FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Compost Barn, o que ninguém te conta antes de construir - Parte 2

POR HAYLA FERNANDES

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 22/05/2020

6 MIN DE LEITURA

39
55

Quem construiu o barracão para nunca mais ver uma vaca "batendo"? Quem construiu um Compost Barn pensando que seria inverno o ano todo? E quem construiu achando que as vacas iam voar e você ia precisar comprar outro tanque, fazer leilão todo ano, etc? Pois bem... pegue a senha e vá pro fim da fila senhor (a).

Infelizmente estamos sempre em busca de algo. Aquele algo que vai resolver todos os nossos problemas, aquilo que vai superar todas as nossas expectativas e vai enfim nos fazer chegar a terra prometida, Canaã. Com o Compost Barn não seria diferente. Vou sempre a fazendas que, apesar de terem construído, não se atentaram a algumas questões da construção e manejo cruciais para que o resultado do barracão seja realmente bom.

Quais os principais pontos que você não pode errar? Você vai ver que fazer um projeto com um consultor específico será um dos melhores investimentos.

Orientação do barracão

A orientação do barracão deve ser Leste-Oeste, para que o sol passe por cima e você tenha a maior área de sombra possível pelo maior tempo possível abaixo da cobertura. Se fizer Norte-Sul você vai perder eficiência pois haverá sol dentro do barracão mais tempo. É possível trabalhar? Sim, mas se prepare para deixar uma metragem maior de cama por vaca pois elas vão evitar áreas de sol.

Barracão sem beiral

Economia que não vale a pena definitivamente. O beiral vai proteger a cama da chuva que, caso molhe, irá expor suas vacas a risco de mastite sem necessidade alguma. Lembre-se que mesmo que sua fazenda seja numa região como o Centro-Oeste, que não chove em boa parte do ano, o resto dos meses chove e seu risco será sempre iminente. Faça a conta de quanto pode te custar um surto de mastite e, seja honesto nessa conta, medicamento, descarte do leite, queda significativa na produção (que adeus, nunca mais volta), CCS e até perda de animais. “Ah! E se eu não fizer o beiral na pista de trato”. Vai molhar a comida. Pois bem, esse é o maior custo da fazenda e eu não gostaria de perder nada da comida feita com tanto trabalho.

Bebedouro ineficiente

Leite é liquido, pelo menos até 2020 ainda é. Então temos que hidratar nossas vacas. Elas perdem uma quantidade enorme de líquido a cada ordenha e precisam repor isso. Seu barracão pode ser lindo, mas deixar poucos bebedouros ou deixá-los sujos interfere diretamente na ingestão de água dos animais. Se elas bebem menos água elas põem menos leite no tanque, é a lei da causa e efeito. Sabe por quê? Porque a natureza é sábia! A vaca sempre vai (fisiologicamente) pensar nela primeiro antes de produzir leite para o bezerro. Um ponto importante é que haja um bebedouro na saída da ordenha para aproveitarmos o estimulo fisiológico de sede que vem no momento da retirada do leite. Deixe um cocho com largura de 0,80m por animal e multiplique pelo número de conjuntos, ou seja se saem 6 vacas por vez deixe espaço para as 6 beberem água sem disputa ao mesmo tempo. Sempre dê o maior número de chances para que as vacas bebam água. Saiba que água entra em praticamente TODAS as funções fisiológicas (imunidade, termorregulação, digestão, etc.) ou seja “Vaca que bebe menos água passa mais calor”. Estamos entendidos?

Falta de sala de resfriamento/Uso errado

Esse é um atalho muito popular, mas péssimo! A turma constrói um barracão de revista mas esquece da sala de resfriamento. É o seguinte: Pense no aquecimento dos animais como um carro acelerando na pista. A sala de resfriamento vai frear bruscamente esse carro e apenas ela tem esse poder!

Se as vacas não forem para a sala de resfriamento e ficarem os 40 min resfriando, elas entram em estresse térmico (temperatura acima de 39.1°C) e demoram muito a sair de lá. O banho é a maneira mais efetiva de tirá-las do estresse. O que vai mantê-las abaixo dessa linha de estresse? As condições climáticas a que elas se expõem logo após o banho, ou seja a temperatura ambiente (em dias mais quentes o efeito do resfriamento vai durar menos), se os ventiladores estão ligados, umidade mais baixa, etc.

Você pode usar aditivos alimentares com comprovação cientifica que ajudam bastante a ficarem menos tempo em estresse térmico também. Agora calma, não quer dizer que você precisa ficar com um termômetro 24 horas monitorando os animais. Já sabemos que as vacas esquentam em determinados horários, com algumas variações.

