FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

A pandemia e a atividade leiteira

A.B.C.B.R.H.

EM 20/05/2020

6
3

Por Laércio de Souza Campos, Médico Veterinário e Superintendente Técnico da APCH

Ao caminharmos para o fim desta segunda década do século 21, deparamo-nos com um grave problema, mundial que não poderíamos imaginar nem em nossos piores pesadelos.

A humanidade enfrenta uma epidemia causada por uma cepa do coronavírus, causadora de uma doença viral denominada Covid-19. Silenciosa, mas insidiosa, com alta taxa de morbidade, ela rapidamente se espalhou pelo mundo afora, atingindo os 5 continentes, tendo como agente facilitador a globalização a qual, embora tenha propiciado reforçar aos laços entre os mais distantes países, também, neste momento, se tornou nosso "calcanhar de Aquiles" permitindo a propagação rápida deste agente mortal.

No nosso Brasil a doença chegou no começo de Fevereiro, quando ainda comemorávamos o Carnaval e se instalou gradativamente sem grande alarde. O governo federal, demorou a acordar para medidas que, se não poderiam impedir a doença, poderiam a menos impedir a rápida disseminação da mesma. A tão propalada "quarentena" e outras medidas de distanciamento social foram sistematicamente sabotadas pelo nosso presidente da república que mostrou toda sua inépcia para ser o líder que a nação necessitava nesta hora e a quem procurava desesperadamente. Ao remar contra tudo e todos dizendo que era apenas uma "gripezinha" ele levou com seu mau exemplo muitos brasileiros a desrespeitarem as medidas preconizadas pelo Ministério da Saúde e com isso já estamos com 170.000 infectados e com mais de 12.000 mortos (no momento da escrita deste artigo)! Estamos ainda longe do pico da doença e o sistema de saúde pública, o SUS se encontra próximo do colapso em muitas cidades, com a ocupação total de leitos de UTI.

No campo a propagação se mostrou mais lenta por diversos fatores que não cabe a nós aqui discutirmos, mas ela também está presente. Aqui em São Paulo, como em outros estados, a quarentena foi adotada e estamos trabalhando em casa como grande parte daqueles "sortudos" que ainda mantém os seus empregos. Como médico veterinário e superintendente técnico da Associação Paulista dos Criadores de Holandês (APCH), sou responsável também pelo atendimento técnico à campo dos nossos associados em suas fazendas leiteiras. Esta atividade está suspensa no momento, com o confinamento a que estou obrigado a cumprir, mas as fazendas continuam funcionando, pois as nossas queridas vacas não conseguem entender que deveriam suspender a sua produção diária...

Ao tomar leite no café da manhã ou ao comprá-lo no supermercado não posso deixar de pensar naqueles lá na fazenda que continuam levantando de madrugada, do tratador aos ordenhadores, passando por tratoristas, cuidadores, veterinários e tantos outros que continuam a cumprir  as suas tarefas não obstante os riscos que também estão expostos como toda a nossa população. Estes são aqueles heróis anônimos que cuidam de nós, de nossos filhos e filhas, da nossa saúde ao não deixar de nos prover de um alimento tão essencial e sagrado como o leite.

Obrigado portanto a vocês, verdadeiros heróis, que com sua força de vontade e fé inabalável em dias melhores, não desistiram e mantém a produção que permite o abastecimento das nossas cidades. Aos proprietários produtores de leite, também manifestamos a nossa admiração pela persistência, pois, no auge desta crise, são miseravelmente traídos e solapados pela industria leiteira, as quais estão a achatar covardemente os preços pagos a vocês, sabendo que o produtor não tem meios no momento de resistir a mais esta pressão.

Peço ânimo a vocês criadores para suportar este momento. Em minhas orações à noite, que tenho o hábito de praticar com a minha família, não deixo de pedir por vocês e pela sua equipe de funcionários que seguem em suas tarefas tão fundamentais, mas que são desconhecidas pela maioria da população urbana.

Conclamo, portanto, a todos os colegas a homenagearem a estes abnegados e a levantarem a voz em uníssono em defesa desta classe tão fundamental na cadeia produtiva.

Deus abençoe a todos vocês heróis desconhecidos e que seus esforços possam ser reconhecidos!

6

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CLEIDIMAR BATISTA DE PAULA

GOIÂNIA - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 27/05/2020

Lamentável um site do nível do Milkpoint permitir a publicação de artigos com víeis políticos. O governo federal desde o inicio está preocupado com quem realmente trabalha e produz ao contrário de governadores e prefeitos com decretos ditatoriais causam um enorme sofrimento a população, sem a menor necessidade.
MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 27/05/2020

Olá Cleidimar, obrigado pelo seu comentário e opinião. É importante para que calibremos nosso trabalho e possamos ajustar nossas práticas. Sua opinião será levada em conta, pode ter certeza disso.
MARISTELA NICOLELLIS

ITAPETININGA - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 27/05/2020

O mundo é política. O leite é política. E as constantes variações de salários, remuneração e escoamento do leite, também é política. Se os produtores não puderem expressar suas opiniões sobre política ou qualquer outro assunto que os afete, esta plataforma deixa de ser um canal livre de comunicação e se transformará em uma seita, onde todos obedecem e sustentam a crença em um líder imaginário. Que o Milk Point mantenha sua proposta de canal livre de comunicação!
RAPHAEL STENGEL SANTIAGO

AVARÉ - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 25/05/2020

Milk point é tão bem visto devido a imparcialidade política. Este post tem um.pouco de caráter político . Respeitamos sim os produtores que são guerreiros e sem.eles não haveriam alimentos. Mas o presidente antes do Carnaval foi pedido para cancelar o carnaval e já tinha decretado estado de.calamidade. Infelicidade num post atacando o governo federal que foi o único que arcou com dinheiro até aos produtores. Enquanto governadores de SP e Rio e Janeiro desviaram arrecadações e permitiram o carnaval.
MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 25/05/2020

Oi Raphael, obrigado pelo comentário. O MilkPoint é de fato imparcial politicamente. Evitamos misturar política e leite porque cada um tem sua convicção e o site não é um espaço para tratarmos desse assunto. Nesse caso específico, é um artigo assinado por um autor externo, e também não é correto interferirmos. Caso o autor optasse pelo caminho oposto (defender a postura do governo no caso da pandemia), faríamos o mesmo.
MARISTELA NICOLELLIS

ITAPETININGA - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 21/05/2020

Lindo texto, Laerte! Bom saber que não estamos sozinhos nesta batalha. Tenho a sensação que já sofremos tanto como produtores de leite vivendo num país que nos trata como seres de segunda categoria, que esta pandemia nem está nos abalando tanto... Como já disse em outro comentário aqui nesta página, somos "gatos escaldados", conhecemos inúmeros entraves. Mas esta pandemia afetou todos os setores. Vamos ver se os consumidores percebem, finalmente, a nossa importância. Quanto às indústrias, fugimos desta relação desonesta e desrespeitosa há 23 anos, quando começamos a produzir queijos.
Não estou segura que esta pandemia trará maior consciência aos humanos... acho que temos muita sorte de passar a maior parte ao lado dos animais, que não nos enganam, não nos traem e são aquilo que são.
Um abraço! Maristela