona, um segundo folículo muitas vezes amadurece, resultando em dupla ovulação e fertilização, e consequentemente uma gestação gemelar.

Manipulação hormonal das vacas para aumentar a progesterona durante o desenvolvimento do folículo ovulatório resulta em menor incidência de ovulações duplas. O programa Double Ovsynch presincroniza as vacas para maximizar a concentração de progesterona enquanto o folículo ovulatório cresce, diminuindo as taxas de ovulação dupla e subsequente de gestação gemelar.

Toda fazenda deve se esforçar para conseguir fazer a vaca ficar gestante o mais rápido possível após o período de espera voluntária. Conseguir e manter vacas em um ciclo de alta fertilidade é possível.

Vacas que mantêm ou ganham ECC após o parto têm maior fertilidade do que as vacas que perdem ECC, essa é uma mudança de paradigma vale a pena ser considerada. Um aumento no desempenho reprodutivo e uma redução dos partos gemelares é alcançável usando programas de fertilidade. Gerenciados corretamente, os objetivos do manejo reprodutivo podem ser alcançados e os resultados multiplicados com o tempo.

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário, isso nos ajuda a saber que conteúdos são mais interessantes para você. Quer escrever para nós? Clique aqui e veja como. 

Referências

Este texto é parte do artigo: Boost herd fertility with high fertility cycle practices, de Bev Berens para a revista Progressive Dairy, publicado em 08 dezembro de 2020.

RICARDA MARIA DOS SANTOS

Professora da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Federal de Uberlândia.
Médica veterinária formada pela FMVZ-UNESP de Botucatu em 1995, com doutorado em Medicina Veterinária pela FCAV-UNESP de Jaboticabal em 2005.

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

RICARDA MARIA DOS SANTOS

UBERLÂNDIA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 21/06/2021

Obrigada pela participação DIETER ROESE!
Realmente esses conceitos são muito interessantes! Condenamos a vacas, mas na maioria das vezes pecamos no manejo!!!!
A melhor pessoa para responder essa sua duvida eh o técnico que vai definir a dieta das suas vacas!
Boa sorte nas suas novas instalações!!!!
DIETER ROESE

SALVADOR DO SUL - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 21/06/2021

Achei interessantíssima a matéria, principalmente sobre a manutenção do ECC e o aumento da taxa de fertilidade. Estamos fazendo instalações novas, free stal com ordenha robotizada, e me foi sugerido colocar um silo extra de ração, que abastece o robô, para vacas em início de lactação com racao exclusiva para elas. O que vc acha Ricarda? Abraço
MilkPoint AgriPoint