Que horários são esses? Elas começam a acelerar pela manhã, após a primeira ordenha e entram em estresse térmico por volta do meio dia e vão assim até o final da tarde, quando, teoricamente, elas deveriam tomar um segundo banho. Após essa ordenha do final do dia elas começam a esquentar de novo e tendem a passar a noite em estresse. Lembre-se que a cama do composto não é tão fria quanto a areia do Freestall e que ela fermenta, além de que, durante a noite, a construção está irradiando calor.  Mas calma! Não precisa se desesperar. Considere então que os ventiladores devem ficar ligados durante a noite e também e, se possível, dar um banho extra por volta das 22:00h. Obviamente banhos extras devem caber no seu manejo, mas sabendo da importância com certeza fica mais fácil de encaixar. Note no gráfico o efeito do resfriamento no momento da ordenha.

compost barn resfriamento vacas de leite

Ventiladores inadequados

Ventilador de frango nem pensar, ok? Sou categórica em relação a isso e a economia não vale a pena. Um ponto importantíssimo antes de comprar um ventilador é ir conhecer um projeto em que já estejam instalados e verificar o funcionamento deles. Por quê? Porque a velocidade de vento que precisamos é de 2 m/s na cama e 3 m/s na sala de resfriamento. Nesse quesito muito se promete, mas pouco se entrega. Cuidado com marcas que prometem entregar essa velocidade de vento a uma distância muito grande uns dos outros (20m por exemplo), pois pode ser uma tática comercial para baratear o projeto total. Minha dica: procure equipamento específico para vacas e vá visitar fazendas para vê-los em funcionamento! Temos excelentes equipamentos tanto nacionais quanto importados.

Ventiladores desligados (inversores?) 

Comprar ventilador e não ligar é uma triste realidade em muitas fazendas. Sabemos do custo e da crise no fornecimento de energia, especialmente em alguns estados. Vamos às recomendações e depois às alternativas.

O certo é ventilação ligada 24 horas. Pensando na cama, nas vacas e na qualidade do ar. Ponto. Negociação possível: Fazer grupos de ventiladores ou instalar inversores nos ventiladores. Os grupos podem ser "uma linha sim e uma não" que se alternam em alguns períodos do dia, onde a energia é mais cara por exemplo. Os inversores têm se mostrado como uma excelente alternativa para manter a ventilação e usar menos energia, isso tudo pode ser programado no painel para que seja totalmente automático com custos bem razoáveis. Os inversores podem vir integrados aos ventiladores ou serem comprados a parte.

Aspersão na linha de cocho

Como falei acima, pense no aquecimento das vacas como um carro acelerando na pista. A sala de resfriamento funciona como um freio brusco, já o resfriamento da linha de cocho é um freio mais brando. É efetivo, dá resultado, mas não tão palpável como a sala de resfriamento e, lembre-se, vai precisar de um bom manejo de dejetos.

Não preparar as pessoas para manejarem o sistema

Erro básico da atividade leiteira como um todo. Cuidamos e discutimos minúcias de dietas, detalhes de construção, fisiologia, etc. Mas esquecemos de quem opera toda nossa engrenagem. Esquecemos que quando a fazenda opta por construir vai mudar uma série de manejos e para que tudo isso funcione você vai precisar treinar, conversar, treinar de novo, acompanhar, conversar de novo... Enfim o trabalho com pessoas é repetitivo e exige paciência, mas é o que vai fazer sua fazenda voar, é o que vai fazer com que a engrenagem rode.

Concluo aqui, esperando de coração que essas dicas sejam valiosas e que possam minimizar os erros de quem está com a melhor das intenções mas precisa de orientação para realmente chegar lá. Comentem e repliquem.

A próxima publicação vai ser um comparativo de Freestall X Composto. Até lá!

Leia também a parte 1: Compost Barn, o que ninguém te conta antes de construir - Parte 1

HAYLA FERNANDES

Médica veterinária pela UFG e mestre em sustentabilidade e pecuária. Atua principalmente com conforto animal e período de transição de vacas leiteiras. Proprietária do perfil @vaca_feliz_oficial no Instagram.

39

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

RENATO BARROSO

ABAETÉ - MINAS GERAIS

EM 22/10/2020

Parabéns pelo artigo, vc acha que daria certo um compost Barn para criação de bezerros em baias coletivas, tipo 10 animais por baias, vi algo assim na Nova Zelândia.
HAYLA FERNANDES

GOIÂNIA - GOIÁS - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 22/10/2020

Olá Renato! Acredito sim e aqui no Brasil algumas fazendas já estão fechando suas recrias. Muitas outras fazendas devem começar a ir para esse lado.
Creio que tudo depende de como está indo a sua recria, se o gado aguenta estar fora ou necessariamente precisa ser fechado. Outro lado também é que muitas fazendas não melhoram o manejo e esperam que a estrutura vá solucionar 100% dos problemas.
Outro ponto é a viablidade econômica disso. Te recomendo uma consultoria especifica nesse assunto para não investir nenhum real sem antes ter todo o cenário desenhado.
Forte abraço
OAKIS JOSE

LEOPOLDINA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 31/07/2020

vc teria fotos de um barracão feito de forma mais simples possível
HAYLA FERNANDES

GOIÂNIA - GOIÁS - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 23/10/2020

Olá Oakis... a construção mais simples que conheço é em madeira ou utilizando ferragem de aproveitamento de construção. Se bem feito e respeitando as medidas pode ser uma ideia.
Abraço
LATICINIOS REZENDE LTDA

MONTANHA - ESPÍRITO SANTO - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA LATICÍNIOS

EM 13/07/2020

Bom dia!
É possível fazer um Composto sem a área cimentada para alimentação?
A ideia é não ter a pista.
HAYLA FERNANDES

GOIÂNIA - GOIÁS - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 15/07/2020

Olá
Olha, particularmente acho muito arriscado. Acompanhei fazendas que optaram por não construir e o manejo da cama tinha que ser muito mais intenso e o risco de mastite era muito maior. Sei que a economia pode ser atraente, mas nesse caso não aconselho.
Abraço
AMILTON SOARES

EM 09/07/2020

Faz 3 anos que estou em busca de informações sobre compost barn. Visitei várias propriedades, umas recem inauguradas e outras a mais tempo trabalhando nesse sistema. Concerteza ainda vão ter muitas dúvidas e erros tbm. Estou em busca de acertar mais do que errar. Não vai ser fácil. Vc poderia me passar no que deve me ater para errar menos.
HAYLA FERNANDES

GOIÂNIA - GOIÁS - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 15/07/2020

Olá Amilton,
Recomendo que leia os artigos que escrevi antes. Trouxe vários pontos que devemos nos atentar antes de optar pela construção.
Em linhas gerais te diria que primeiro de tudo é organizar a gestão da fazenda, depois procurar um bom técnico que faça o projeto e por fim se preparar para essa mudança na fazenda, especialmente com as pessoas.
Abraço
HIGOR BALDUINO RODRIGUES DE SOUZA

MARECHAL CÂNDIDO RONDON - PARANÁ - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 02/06/2020

Excelente artigo, parabéns Hayla!
ADEMAR SEHNEM JUNIOR

SÃO LUDGERO SÃO MARTINHO - SANTA CATARINA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 26/05/2020

Boa Noite Hayla, meus parabéns pelo seu admirável trabalho.

Bem, você teria algum material para disponibilizar falando sobre sala de resfriamento na prática? Dimensionamento, aspersores, ventiladores, projetos...

Grato
HAYLA FERNANDES

GOIÂNIA - GOIÁS - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 26/05/2020

Olá Ademar, no meu perfil do Instagram (vaca feliz oficial) tenho alguns vídeos que postei na semana do conforto. Se não achar me avise pelo direct que te mando. Vou preparar uma publicação sobre isso, uma boa né?
HAYLA FERNANDES

GOIÂNIA - GOIÁS - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 15/07/2020

Olá Ademar, acabou de sair o curso no educapoint. Te recomendo! Procure por: "aspectos praticos do resfriamento de vacas de leite"
Abraço
JOAO BATISTA RODRIGUES

SÃO ROQUE DE MINAS - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 25/05/2020

Estou gostando muito dos artigos e gostaria de saber tambem informacoes contrucai em forma de tunel de vendo porq houvir dizer que economiza ventiladores e aumenta o conforto animal se tornando assim o investimento mais barato. Sera que isso procede?
HAYLA FERNANDES

GOIÂNIA - GOIÁS - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 25/05/2020

O túnel é uma opção que ainda temos pouca experiencia no Brasil, mas com certeza vai crescer.
Se construir como composto será desafiante o controle da umidade da cama, já que o sistema trabalha com umidade alta.
Sobre a economia dos ventiladores procede sim.
Porém lembre-se que o túnel também não dispensa a sala de resfriamento.
CID LUIZ SEPANSKI

EM 25/05/2020

Excelentes esclarecimentos.Mas tenho uma duvida:As vacas tem historico de serem criadas em terra,solo mais duro.Elas não gastam mais energia no compost barn,já que a serragem,ou outro produto usado é muito mais "fofo".
HAYLA FERNANDES

GOIÂNIA - GOIÁS - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 25/05/2020

