ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Pode isso, produção?

VÁRIOS AUTORES

INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 08/10/2021

3 MIN DE LEITURA

2
8

O elevado potencial de gerar derivados lácteos, como queijos, iogurtes e manteigas, de qualidade e rendimento satisfatórios são aspectos relevantes para a ovinocultura de leite no Brasil. As altas concentrações de proteínas, lipídios e sais minerais do leite de ovelha o tornam promissor quando comparado às demais espécies (MERLIN JUNIOR et al., 2015).

No entanto, a produção de leite de ovelha e derivados para fins comerciais no Brasil ainda é escassa devido principalmente à baixa produção por animal e falta de estímulos a exploração da espécie. Além disso, questões culturais certamente influenciam na decisão de compra dos derivados lácteos, e quando disponível o valor alto limita a compra.

Ao avaliarem a atividade antioxidante total do leite de búfala, cabra e ovelha, Niero et al. (2018) relataram que o leite de ovelha apresentou a maior atividade antioxidante total devido ao conteúdo relativamente alto de gordura, proteína e caseína, que são compostos que contribuem para a capacidade antioxidante do leite.

Ribeiro et al. (2007) observaram que ovelhas Santa Inês mesmo que de uma raça tradicionalmente explorada para produção de carne, apresentaram alta produção de leite e duração da lactação elevada. Além disso, o leite produzido apresentou composição química satisfatória e bom rendimento para fabricação de queijos finos.

Um ponto importante conforme Martini et al. (2021) é que o leite e derivados lácteos de animais mantidos a pasto contêm uma série de compostos bioativos importantes para a saúde humana, como ácidos graxos, vitaminas e esteróis de origem animal e vegetal.

Esses pesquisadores investigaram o conteúdo de alfa-tocoferol, perfil de esteróis e ácidos graxos no leite de ovelha e em dois queijos tradicionais (Pecorino e Casu Axedu). Os fitoesteróis, moléculas nutracêuticas, foram encontrados no leite e queijos.

Com o propósito de expandir o mercado e a gama de produtos derivados de leite de ovelha, Abreu et al. (2018) desenvolveram formulações de frozen yogurt, a partir do iogurte em pó de leite de ovelha. O alto conteúdo de proteína propiciou maior retenção de água e, consequentemente, menor formação de cristais de gelo no produto.

Além disso, a liofilização do iogurte de leite de ovelha para transformação em iogurte em pó manteve as características físico-químicas (proteína, lipídios, lactose, cinzas, acidez e pH) e microbiológicas, com contagem de bactérias lácticas acima de 107 UFC por grama (ABREU et al., 2015).

Portanto, respondendo ao título deste proposto, desde que o leite tenha propriedades tecnológicas viáveis para a fabricação de derivados lácteos e mesmo que a baixa produção por animal limite a exploração comercial, o estímulo à produção de derivados do leite de ovelhas deve ocorrer por um simples aspecto: o leite de ovelhas tem características que resultam em derivados de alto valor agregado em virtude do excelente conteúdo de proteína e gorduras.

 

Referências

ABREU, E. et al. Obtenção e caracterização de iogurte em pó de leite de ovelha, p. 1962-1967. In: Anais do XI Congresso Brasileiro de Engenharia Química em Iniciação. São Paulo: Blucher, v. 1, n. 3, 2015.

ABREU, Elisangela de et al. Desenvolvimento de Frozen Yogurt de iogurte em pó de leite de ovelha 1. Revista Ceres, v. 65, p. 07-15, 2018.

MARTINI, M. et al. Natural content of animal and plant sterols, alpha-tocopherol and fatty acid profile in sheep milk and cheese from mountain farming. Small Ruminant Research, p. 106419, 2021.

MERLIN JUNIOR, I. A. et al. Ovinocultura leiteira no brasil: aspectos e fatores relacionados à composição, ao consumo e à legislação. Colloquium Agrariae, v. 11, n.2, p. 38-53, 2015.

NIERO, G. et al. Phenotypic characterization of total antioxidant activity of buffalo, goat, and sheep milk. Journal of dairy science, v. 101, n. 6, p. 4864-4868, 2018.

RIBEIRO, L. C. et al. Produção, composição e rendimento em queijo do leite de ovelhas Santa Inês tratadas com ocitocina. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 36, n.2, p. 438-444, 2007.

*Fonte da foto do artigo: Freepik

MARCO ANTÔNIO PEREIRA DA SILVA

Doutor em Ciência Animal pela Universidade Federal de Goiás, Professor do IF Goiano - Campus Rio Verde, GO

JOÃO ANTÔNIO

Engenheiro Agrônomo pela UEG Campus Ipameri, Mestre em Zootecnia pelo IF Goiano Campus Rio Verde, Doutorando em Ciências Agrárias- Agronomia pelo IF Goiano Campus Rio Verde.

JUAN CARLOS ROBERTO SAAVEDRA MORE

Ingeniero Agroindustrial e Industrias Alimentarias, Universidad Nacional de Piura - Peru, Mestre em Ciência Animal pela Universidade Federal de Goiás - Campus Samambaia, Goiânia, GO.

THAMARA VENÂNCIO DE ALMEIDA

Médica Veterinária, Doutora em Ciência Animal pela Universidade Federal de Goiás - Campus Samambaia, Goiânia, GO.

RUTHELE MORAES DO CARMO

Acadêmico de Zootecnia, bolsista de Iniciação Científica com pesquisas desenvolvidas na área da qualidade do leite.

WILLIAM R. MIRANDA-ZAMORA

Ingeniero Agroindustrial e Industrias Alimentarias, Profesor da Universidad Nacional de Frontera, Peru.

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ABNER ALVES MESQUITA

RIO VERDE - GOIÁS

EM 28/12/2021

Excelente artigo!!!
RICARDO APARECIDO SANTOS

CAIAPÔNIA - GOIÁS - ESTUDANTE

EM 16/11/2021

Artigo excelente, parabéns a todos.
MilkPoint AgriPoint