ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Você sabe como funciona uma fazenda leiteira em Portugal?

POR STEPHANIE ALVES GONSALES

LEITE NO MUNDO

EM 28/01/2021

4 MIN DE LEITURA

15
26

Atualizado em 28/01/2021

A produção de leite é uma atividade muito conhecida e praticada nos quatro cantos do mundo e o Brasil é o terceiro maior produtor nessa escala, atrás somente dos EUA e Índia (FAO, 2017). Mas, como são esses dados em Portugal

De acordo com um levantamento de 2017 da FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura), a produção de Portugal estava em 1.962.494 toneladas de litros de leite bovino, o que dava para o país a 16ª posição no ranking da União Européia (UE).

Apesar do baixo volume absoluto, comparado com o Brasil e outros países, esses números de produção representam uma média de 190 litros/habitante no país, o que é significativo, uma vez que o Brasil tem como média 160. 

Com intuito de saber um pouco mais como funciona a prática de uma parcela que ajuda nesses números de produção para o país, entramos em contato com Luzimaro Alves Ribeiro, responsável pela alimentação dos animais na fazenda Herdade do Casão, dos produtores Gerda Van Der Geest e Willen Leendert ter Haar, que tem como atividade principal a produção de leite.

Luzimaro é natural de Teófilo Otoni – Minas Gerais, e já teve sua produção de leite aqui no país. Ele conta que a principal diferença entre produzir leite no Brasil e em Portugal, consiste na tecnificação da produção. “Aqui tudo é mecanizado e informatizado, além de a maioria usar assistência técnica especializada.” 

A fazenda, localizada na Cidade Montemor-O-Novo, Distrito de Evora, região do Alentejo, possui 180 hectares e tem um rebanho de 900 animais da raça holandesa, sendo, desses, cerca de 500 em lactação. A produção da propriedade consiste em 17.500 litros por dia. 

Os animais são separados em 4 grupos: pós parto, primíparas, alta e baixa produção, a baixa produção são vacas em fim de lactação e vacas para descarte. Todo o rebanho é confinado e a propriedade conta com o sistema free stall, com camas de areia.

O bem-estar dos animais é um ponto importante na propriedade. Dessa maneira, o manejo é minucioso em relação ao conforto do rebanho. As camas são limpas a cada ordenha e, de 15 em 15 dias, é adicionada uma nova camada de areia limpa. A instalação conta com ventiladores para resfriamento em dias quentes, evitando o estresse térmico,  e cortinas nas laterais para dias de chuva, evitando com que as camas fiquem molhadas. 

A tecnologia e a informatização da produção são de alto padrão: os animais que entram na fase de reprodução recebem uma pulseira eletrônica que auxilia na detecção do cio e acompanha sua vida produtiva. A pulseira registra todas as vezes que o animal passa pela sala de ordenha, e encaminha para o computador informações como: tempo de espera, tempo que levou para ser ordenhada, quantidade de leite, alteração do fluxo de leite, entre outros. As informações são importantes e indicam algum sinal de mastite, ajudando no controle e prevenção.

São realizadas 3 ordenhas por dia e a média de produção por vaca é de 35 litros. São ordenhadas 40 vacas simultaneamente, 20 de cada lado do fosso. Na ordenha, é feito o teste de jato para identificação de mastites e realizado o pré e pós dipping.

Os ordenhadores utilizam luvas para higiene e realizam a limpeza dos equipamentos. Após as duas primeiras ordenhas do dia, os equipamentos são lavados com produtos alcalino clorada, e após a última, ordenha com produtos alcalino ácido e o tanque resfriador é lavado a cada dois dias.

Todas essas medidas, embora deveriam ser o mínimo a ser feito em toda e qualquer propriedade do mundo, são mais que necessárias, uma vez que a legislação de qualidade do leite é muito mais rígida em Portugal do que no Brasil. Lá a contagem de células somáticas (CCs) deve ser inferior à 200 mil céls/mL e, contagem bacteriana total (CBT), inferior à 30 mil UFC/mL enquanto no Brasil, os limites são de 500 mil cél/mL e 300 mil UFC/mL, respectivamente; além de ocorrerem penalizações quando há detecção de inibidores ou outras substâncias no leite.

A dieta dos animais é feita totalmente na fazenda, que conta com o plantio de azevém e milho. A última colheita gerou 7 mil toneladas de silagem de milho. Os animais comem uma média de 50kg/dia, e a dieta é composta por: concentrado (núcleo, farinha de milho, soja, e melaço de cana), silagem de azevém e silagem milho. A formulação para atender a 10 animais é: 

  • 100ks concentrado;
  • 50kgs silagem azevém;
  • 350kgs silagem milho

Luzimaro informou que, quanto às questões nutricionais, não há muita diferença da produção no Brasil, contando inclusive com ingredientes vindos daqui.  

Porém, quando o assunto é incentivo do governo, algumas diferenças são notáveis. Existem auxílios e eles englobam tanto os animais quanto as terras – esses auxílios e incentivos não foram expostos a fundo por regras da propriedade.

