ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Argentina: fazenda investe pesado em funcionários como estratégia de negócio

LEITE NO MUNDO

EM 16/02/2022

5 MIN DE LEITURA

0
0

Com muita frequência, os produtores de leite submergem em dívidas, tendo investido em todos os aparelhos e tecnologias mais recentes, cegos pelas promessas de maiores retornos a curto prazo. Manter o negócio relativamente simples e investir em pessoal em vez de muito maquinário é a filosofia da fazenda Maria Teresa Sur Tambo 1 na Argentina.

A fazenda fica a 20 km da cidade mais próxima, Treinta de Agosto, com uma população de 8.000 pessoas. Esta é apenas uma das várias fazendas leiteiras de Luis Peluffo na região. Matias Ohlsson administra esta fazenda de 600 hectares com sua esposa Patricia, nos últimos 8 anos. Matias cuida de todos os aspectos da alimentação das vacas, saúde do rebanho e época de parto, enquanto Patricia gerencia todas as informações do rebanho no computador.

fazenda de leite na argentina
Foto: Chris McCullough | Reprodução: Dairy Global

“Nesta fazenda, seguimos o sistema neozelandês, produzindo leite em pastagens. No inverno, quando o crescimento do capim diminui, também alimentamos as vacas com feno, silagem de milho e grãos.”

“Todas as vacas parem no outono, por isso é uma carga de trabalho pesada durante esse período. Apenas as novilhas e 20 a 30 touros de reposição são criados na fazenda, que é trabalhosa, pois temos de 400 a 450 animais criados a cada temporada. É mais importante investir nos trabalhadores, permitindo o maior número de dias de folga possível e oferecendo bons salários.”

“No final de abril de 2021, começamos a inseminar o rebanho e essa etapa dura 45 dias, após os quais iniciamos a monta natural com touros por mais um mês e meio. Nos primeiros 3 meses do ano separamos o rebanho em 2, de acordo com a data do parto, e depois pelo nível de produção para alimentá-los de acordo”, acrescenta.

 

Investir na equipe

Investir em bons funcionários, em vez de equipamentos, é fundamental nesta fazenda, que emprega 9 trabalhadores em tempo integral com mais 2 a tempo parcial alistados para ajudar durante a temporada de parto. Um veterinário visita a fazenda 3 vezes por semana para verificar os animais.

Matias diz: “Usamos uma sala de 39 unidades de espinha de peixe administrada por 3 funcionários para ordenhar as vacas. As vacas são levadas à sala de estar por um simples portão automático feito por nós há alguns anos. A empresa aposta na virtude da simplicidade usando menos tratores e sem vagão betoneira. É mais importante investir nos trabalhadores, permitindo o maior número de dias de folga possível e oferecendo bons salários. Gostamos de automatizar trabalhos simples, como usar o portão traseiro e jogar água nos pátios para lavá-los.”

fazenda de leite na argentina
Foto: Chris McCullough | Reprodução: Dairy Global

“A empresa possui outras 3 fazendas leiteiras e espera um crescimento anual de 15%. Temos 400 novilhas extras por ano para vender ou abrir uma nova fazenda leiteira, mas como fizemos isso há pouco tempo, vamos nos concentrar agora na venda de novilhas por alguns anos. Iniciar uma nova fazenda de gado leiteiro significa que temos que encontrar mais terras para arrendar, pois não temos interesse em comprar terras. A empresa está vendendo leite A2A2 hoje e está explorando o negócio de leite orgânico para entrar em um futuro próximo”, diz ele.

 

Desafios na Argentina

A produção de laticínios na Argentina não está isenta de desafios. Manter uma boa saúde do rebanho é difícil, pois a tuberculose é um grande problema que aumenta as taxas de descarte. Além disso, bactérias resistentes a antibióticos são um problema nesta fazenda, como E.coli, Salmonella e Cryptosporidium reduzindo sua taxa de sobrevivência de bezerros nos últimos 3 anos.

“Outro grande desafio é adquirir e manter bons trabalhadores”, afirma Matias. “O desemprego e outros subsídios governamentais tornaram difícil para as empresas privadas no país terem uma força de trabalho estável e crescente disponível. Em nossa área, há escassez de trabalhadores qualificados e capacitados, pois é considerado por muitos como um trabalho temporário, e a maior parte do tempo e esforço para treinar um novo funcionário é perdido quando ele sai.”

“Esta é a razão pela qual há um alto número de funcionários de outras províncias e países como Paraguai e Venezuela. Estou aprendendo que um dos aspectos mais importantes na pecuária leiteira são as habilidades de formação de equipes e proporcionar um ambiente de trabalho que atraia as melhores pessoas.”

fazenda de leite na argentina
Foto: Chris McCullough | Reprodução: Dairy Global

“Procuro engajar nossos trabalhadores e fazer uma declaração reforçando que, se a empresa vai bem, o pessoal também vai. Mais dias de folga, possibilidades de empréstimos ou horas de trabalho confortáveis são algumas das vantagens de trabalhar aqui. Por ter uma boa equipe de ajudantes para fazer o trabalho, todas as coisas são mais fáceis.”

“A pandemia de Covid-19 tem sido um grande transtorno na fazenda. Houve uma escassez de materiais, pois a distribuição foi fechada e tornou muito difícil obter suprimentos. Isso afetou o reparo de equipamentos, manutenção de máquinas e atrasou o trabalho de construção. Temos que ter muito cuidado porque se um dos ajudantes adoecer ou estiver em contato próximo com um caso positivo de Covid-19 ele ficará isolado em casa por 15 dias, podendo até colocar em isolamento toda a nossa força de trabalho. Em março de 2021 testei positivo para Covid-19 e não pude ir à fazenda por 15 dias. Então eu só podia andar pela fazenda por conta própria, mas não ir para o laticínio ou fazer contato com o pessoal.”

fazenda de leite na argentina
Foto: Chris McCullough | Reprodução: Dairy Global

“Meu braço direito Waldemar me substituiu e é o responsável pela produção de leite quando tiro um dia de folga. Só tive dois dias em que os sintomas me fizeram sentir muito mal. Eu moro a 200m da fazenda e foi estranho não poder ir ao meu local de trabalho como sempre. Não consigo imaginar o que teria acontecido se eu tivesse passado o vírus para a minha equipe”, afirma Matias.

As informações são do Dairy Global, traduzidas pela Equipe MIlkPoint.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint