FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Freestall ou Compost Barn: e agora?

POR HAYLA FERNANDES

PRODUÇÃO

EM 05/06/2020

6 MIN DE LEITURA

20
83

Em 100% das palestras, cursos e visitas me fazem essa pergunta. Estou quase acreditando que os produtores querem alguém para por a culpa se tiverem problemas (risos).

Hoje gostaria de deixar alguns pontos claros para que você, produtor, tenha mais informações e assim tome a melhor decisão para a sua fazenda. Vou partir do pressuposto que todos sabem basicamente o que é um Free stall e um Compost barn, ok?

Padrão do gado

Se o seu gado não tem padrão você pode ter problemas se optar pelo Free stall. Por quê? Porque no Free stall as vacas tem camas individuais e se estas forem projetadas para um determinado tipo de gado vai ter vaca ou novilha atravessada na cama, estercando na cama, sentada na cama, presa na cama... Enfim, você vai ver cenas "tragicômicas" dos animais tentando se acomodar em camas pequenas demais ou grandes demais. Avaliar bem o seu gado vai evitar que você erre nessas dimensões e depois perca animais por acidentes, ou perca o valioso tempo de descanso com vacas que não deitam. No Compost, por ser uma cama única, não tem esse problema. Nele, o gado de qualquer tamanho deita como achar melhor. 1 a 0 para o Compost.

Sanidade

Quando falamos de sanidade, neste caso, estamos falando basicamente de mastite, ok? Se compararmos os dois sistemas veremos que no Free stall (pensando em camas de areia) há uma maior segurança do ponto de vista microbiológico. Por quê? Porque a areia não é um material que as bactérias gostam e se desenvolvem bem, então, sempre vai ser o material mais seguro, além de mais confortável para nossas amadas vacas. A cama do Compost já é uma cama orgânica (geralmente maravalha, casca de café, amendoim, arroz, etc.) e esse material é “solo fértil” para as bactérias. No caso do Compost precisamos ter muito cuidado com a umidade da cama, pois, se estiver alta, vai ser um risco grande para as vacas (bactéria não anda, bactéria nada! Você nunca mais se esquecer disso). Qual a medida? Aspecto da cama (se tem torrões, se está compactada, se tem cor uniforme, etc.) e umidade (pegue uma porção na mão e aperte fazendo um bolinho, se esse bolinho se desfizer ao sacudir a mão ok, se continuou agregado ou virou uma pasta é sinal que sua cama está úmida! Hora de repor e ligar os ventiladores o máximo possível). Quando você deve ficar preocupado no Compost? Quando as vacas estão aparecendo sujas, isso é sinal de risco eminente para mastite. Placar: 1 a 1.

Manejo de cama

Os dois sistemas vão exigir manejo da cama. No caso do Compost usa-se o escarificador duas vezes ao dia e no caso do Freestall a arrumação da cama é manual com enxada e reposição da areia. Um ponto muito importante dos dois sistemas comparados é que no Compost você deve se alertar com a umidade principalmente, enquanto no Freestall você deve se preocupar com o preenchimento da cama. Quando falamos de preenchimento da cama de areia é o seguinte: a areia deve estar enchendo todo o retângulo da cama e deve estar lisa. Cama com buraco é dura, as vacas não deitam e ficam mais tempo em pé. Mais tempo em pé significa menos leite no tanque. Ponto. Eu sei que dá dó de ver elas entrando na cama e jogado areia pra trás, sujando o corredor, mas são os ossos do ofício. Faz parte do sistema! Já no Compost, é preciso repor a cama até mensalmente, dependendo do clima, lotação e produção do gado, além do revolvimento duas vezes ao dia. Placar: 2 a 2, segue equilibrado!

Conforto

A cama de areia é mais fria porque o material retém menos calor e não está fermentando, portanto a cama do Freestall tende a ser mais fria do que a cama de Compost. A maravalha (ou qualquer outro material), além de reter mais calor, está em fermentação. Mesmo que os ventiladores mantenham a superfície com temperatura ambiente, quando a vaca se deita, com certeza é uma cama um pouco mais quente do que uma de areia. Porém conforto não é apenas controle de estresse térmico! Não mesmo! Conforto também se relaciona com a facilidade delas deitarem, posição que deitam, etc. No Compost, a liberdade é maior, sem dúvida, pois podem deitar em qualquer posição, sem nenhum limitador, sem precisarem de treinamento. 3 a 3, haaaaaja coração!

Casco

O Free stall vai expor as vacas o tempo todo a estarem de pé no concreto, se não estiverem sobre a cama. Então, se você produtor optar por construir um Free stall é importante que viabilize uma maneira de ter um escore de locomoção ou algum monitoramento preventivo para casco, pois o desgaste pode ser grande. Ligue o alerta quando começar a ver vacas: deitando pouco, com jarretes desgastados ou machucados, vacas sujas e obviamente vacas mancando ou com a coluna arqueada (sinal que em breve vai começar a mancar). Por quê? Porque é sinal que a cama não está confortável e elas não estão gastando tempo na cama. Se elas não estão na cama, estarão no concreto. Se o concreto estiver sujo, então... aí o circo está armado para infecções! Já no Compost, o material da cama é mais macio,  sendo uma vantagem para os cascos que tendem a não ter tantas lesões traumáticas. Fique ligado no casqueamento preventivo de todo jeito! Sempre! 4 a 3 para o Compost, e vaaaaamos para os minutos de acréscimo.

Área de construção

Sem dúvida a área de construção do Free stall é menor pois a construção é mais compacta e permite alojar mais animais por metro quadrado. Golaço! 4 a 4.

Manejo de dejetos

O Free stall com cama de areia vai exigir de você um manejo específico para o dejeto que sai do barracão pois não vai poder jogar em alguma área de lavoura com areia misturada, então é importante pensar num sistema de lavagem desse dejeto com areia. Talvez você se assuste com o preço inicial da instalação mas vai permitir o reaproveitamento da areia e economia de adubo com o uso do esterco. No Compost, esse ponto é mais simples pois a produção de dejetos que vão para o tratamento é cerca de 30% do total produzido e não há mistura de material que não possa ser jogado em áreas de agricultura. Inclusive, em períodos que a cama estiver extremamente seca, você pode raspar o corredor de alimentação e jogar de volta na cama. Obviamente tenha cuidado ao fazer isso.

Conclusão, meus caros amigos: brinquei aqui com um placar mas não é assim! Os dois modelos de construção são excelentes! Os dois exigem capacitação das pessoas que estão diariamente manejando os sistemas. Os dois terão seus desafios. Lembre-se de que, quando você opta por confinar as vacas, está dando condições para que elas comam melhor, descansem mais e consegue dominar um pouco mais o fator ambiente, mas você vai continuar trabalhando com toda a vulnerabilidade da produção de leite que inclui a vaca propriamente dita, as pessoas, as bactérias do ambiente, os processos mal implementados, etc. 

Lembre-se: se seus processos estiverem ruins, você pode construir um palácio para as vacas que sua fazenda vai continuar patinando!

Não esqueça de deixar de curtir esse artigo, se ele agregou para você e deixe seu comentário aí embaixo! Vou ficar muito feliz de saber da sua opinião! O próximo artigo será sobre sala de resfriamento. Porque fazer? Como fazer? Vale a pena? Até lá!

Leia também: Está na hora de construir um barracão?

Participe também do nosso grupo no Telegram, para receber as notícias mais importantes do setor diariamente. Acesse aqui > https://t.me/milkpointexperts

HAYLA FERNANDES

Médica veterinária pela UFG e mestre em sustentabilidade e pecuária. Atua principalmente com conforto animal e período de transição de vacas leiteiras. Proprietária do perfil @vaca_feliz_oficial no Instagram.

20

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

AFONSO VOLTAN

JALES - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 19/06/2020

Parabéns, muito bom o artigo. Escrito com muito bom humor e ótimo para quem precisa optar por um dos sistemas.
LUIZ HENRIQUE DE MELLO SANTOS

SANTA BÁRBARA DO SUL - RIO GRANDE DO SUL - ESTUDANTE

EM 16/06/2020

Ótimo conteúdo, parabéns!
LUIZ ANTÔNIO

SÃO JOÃO BATISTA DO GLÓRIA - MINAS GERAIS

EM 08/06/2020

Muito bem elaborada a postagem, com bom humor e comentário técnico bem esclarecedor.
Pra estes momentos então, o artigo é de extremo interesse pra muitos produtores que pensam em ter ou já têm Freestall ou Compost Barn!
Parabéns Hayla!
LUIZ CARLOS TELLES JUNIOR

SÃO BERNARDO DO CAMPO - SÃO PAULO

EM 08/06/2020

Parabéns Hayla pelo artigo publicado.
Linguagem clara, esclarecedora e com uma pitada de humor.
Excelente!!!
ZEID SAB

SILVEIRAS - SÃO PAULO

EM 08/06/2020

PARABÉNS, GOSTEI DO ARTIGO, POREM DEIXOU DE COMENTAR SOBRE OS CUSTOS COM TRATOR, ENERGIA DO COMPOST, QUE SÃO MUITO ALTOS, MAS FOI MUITO ESCLARECEDOR NOS PONTOS DE PROBLEMAS DOS DOIS SISTEMAS E CUSTO DE IMPLANTAÇÃO DOS DOIS. ÚNICA RESSALVA É QUE NO FREE STALL É MAIS FÁCIL O MANEJO PARA OS FUNCIONÁRIOS, ELE NÃO TEM SURPRESAS COMO A UMIDADE DA CAMA QUE PREJUDICA DEMAIS OS CASCOS.
HAYLA FERNANDES

