FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Prolapso uterino

POR RENATA DE OLIVEIRA SOUZA DIAS

PRODUÇÃO

EM 11/04/2003

6
1
O prolapso uterino é um episódio que causa muita preocupação com os procedimentos para sua redução. O prolapso ocorre quando parte do trato reprodutivo é projetado pela vagina, geralmente acontecendo após o parto. Os fatores que predispõem esta ocorrência são partos onde ocorrem contrações excessivas (distócicos e gemelares), hipocalcemia, retenção de placenta e infecção uterina. O evento apresenta maior prevalência em vacas pluríparas e com relaxamento excessivo dos ligamentos pélvicos. Com base na variedade dos fatores causais, pode se imaginar como é difícil atuar na prevenção do problema.

O prolapso uterino requer um tratamento de urgência e os casos não tratados costumam ser fatais. Muitas vezes, mesmo com a presença do Veterinário, a perda do animal pode ocorrer devido à ruptura da artéria mediana do útero. Este vaso, que pode apresentar a espessura do dedo polegar, é a principal via de irrigação do útero durante a gestação. Nos casos de ruptura, não há uma maneira efetiva de controlar a hemorragia.

A redução do prolapso é um verdadeiro desafio! Esta manobra requer muita força, pois o útero deve ser erguido acima da vulva para que a gravidade possa ser uma auxiliar no procedimento e não um empecilho. Um útero edemaciado pode pesar mais de 50 Kg.

O útero evertido é semelhante a uma mala virada do avesso. A superfície que é observada no útero prolapsado é, na realidade, a face interna do útero que envolve o feto durante a gestação (o endométrio). É através desta superfície que o feto recebe os nutrientes durante a gestação. A placenta é conectada à parede do útero por estruturas chamadas carúnculas. Estas carúnculas podem ser de vários tamanhos, algumas têm até 10 cm. Tais estruturas são responsáveis pela chegada do sangue materno até a placenta. Na placenta existem os cotilédones, projeções que se conectam às carúnculas.

O inchaço e aumento de volume do útero ocorrem rapidamente após o prolapso. Sem dúvida, este aumento de volume do útero é um dos principais empecilhos para o retorno à posição anatomotopográfica. O edema ocorre devido ao grande fluxo e pressão da chegada de sangue na região e ao lento e difícil retorno sanguíneo devido à ocorrência do trauma.

No intuito de prevenir uma maior distensão do útero e também para aliviar a dor do animal, deve ser feita uma anestesia peridural. A anestesia peridural facilita a manobra, inibindo contrações e a defecação durante a operação. Esta anestesia é um procedimento com baixo custo, prático e eficiente, no qual o anestésico local é aplicado no espaço peridural entre a última vértebra sacral (S5) e a primeira coccígea (Co1) ou entre a primeira e segunda coccígea (Co1-Co2). Atenção especial deve ser dada à assepsia no local da aplicação. A penetração do canal pela agulha é seguida por uma pequena sucção devido à pressão subatmosférica ali existente. O anestésico utilizado é a Lidocaína 2%, 1mL/100kg.

Antes de iniciar a redução do prolapso, o útero deve ser lavado com bastante água corrente e uma solução diluída de polivinil-pirrolidona de iodo (PVPI). Os restos de placenta e corpos estranhos devem ser retirados neste momento. Para auxiliar o retorno do órgão à sua posição, pode ser utilizado um lubrificante obstétrico. Na redução propriamente dita, o útero deve ser erguido e mantido acima da vulva do animal; inicia-se, então, uma pressão suave, firme e constante da porção mais próxima à vulva. Deve-se evitar manobras bruscas que possam perfurar ou rasgar a parede do útero. Após uma parte do órgão ser empurrada, a gravidade ajudará a levar o restante do útero para seu local.

Depois de colocado em sua posição anatômica, deve-se certificar que o útero não contém dobras ou torções. É importante colocar um antibiótico no lúmen do útero para prevenir futuras infecções devido às contaminações ocorridas durante a manipulação.