Olá Cid. Apenas nos primeiros dias a cama fica fofinha, nos próximos ela já vai ganhando umidade e esterco e fica mais firme. Mesmo fofa não é desconfortável. O problema é bem pior quando a cama fica compacta, aí sim temos um desafio.
CAROLINA RODRIGUES

ITUVERAVA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 25/05/2020

Parabéns pelas colocações Hayla! O primeiro passo para qualquer mudança em uma propriedade é a busca pelo conhecimento! Obrigada por compartilhar tanta informação pertinente a quem busca esse conhecimento!
HAYLA FERNANDES

GOIÂNIA - GOIÁS - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 25/05/2020

Obrigada querida!
LEANDRO DREWS

AUGUSTO PESTANA - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 25/05/2020

Ótimo conteúdo!
Gostaria também de ter informações sobre o melhor (%) de declive de piso para galpão de alimentação, para segurança e conforto das vacas. Teria alguma sugestão de valor, ou literatura para pesquisa?
HAYLA FERNANDES

GOIÂNIA - GOIÁS - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 25/05/2020

Olá Leandro... o número usualmente considerado é de 1 a 3%. Particularmente eu prefiro os 2% que traz segurança e conforto para as vacas e uma considerável drenagem liquida.
AYRTON BERGER JUNIOR

PONTA GROSSA - PARANÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 25/05/2020

Você tem relato de usar galpão de Compost Barh em gado de corte para engorda.
JOSELITO BONIFÁCIO OLIVEIRA

BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 25/05/2020

Como no artigo 1, colocações perfeitas.
Passei e passo por todas essas questões colocadas.
HAYLA FERNANDES

GOIÂNIA - GOIÁS - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 25/05/2020

Que bom! Considero isso como uma validação de experiência fantástico, ou seja a teoria está encontrando a prática!
Abraço
AYRTON BERGER JUNIOR

PONTA GROSSA - PARANÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 25/05/2020

Oi sou de Ponta Grossa Pr região fria e umida no inverno.Aqui varios pecuaristas de engorda estão fazendo os barracões de composto Bar minha pergunta se vai dar certo .
HAYLA FERNANDES

GOIÂNIA - GOIÁS - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 25/05/2020

Olá. Ayrton, eu achava que isso ia demorar mais para chegar no corte, mas me parece que no sul já existem produtores indo pra esse lado. Não tenho informações e experiencia para compartilhar por enquanto, mas acredito que pode ser um caminho.
Abraço
JORGE ENRIQUE DIAZ QUINTANA

ROSÁRIO DO SUL - RIO GRANDE DO SUL - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 25/05/2020

Esclarecedor, útil parabéns...
CLÁUDIO HENRIQUE OLIVEIRA DE CARVALHO

CÁSSIA - MINAS GERAIS

EM 25/05/2020

Parabéns! Muito didático, demonstrando, com linguagem simples, porém direta, que antes de entrar com aditivos, formulações, etc, precisamos fornecer o máximo conforto às vacas, sempre.
VANOIR DE CARVALHO

SÃO LUÍS DO PARAITINGA - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 25/05/2020

No inverno também e preciso deixar os ventiladores ligado a noite
HAYLA FERNANDES

GOIÂNIA - GOIÁS - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 25/05/2020

Excelente observação! Importantíssimo lembrar que nosso inverno é quase apenas uma divisão didática dos dias do ano. rsrs.
Abraço
CRISTIANO RAMOS EVANGELISTA

ITABERAÍ - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 25/05/2020

Artigo prático, bem escrito e muito didático! Parabéns pelas colocações pontuais que irão auxiliar na tomada de decisão das pessoas envolvidas no sistema de produção.
RODRIGO MACHADO NUNES

UBERLÂNDIA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 25/05/2020

Parabéns Hayla, excelente artigo.
GERSON LUIS ZYCH

ITAPEVA - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 25/05/2020

Hayla muito bom suas observações, estou indo neste caminho ( construindo)estou estudando / visitando fazem uns dois anos, e certamente haverão erros, espeto o mínimo possível, mas sempre podemos melhorar, obrigado pela divulgação de seu conhecimento;
HAYLA FERNANDES

GOIÂNIA - GOIÁS - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 25/05/2020

Gerenciar as expectativas é excelente e se munir de informações com certeza é o melhor caminho. Parabéns!
EVALDO ANTONIO DA SIVA

UBERLÂNDIA - MINAS GERAIS

EM 25/05/2020

Muito bom Hayla, pecar nos detalhes, nos afasta da máxima eficiência, em qualquer sistema de produção. Notadamente, os meticulosos costumam apresentam melhores resultados.
MilkPoint AgriPoint