ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Avaliação Genética Nacional da Raça Holandesa

POR TIMOTHEO SOUZA SILVEIRA

E CLAUDIO NAPOLIS COSTA

A.B.C.B.R.H.

EM 05/11/2021

5 MIN DE LEITURA

1
6

Atualizado em 05/11/2021

"A incorporação de outras características de importância econômica nos objetivos de seleção é uma realidade no cenário internacional em expressar o agregado genotípico das características produtivas, reprodutivas, resistência a enfermidades e funcionais, em índices de seleção."
 

Objetivos e Índices de Seleção

A produtividade do rebanho é um componente importante da eficiência técnico-econômica dos sistemas de produção de leite. O desempenho do rebanho, além das práticas de manejo, depende do seu padrão genético, cuja melhoria pode ser realizada pela seleção e acasalamento dos animais de melhor potencial genético para as características de importância econômica. Nesse particular, os animais devem apresentar um padrão genético equilibrado para permitir um bom desempenho durante a vida produtiva, ou seja, a redução de descartes por baixa produção, problemas reprodutivos, complicações no sistema mamário ou em outras funcionalidades.

A importância do desempenho do rebanho para a rentabilidade dos sistemas de produção de leite promoveu o interesse por outras características auxiliares, que passaram a ser consideradas nos programas nacionais de seleção, no sentido de melhorar a eficiência da produção animal. A incorporação de outras características de importância econômica nos objetivos de seleção é uma realidade no cenário internacional em expressar o agregado genotípico das características produtivas, reprodutivas, resistência a enfermidades e funcionais, em índices de seleção.
 

Estrutura e composição de Índices de Seleção

Atualmente, quase todos os países utilizam um índice de seleção para o mérito total, objetivando a obtenção de animais equilibrados quanto ao desempenho para as características produtivas, reprodutivas, resistência a enfermidades e funcionais. Uma avaliação dos objetivos e dos índices de seleção aplicados nas populações de bovinos leiteiros mostrou o interesse de vários países em também se dar ênfase às características não produtivas (Miglior et al., 2005)2.

As características incluídas nos índices de seleção podem ser classificadas em três grupos: produção e componentes do leite, que contribuem para maior renda; durabilidade ou características relacionadas ao aumento da renda, devido à maior vida produtiva ou permanência da vaca no rebanho; e as características relacionadas a saúde e fertilidade, que contribuem para reduzir o custo de produção, ou seja, os custos com perdas por descartes e tratamentos com enfermidades e complicações reprodutivas.

A análise dos diferentes índices mostra que a ênfase colocada em cada grupo de características pode variar, ou seja, não há um objetivo de seleção único que seja o melhor para uma população. As diferenças entre os países são devidas a diferenças nos mercados, sistemas de produção, custos e tipos de alimentos, disponibilidade de registros zootécnicos e sistemas de pagamento da indústria de laticínios.

Assim, em vários países procura-se definir um indicador de mérito genético para a rentabilidade da vida produtiva do animal, ao integrar as características produtivas, reprodutivas e funcionais, relacionadas a saúde, longevidade e fertilidade animal aos objetivos de seus programas de seleção.

No Brasil o critério de seleção nos programas de seleção das raças leiteiras geralmente inclui apenas as características registradas no controle zootécnico. Até recentemente o volume ou quantidade de leite era o principal componente da rentabilidade dos sistemas de produção, mas este processo têm evoluído com a valorização dos componentes e da qualidade do leite pela indústria de laticínios.

Neste sentido, em 2021, a Associação Brasileira de Criadores da Raça Holandesa incluiu as características porcentagem de gordura e de proteína no portfólio de seu Sistema de Avaliação Genética. Da mesma forma, no Sistema também foram incluídas as características reprodutivas – Taxa de gestação e Idade ao primeiro parto, conforme descrito no informativo sobre as características reprodutivas (Características Reprodutivas_AG21.pdf).

Em síntese, o Índice de seleção representa o objetivo de seleção para a produção de um animal eficiente, equilibrado, de qualificada estrutura de conformação corporal para com a aptidão leiteira e elevados desempenhos produtivo e reprodutivo. Assim, o Índice de seleção é uma forma de combinar informações sobre várias características e explorar o potencial benefício das correlações entre elas. O Índice é um indicador de mérito genético que pode ser usado para classificar os animais, para a sua seleção.