Deve-se ainda, suturar a vulva com uma técnica recomendada para este procedimento, tais como a Técnica de Buhner, Técnica de Flessa e a Sutura de Tensão. Esta é uma medida importante para evitar que o ar seja sugado para dentro e para fora do útero, causando um esforço e um desconforto adicional ao animal. No momento da sutura, recomenda-se deixar livre uma área na vulva, suficiente para escoar a urina. A aplicação de Oxitocina e a soroterapia com Cálcio são importantes para manter o tônus muscular e auxiliam a conservação do útero na posição correta. A antibióticoterapia parenteral deve ser utilizada para prevenir infecções.

A prevenção do prolapso uterino está associada com as medidas de controle da hipocalcemia. Deve-se ainda, evitar animais com excesso de peso no momento do parto. Regiões com o trevo estrogênico nas pastagens apresentam um risco sempre maior de prolapsos, mesmo nos animais que não estão em gestação.

Fonte: Hoard's Daryman, julho de 2002.

RENATA DE OLIVEIRA SOUZA DIAS

6

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

SENIR

EM 02/05/2019

Bom dia...

Fazendo um procedimento bem feito pra resolver o problema, a vaca poderá ser mantida para próximos partos ou é melhor descarta la?
ELEONORA DE OLIVEIRA

EM 07/05/2018

Bom dia!
O que fazer quando a vaca está com prolapso?
Existe tratamento? Qual a melhor forma de fazer o mesmo?
MARINA CRISTINA STRUMSKYZ

GUARAREMA - SÃO PAULO - ESTUDANTE

EM 12/03/2018

Dra. Renata, presenciei a morte de uma vaca porque o útero dela saiu logo após o parto e não teve assistência imediata ela morreu perdendo sangue pelo corte na carótida e a bezerra está bem, teria tratamento para ela? Não precisaria ter sacrificado ainda por pessoas inexperientes moro em Guararema SP fiquei horrorizada me esclareça obrigada.
MARIA GORETTI BROLEZI

SOCORRO - SÃO PAULO

EM 06/05/2016

Olá,  minha vaca está com esse problema. Na primeira gestação  ela colocou o útero  p fora, foi costurado e o veterinário di§e que  tinha apenas 25% de chance de acontecer novamente. Mas infelizmente  no 4 mês da segunda gestação  ela colocou a vulva p fora, foi dado ponto, e agora tem que ficar atenta para cortar o ponto na hora do parto...gostaria  de  saber  se tem cura, ou se......não  quero nem pensar. Desde já agradeço  pela  atenção
BOIADERA

PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

EM 23/01/2013

minha vaquinha limusine deu á luz em Portugal mas vai daí ela se descontrolou e o útero saiu.....a gente já coseu a vulva mas ela não levanta mais do chão já faz 2 semanas, num tem força nas patas da frente,tou morrendo de desgosto vendo ela assim...
ALEXANDRE CARVALHO RIBEIRO

OUTRO - MINAS GERAIS - EMPRESÁRIO

EM 21/09/2005

Cara Renata,



Sou médico veterinário, atendo nas região de Muzambinho MG, próximo a Alfenas.

Estou com um problema cirúrgico (não se trata de prolapso uterino), mas sim um caso de câimbra em bovinos. Estou encontrado dificuldade em buscar orientação para o assunto. Se possível gostaria que me indicasse algum profissional que me desse orientação sobre a cirurgia ou alguma literatura a respeito

.

Desde já agradeço a atenção.



<b> Resposta do autor:</b>



Prezado Alexandre,



Para poder opinar gostaria de saber maiores detalhes sobre os sintomas do problema que vc está diagnosticando. Por exemplo, ocorre durante o parto, após o parto, é como uma paralisia? Desde já estou enviando uma sugestão de literatura sobre partos:



Youngquist, R.S. Parturition and Dystocia. In: Current Therapy in Large Animal Theriogenology. W.B. Saunders Company, 1997. Cap. 40, p.309.



Parturition and Postpartum Recovery. In: Reproductive Processes. Cap.9, p.117.



Atenciosamente,



Renata Souza Dias