Quanto ao preço e mercado, Portugal tem o quarto menor preço da União Europeia. Não existem bônus por parte da indústria que beneficiem o produtor pela qualidade do leite, em contrapartida, a quantidade pode ser beneficiada. O preço médio de 2020 do leite em Portugal, foi de 0,3047 centavos de euros/litro; e produtores que fornecem uma maior quantidade chegam a receber 0,35. 

A produção de leite em Portugal conta com uma quantidade de pequenos produtores baixa, tendo em sua maioria produtores de médio e grande porte. As fazendas vizinhas da região citada, produzem mais de 3 mil litros diários e têm uma média superior a 25 litros/animal.

Você é produtor de leite ou trabalha em alguma fazenda fora do Brasil? Conte sua experiência para nós! Envie um e-mail para contato@milkpoint.com.br.

STEPHANIE ALVES GONSALES

Zootecnista formada pela Universidade Estadual de Maringá e pós-graduada em Gestão do Agronegócio, Assistente de Conteúdo MilkPoint.

15

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOADYR DE OLIVEIRA TEIXEIRA

ITAPERUNA - RIO DE JANEIRO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 03/03/2021

Hoje em nossa região, temos pouca informação, e principalmente a falta de união dos produtores em prol de um bem comum, que um preço justo pra todos.
GERSON POTT

TEUTÔNIA - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 12/02/2021

Anos atrás a Europa era exemplo na produção de leite, acho que hoje temos excelentes propriedades no país como exemplo, no RS, o sistema está indo pro robô, é um sistema que o grande produtor tem alcance, tem uma propriedade vizinha que tem dois robôs e encomendou mais um, tudo serviço familiar, tem uma propriedade em Vacaria que tem oito robôs e encomendaram mais oito robôs, mas está granja são de 4 irmão empresários, isto é preocupante, o pequeno vai sumir, se os órgãos públicos não ajudarem o pequeno vai sumir e o médio vai passar por dificuldades, o pequeno e o médio também a essa tecnologia, pois esses grandes produtores ganham preço especial, resumindo, o pequeno e o médio vão trabalhar pra sustentar o grande. Temos um exemplo de uma cooperativa aqui, que juntou vários produtores e fizeram um condomínio com robôs , onde a cooperativa financiou o projeto a troca de produção, aí os técnicos administram os condomínios e os produtores faziam o serviço, o que aconteceu, quase quebraram, aí os produtores assumiram os condomínios aí começaram a dar lucro, quando se tem tudo no papel e não tem prática dá nisso, hoje os dois fatores andam juntos numa propriedade,
ALI KÖYLÜ

EM 12/02/2021

It was a great content. I am in contact with my colleagues and pet owners
my instagram address:
vethekalikoylu
JÉSSICA SANTINONI

EM 30/01/2021

Parabéns Stephanie, otimo texto!!!
REGIANE

TEÓFILO OTONI - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 29/01/2021

Olá, muito bacana, a valorização do produtor rural faz toda diferença. Principalmente mostrando histórias reais que dão certo. Acredito muito no potêncial do Brasil, para isso é preciso uma maior valorização dos produtores rurais, principalmente os de pequeno porte, pois são quem realmente colocam alimentos na mesa das famílias. Um abraço. Regiane Ribeiro, futura Gestora Ambiental.
ELOISA DUMONT

GARÇA - SÃO PAULO - ESTUDANTE

EM 29/01/2021

Excelente, parabéns!!
STEPHANIE ALVES GONSALES

MARÍLIA - SÃO PAULO

EM 29/01/2021

Muito obrigada, Eloisa!!
CAMILLA KANASHIRO

EM 28/01/2021

Muito interessante a matéria produzida, parabéns!!!
STEPHANIE ALVES GONSALES

MARÍLIA - SÃO PAULO

EM 28/01/2021

Obrigada Camilla!
DANILO HAMDAN DE ANDRADE

NOVA LIMA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 28/01/2021

Muito legal o texto!
Tenho vontade de conhecer fazendas leiteiras em outras partes do mundo, fantástico!
STEPHANIE ALVES GONSALES

MARÍLIA - SÃO PAULO

EM 28/01/2021

Obrigada Danilo!
ALEX RODRIGO

ELDORADO - MATO GROSSO DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 28/01/2021

Muito top a matéria. Parabéns
STEPHANIE ALVES GONSALES

MARÍLIA - SÃO PAULO

EM 28/01/2021

Obrigada Alex!
LUZIMARO ALVES RIBEIRO

TEÓFILO OTONI - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 28/01/2021

Valeu Stefhanie, ficou sensacional a matéria ??
STEPHANIE ALVES GONSALES

MARÍLIA - SÃO PAULO

EM 28/01/2021

Olá, Luzimaro.
Muito obrigada, inclusive agradeço a disponibilidade de passar as informações para que a matéria pudesse ser feita.
Um abraço!!
MilkPoint AgriPoint