 

Índice de Seleção Genético - ISG

Neste ano de 2021, o CDT da ABCBRH promoveu uma avaliação do ISG, decidindo pela inclusão de novas características. Duas delas representando a composição qualitativa do leite, mensuradas na análise laboratorial de amostras de leite coletadas no controle leiteiro – as porcentagens de gordura e de proteína e mais duas representando a eficiência reprodutiva, mensuradas pela Idade ao primeiro parto e pela Taxa de gestação no pós-parto. Decidiu-se para a sua aplicação a partir das AG oficiais divulgadas em Agosto de 2021, realizadas com os registros zootécnicos de todos os rebanhos participantes dos serviços de controle leiteiro, genealogia e da classificação da conformação para tipo da raça Holandesa, no Brasil.

Assim definido, o Índice de Seleção Genético - ISG passou a incluir mais dois grupos, totalizando cinco conjuntos de características: Produção, Composição de sólidos do leite, Saúde do úbere (ECS), Reprodução e Conformação, com o objetivo de promover, respectivamente, o aumento das produtividades de leite, gordura e proteína; a redução das perdas por mastite, a melhoria da eficiência reprodutiva e da estrutura e capacidade funcional dos animais.

No seu cálculo, a PTA de cada característica, dividida pelo respectivo desvio-padrão, é ponderada pelo valor atribuído à sua importância relativa para com o ISG, que é assim o indicador do mérito genético agregado do animal.


3ECS: Escore de células somáticas, obtido da Contagem de células somáticas (CCS, 1000 células/ml) pela transformação: ECS = log2 (CCS/100) + 3.

Os valores de ISG foram calculados para os animais avaliados para todas as características de produção, composição, reprodução, ECS e de conformação. Portanto, não é possível calculá-lo e assim não está disponível para os animais sem avaliação genética para qualquer uma delas.

Os valores de ISG de touros e vacas são apresentados, juntamente com as demais características avaliadas, no Sistema WebLeite da ABCBRH e nas Tabelas e Relatórios disponíveis no Site das Avaliações Genéticas da raça Holandesa.

Neste ano, o ISG é apresentado para 830 touros, nascidos após 1999, com progênie em, no mínimo, cinco rebanhos (Tabela 1). É também disponibilizado para 34.654 vacas, fillhas de 1.154 touros, nascidas a partir de 2010, em 387 rebanhos nos Estados do ES, GO, MG, PE, PR, RJ, RS, SC, SE e SP (Tabela 2).

 

Tendências e ganhos genéticos

Nas Figuras abaixo são apresentados as tendências e os ganhos genéticos para o ISG de touros e de vacas, resultantes da Avaliação genética nacional da raça Holandesa, em 2021.

As tendências genéticas observadas resultaram em estimativas de taxas de ganho de 5,7 e 8,8 unidades/ano no ISG de touros e vacas, respectivamente.

Tais valores indicam que o padrão do agregado genotípico (compreendido pelas características que compõem o ISG) apresentou uma evolução conjunta favorável e consistente, mas com ligeiro viés de estabilização nos últimos anos que definem os respectivos períodos de nascimento.

Neste sentido, é importante estar atento ao padrão genético de touros e vacas selecionados para acasalamento, para promover a continuidade da tendência de ganhos positivos no agregado genotípico da raça Holandesa, no Brasil.

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário, isso nos ajuda a saber que conteúdos são mais interessantes para você. Quer escrever para nós? Clique aqui e veja como.

TIMOTHEO SOUZA SILVEIRA

CLAUDIO NAPOLIS COSTA

Zootecnista, UFV 1977
MS Zootecnia, UFV 1980
Ph. D. Melhoramento Animal, Cornell University 1998
Pesquisador Embrapa Gado de Leite

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MARCIO ANTONIO SANTOS

APARECIDA DE GOIÂNIA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 05/11/2021

Bom dia, O cronograma de voceis, e quaze identico com o meu, a diferença e que voceis trabalha com touros e eu trabalho com a IATF a 3 e 1/2 anos, eu tenho de aproveitamento de 95% de aproveitamento, a raça que trabalho e Jersey. Estou montando um semi confinamento , irrigado para 1500 cab, de Jersey, para produzir LEITE e Bezerros para Carne. Marcio.
MilkPoint AgriPoint