GOIÂNIA - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 08/06/2020

Olá Zeid. Com certeza os custos com trator e energia são consideráveis. Em relação a energia os inversores são uma boa opção tanto para o Compost quanto para o Freestall e também para a sala de resfriamento. Alguns ventiladores já estão vindo com inversor integrado mas é possível adiquiri-los a parte.
Sobre a cama, com certeza é preciso algum tempo para aprender a maneja-la e controlar bem a umidade em tempos de chuva e seca.
Abraço
JESSICA A. SILVA

EM 08/06/2020

Parabéns pelo artigo!!! Excelente!
KAROLLINA MORAES BERNARDES

RIO VERDE - GOIÁS - REVENDA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS

EM 08/06/2020

Parabénssssssss!!!!!
LEANDRO FACO PADOVANI

CASTELO - ESPÍRITO SANTO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 08/06/2020

Bom dia a todos, aqui. Em nossa propriedade fizemos um sistema misto entre pastejo rotacionado e Freestall, onde as vacas recebem uma parte da dieta no cocho pela manhã com volumoso e concentrado, passam o dia no Freestall e após a ordenha da tarde vão para o pasto, nossa estrutura e simples, os becos são feito com madeiras roliças, e a cama e de palha de café pois e abundante aqui na região e não tenho problema com a areia. Estou muito satisfeito com o resultado.
HAYLA FERNANDES

GOIÂNIA - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 08/06/2020

Olá Leandro, interessante a opção de vocês. Já pensaram em pastejo noturno? Se puder me mande mensagem pelo Instagram Vaca feliz me contando dessa experiencia.
Grande abraço!
JOÃO LEONARDO PIRES CARVALHO FARIA

MONTES CLAROS - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 05/06/2020

Outro ponto importantíssimo que devemos pensar é a questão dos custos por vaca alojada.
Mas o artigo é simples e de fácil entedimento!
Excelente!
HAYLA FERNANDES

GOIÂNIA - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 08/06/2020

Com certeza João. Optei por não entrar em custos pois ia estender muito e talvez não conseguiria abordar as diferenças de custos de região para região, mas pelo jeito é um bom tema pra fazer um artigo dedicado a isso! Muito obrigada pelo reconhecimento.
Grande abraço
JOEDSON SILVA SCHERRER

CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM - ESPÍRITO SANTO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 05/06/2020

Parabéns mais uma vez. Artigo bastante interessante.
Na nossa região o substrato após compostado (Compost Barn) tem sido incluído como fonte de renda nas propriedades, uma vez que há uma grande procura por este material Adubação em Culturas da Banana, Abacaxi e em menor escala para o Cultivo da Uva.
HAYLA FERNANDES

GOIÂNIA - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 05/06/2020

Caros leitores, optei por não discorrer sobre custos de construção e implementos nesse artigo mas se quiserem muito saber por favor comentei aqui ou peçam pelo Vaca feliz que providencio um artigo específico! Obrigada e boa leitura a todos!
CIDO JOSÉ

SÃO BERNARDO DO CAMPO - SÃO PAULO

EM 05/06/2020

Excelente artigo e bem esclarecidor...
Parabéns
E que venha mais e mais informações sobre o conforto ao gado leiteiro...
ROBERTO JANK JR.

DESCALVADO - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 05/06/2020

Ótimas observações novamente Hayla, parabéns.
Tem um detalhe importante, que é o preço do substrato. tem locais que a areia é muito cara e outros onde a maravalha é quase impraticável. Esse detalhe pode ajudar no processo decisório porque o custo do substrato é relevante no operacional.
HAYLA FERNANDES

GOIÂNIA - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 05/06/2020

Obrigada e bem observado.
Na verdade optei por não entrar em alguns custos que variam de região para região como material de cama e até a construção em si pois o artigo é curto, mas com certeza é super importante esse ponto.
ELENICE APARECIDA TELLES MERCADO

SÃO BERNARDO DO CAMPO - SÃO PAULO

EM 05/06/2020

Parabéns!!! Suas publicações são sempre esclarecedoras!
MARTINHO MELLO DE OLIVEIRA

PARANAÍBA - MATO GROSSO DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 05/06/2020

Parabéns Hayla pelo artigo, porém no meu caso prefiro o regime de pasto com suplementação na hora da ordenha. Free stall e compost são muito bons para produtores que estão mais técnificados, lembrando que os custos são superiores.
HAYLA FERNANDES

GOIÂNIA - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 05/06/2020

Realmente o desembolso de ambas as construções são bem significativos, mas o retorno se tudo for operado corretamente também é interessante. O que vale é o plano para a sua fazenda, a sua realidade.
Grande abraço