FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Suas vacas leiteiras estão recebendo a proteína de que precisam?

EDUCAPOINT

EM 03/11/2020

7 MIN DE LEITURA

0
1
Rações balanceadas fornecem às vacas leiteiras os nutrientes de que precisam para produzir leite com ótimo retorno financeiro. Essas rações podem nem sempre ter o menor custo, mas são projetadas para gerar o maior retorno por vaca. À medida que aprendemos mais sobre as necessidades nutricionais das vacas e o papel das bactérias do rúmen e outros microrganismos no suprimento dessas necessidades, os programas de balanceamento de rações se tornaram muito mais complexos para levar em conta todos esses fatores. Independentemente desses aumentos de complexidade e da abundância de termos nas impressões de ração balanceada, o resultado final é que a vaca ainda precisa de grandes quantidades de proteína e energia para sustentar a si mesma e a produção de leite.
 
A energia ainda é o grupo de nutrientes mais difícil de fornecer em quantidades adequadas para vacas de alta produção e em início de lactação para apoiar o desempenho. Assim, a mensagem constante dos nutricionistas sobre a importância da colheita de forragens de alta qualidade para fornecer os precursores de energia necessários. 
 
Em anos em que a qualidade da forragem está abaixo do ideal ou quando a silagem de milho também não está em sua qualidade ótima, as vacas recebem mais concentrados, o que encarece o processo enquanto tentamos, mas muitas vezes não conseguimos, fornecer a quantidade necessária de energia. Consequentemente, as vacas leiteiras frequentemente não produzem tão bem quanto o esperado.
 
Muito tem sido escrito sobre o suprimento das necessidades de energia das vacas leiteiras, mas e sobrel fornecer quantidades adequadas de “proteína” para apoiar a produção de leite? Os nutricionistas ainda equilibram as dietas para proteína bruta, uma análise comumente encontrada em relatórios de forragem e frequentemente um valor citado por produtores relacionado à qualidade das forragens? A resposta é “não exatamente”.  A proteína bruta é calculada a partir da quantidade medida de nitrogênio em uma amostra de forragem ou grão e então a quantidade de nitrogênio é multiplicada por um fator de 6,25. 
 
Porém, por si só, a proteína bruta não explica o que acontece quando este alimento é digerido no rúmen da vaca. Diferentes proteínas e fontes de nitrogênio são digeridas em taxas diferentes no rúmen. Portanto, os nutricionistas expandiram os termos usados para descrever a “fração de proteína” nos alimentos. 
 
Para entender melhor a importância de cada etapa na implementação de programas de alimentação na fazenda, é necessário um entendimento rudimentar da terminologia utilizada e como os nutricionistas fornecem quantidades adequadas de “proteína” em dietas para vacas leiteiras.
 
Os microrganismos do rúmen produzem proteínas
 
Os microrganismos no rúmen da vaca fornecem de 60 a 75% das necessidades de proteína da vaca. Esses microrganismos incluem bactérias que digerem fibras ou amidos, protozoários e fungos. Eles usam nitrogênio (alguns vêm de fontes de proteína da dieta) e energia (carboidratos - amidos e açúcares) fornecidos na dieta para fazer proteínas dentro de si mesmos, conhecidas como proteínas microbianas. Tanto uma fonte de nitrogênio quanto uma de carboidrato precisam estar presentes ao mesmo tempo para que esse processo ocorra. 
 
Programas de balanceamento de ração por computador permitem ao usuário estimar quanta proteína microbiana poderia ser produzida pelas bactérias ruminais. Esses programas usam a proteína bruta e outros valores de nutrientes de uma análise de forragem, junto com parâmetros padrão sobre cada ingrediente na dieta e o que ocorre no rúmen, para calcular os rendimentos de proteína microbiana. O nutricionista reconhece que a proteína microbiana tem a melhor combinação de aminoácidos necessários para a produção e síntese de proteína do leite. Os programas e práticas de alimentação na fazenda podem impactar negativamente ou positivamente a fermentação ruminal, a eficiência e os produtos dos microrganismos ruminais e, por fim, a produção de leite e o desempenho reprodutivo.
 
A proteína microbiana, junto com a proteína não degradada no rúmen, passam para o intestino delgado. (Proteínas não digeridas no rúmen são conhecidas como proteína não degradada no rúmen ou RUP, também formalmente conhecida como proteína bypass.) No intestino delgado, ambas as fontes de proteína são quebradas em aminoácidos e absorvidas pelas células que revestem o intestino delgado e são chamadas de proteína metabolizável. 
 
A maioria dos programas de balanceamento de rações calcula a quantidade de proteína metabolizável que uma dieta provavelmente “produzirá”. Eles também calculam, com base na quantidade de proteína metabolizável, a quantidade de leite que essa dieta suportará na ingestão estimada. Se a ingestão for menor do que o estimado pelo programa de computador, menos proteína metabolizável estará disponível e a produção de leite será menor do que o calculado. 
 
Como esses programas de balanceamento de ração por computador adicionaram parâmetros e dados adicionais, eles melhoraram a estimativa da quantidade de leite que essas dietas podem suportar do ponto de vista da “proteína”. É preciso perceber que esses programas modelam as necessidades de nutrientes da vaca juntamente com o ambiente ruminal e os microrganismos que, por sua vez, alimentam a vaca. Assim, fornecer às bactérias do rúmen um suprimento consistente de nutrientes é necessário e é aqui que as práticas de manejo alimentar adequadas são importantes. As vacas precisam fazer várias refeições ao longo do dia, de composição tão consistente quanto possível.
 

=> Saiba mais no curso Formulação de dietas para vacas leiteiras - Parte 1 e Parte 2. O curso pode ser adquirido individualmente ou você pode optar por assinar a plataforma EducaPoint, tendo acesso a todos os cursos disponíveis (mais de 200!) por um preço único. 

 
As vacas precisam de aminoácidos, não de proteínas
 
As vacas leiteiras, como todos os mamíferos, requerem aminoácidos, não proteínas em si, que as células usam como blocos de construção para formar as proteínas necessárias para as funções corporais, crescimento, reprodução e produção de leite. Assim, as dietas são formuladas para fornecer esses aminoácidos necessários. Dos 20 aminoácidos encontrados nas proteínas do corpo de um animal, 10 são considerados essenciais; em outras palavras, o corpo não pode produzir esses 10 aminoácidos a partir de outras fontes e eles devem ser absorvidos como tal pelas células do intestino delgado a partir de proteínas dietéticas ou microbianas. Dentre esses 10 aminoácidos essenciais, lisina, metionina e, sob certas condições, triptofano são conhecidos como aminoácidos limitantes porque podem não ser fornecidos naturalmente em quantidades adequadas e devem ser suplementados como aditivo alimentar para corrigir deficiências. Ingredientes à base de milho, como o grão de milho, são deficientes em lisina e os produtos à base de soja são deficientes em metionina. 
 
Programas de balanceamento de dieta calculam a quantidade de lisina e metionina fornecida e permitem ao usuário determinar se lisina e/ou metionina adicional pode precisar ser adicionada para apoiar a produção de leite de um determinado grupo de vacas. À medida que aprendemos mais sobre o papel e o suprimento de cada aminoácido essencial, quantidades adicionais desses aminoácidos e de outros podem precisar ser adicionadas às dietas balanceadas para apoiar um desempenho aprimorado.
 
Quando a dieta está deficiente em proteína, o que posso fazer?
 
Quando deficiências são encontradas, alimentos alternativos e/ou aditivos alimentares podem ser adicionados para corrigir o problema e permitir a síntese de proteínas mais metabolizáveis para apoiar a produção de leite. Ao compreender qual fração relacionada à proteína é deficiente, pode-se direcionar o uso de ingredientes específicos e aditivos para rações. Por exemplo, se uma fonte de nitrogênio rapidamente degradada for necessária, a ureia pode ser um meio de baixo custo de fornecer o nitrogênio necessário para as bactérias do rúmen.
 
Muitas vezes, é possível corrigir as deficiências nas frações relacionadas às proteínas, em contraste com as deficiências de energia. Os produtores podem não gostar do custo adicional da proteína, mas podem ser feitas alterações para permitir um desempenho ideal e o maior retorno sobre os custos da dieta. Amostras de ração precisas e atuais são necessárias para que os dados mais precisos e atualizados sejam usados no software de balanceamento da dieta. 
 
É importante lembrar que uma fonte de nitrogênio e carboidrato precisa estar presente ao mesmo tempo para maximizar a proteína microbiana, a fonte de proteína mais econômica e, portanto, a fonte de aminoácidos para uma vaca. A mensagem aqui é que os carboidratos, que fornecem energia, podem ser o nutriente limitante para as bactérias do rúmen e não as proteínas ou o nitrogênio. Uma deficiência de carboidratos para as bactérias ruminais pode ocorrer quando forragens de qualidade inferior ou o tipo e quantidade incorreta de concentrados são fornecidos. Limitações em uma fonte de carboidratos para as bactérias do rúmen podem criar uma deficiência de proteína para a vaca, embora o nitrogênio adequado possa estar presente para as bactérias. 
 
* Baseado no artigo Are Your Dairy Cows Getting the Protein They Need?, de Donna M. Amaral-Phillips - University Of Kentucky.
 
Mais informações: 
contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint