ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Leucose Enzoótica Bovina

POR LIBOVIS - UFRRJ

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 19/05/2021

6 MIN DE LEITURA

0
13

"A Leucose Enzoótica Bovina (LEB) também conhecida como Leucemia Bovina é uma doença infectocontagiosa de origem viral."

Etiologia

A Leucose Enzoótica Bovina (LEB) também conhecida como Leucemia Bovina é uma doença infectocontagiosa de origem viral, onde seu agente pertence à família Retroviridae, subfamília Oncovirinae e gênero Deltaretrovírus. Trata-se de um vírus envelopado que possui preferência por linfócitos B mas também pode infectar linfócitos T (RAJÃO et al., 2012).

O agente atua principalmente em células do sistema imunológico causando imunossupressão e cuja doença evolui de forma crônica apresentando longo período de incubação.

Animais positivos para LEB podem demorar anos para apresentar sinais clínicos e, dessa forma, a ocorrência na bovinocultura leiteira a qual os animais vivem durante mais tempo, é mais comum.

Em muitos casos o conhecimento da existência da LEB no rebanho se dá no momento do abate com a observação de lesões na carcaça, a qual será descartada (RAJÃO et al., 2012).

Epidemiologia

Acredita–se que a LEB tem a sua origem na Europa e que rapidamente se disseminou pela América por meio da colonização (AGOTTANI et al., 2012). Atualmente, a América do Norte possui alta prevalência em seus rebanhos (KUCZEWSKI et al., 2021) e no Brasil, o primeiro relato nacional ocorreu no ano de 1943 por Rangel e Machado e atualmente, há ampla distribuição do vírus pelo rebanho nacional.

Transmissão

A transmissão vertical pode ocorrer de forma transplancentária e pela ingestão do colostro e insetos hematófagos como os tabanídeos (mutucas) podem atuar como vetores em clima tropical.

A transmissão de forma horizontal é a mais comum através do contato direto entre os animais de forma que os manejos semi-intensivo e intensivo favoreçam a disseminação da doença.

O sangue atua como principal fonte de infecção, assim como secreções nasais e saliva podem conter alta carga viral de forma que o compartilhamento de fômites como agulhas, luvas de toque retal e uso do tatuador durante o manejo sem que haja desinfecção no uso de um animal para o outro, representam excelentes mecanismos de transmissão (RAJÃO et al., 2012).

Sinais Clínicos

A doença pode se caracterizar por evoluir de forma silenciosa (assintomática) ou apresentar linfomas característicos. Os animais podem apresentar inapetência, indigestão, diarreia, perda de peso, parto distócico, exoftalmia (devido à presença de linfomas nos olhos) (Figura 1), paralisia de membros e alterações neurológicas por compressão de nervos e úlceras no sistema digestório.

Quando apresentam sinais clínicos, a reversão do quadro é difícil e o animal acaba evoluindo a óbito poucas semanas depois. Por ser uma doença muita das vezes inaparente e de aparecimento tardio dos sinais clínicos, a doença se caracteriza por ser de difícil diagnóstico, levando animais doentes a infectar animais sadios em todo o rebanho (SPADETTO, 2013).

Figura - Exoftalmia em bovino com linfoma. Fonte: Panziera et al. (2014).

Diagnóstico

A confirmação do diagnóstico pode ser realizada através de exame sorológico ou pela observação de lesões e sinais clínicos da enfermidade como o aumento de linfonodos superficiais, principalmente os pré-escapulares, mamários, mandibulares e viscerais. Exames de sangue apresentam o aumento persistente no número de linfócitos B (SPADETTO, 2013).

Pode-se obter o diagnóstico pela realização de testes sorológicos ou histopatológicos. O teste sorológico mais usado é o teste de imunodifusão em ágar gel (IDAG), que permite a detecção de anticorpos contra o vírus da LEB em soro bovino e um resultado positivo consegue ser obtido geralmente 8 a 12 semanas após o animal ser infectado.

Animais testados como positivos terão a presença do vírus por toda vida e bezerros que se alimentam de leite de fêmeas infectadas podem apresentar resultado falso positivo. Animais acima de 6 meses que testam positivos por 3 vezes seguidas, são diagnosticados como animais infectados pela leucose enzoótica bovina (CORDEIRO et al., 1994).

O IDGA é o teste mais usado pela facilidade de utilização e por apresentar baixo custo comparado a outros métodos (RAJÃO et al., 2012).

Também existem outros testes diagnósticos como por exemplo o uso de radioimunoensaio (RIA) para a identificação de anticorpos; o ensaio imunoenzimatico (ELISA), usado em amostras de leite que possui maior sensibilidade à LEB do que o teste IDGA e o testes de reação em cadeia de polimerase (PCR), usados no diagnóstico precoce.

Pode-se fazer o diagnóstico histopatológico através de biópsias ou fragmentos de órgãos, que apresentarem formações tumorais. Em animais adultos os tumores são chamados de linfomas e geralmente aparecem em animais superiores a três anos de idade, desta forma entendemos por que essa enfermidade é mais diagnosticada em vacas leiteiras.

Em animais mais jovens geralmente estes tumores estão localizados em órgãos hematopoiéticos, ocasionando casos de leucemia linfocítica (PEREIRA et al., 2014).

Prevenção e controle

Muitos países europeus erradicaram a leucose (COMISSÃO EUROPEIA, 2015) o que impulsiona o mercado interno desses países a não adquirir produtos de origem animal de países que possuem a LEB mas como não há legislação ou programa oficial no Brasil, a orientação é o melhor caminho.

Devido ao agente etiológico ser um vírus envelopado, ações de higiene como o uso de detergentes, desinfecção de agulhas e não reutilização de luvas no manejo com os animais podem diminuir o contágio (AGOTTANI et al., 2012).

Outras práticas de manejo a serem consideradas são a ordenação dos animais na ordenha (primeiro são ordenhados os animais negativos e após, os animais positivos) e o controle de insetos vetores.

A principal forma de controle para a LEB em rebanhos é a realização de testes sorológicos ou histopatológicos e o descarte dos animais infectados. Em caso de soro prevalência alta no rebanho o correto seria realizar uma segregação de animais positivos e negativos e a adoção de medidas profiláticas com os bezerros nascidos de vacas positivas fornecendo colostro e leite de vacas não infectadas como medida de controle da transmissão do vírus, até que se possa substituir os animais infectados por animais não infectados, neste caso não é recomendado o descarte de todos animais, pois não seria viável economicamente ao produtor.

Além disso é de suma importância a conscientização e a transmissão de informação aos produtores e criadores sobre a doença para contribuir para a qualidade sanitária do rebanho.

Por se tratar de uma doença infecto contagiosa de difícil diagnóstico e não possuir tratamento eficaz atualmente, é necessário que se faça ações preventivas na propriedade para evitar a sua entrada e ações de controle de animais infectados presentes no rebanho, visto que as perdas econômicas e produtivas causadas pelo vírus da leucose são significativas para a pecuária brasileira e pode influenciar negativamente na exportação dos produtos nacionais.

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário, isso nos ajuda a saber que conteúdos são mais interessantes para você. Quer escrever para nós? Clique aqui e veja como.

Autores: 
Juliana Alves de Araujo¹
Samara Rosa Ferreira Silva¹
Ana Paula Lopes Marques²
Clayton Bernardinelli Gitti²

1 Discentes e 2 Orientadores, Grupo de Estudos Liga de Bovinos - LiBovis - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, UFRRJ

Referências Bibliográficas:
AGOTTANI, J. V. B. et al. Leucose enzoótica bovina: diagnóstico, prevenção e controle. VP-Laboratório de análises LTDA.–Veterinária Preventiva. Curitiba-PR, 2012. Disponível em: https://www.veterinariapreventiva.com.br/wp-content/uploads/2019/04/artigo1.pdf. Acesso em: 08 de abril de 2021.

COMISSÃO EUROPEIA. Relatório anual de 2014 de doenças bovinas e suínas. 2015. Disponível em: //ec.europa.eu/food/sites/food/files/animals/docs/la_bovine_final_report_2014.pdf. Acesso em: 09 de abril de 2021.

CORDEIRO, J. L. F. et al. Identificação e controle da leucose enzoótica bovina em um rebanho leiteiro. Pesq. Agropec. Bras., Brasília, v.29, n.8, p 1. 287-1.292, agosto de 1994.

KUCZEWSKI, A, et al. Revisão convidada: Vírus da leucemia bovina - transmissão, controle e erradicação. Journal of Dairy Science, 2021. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0022030221004203. Acesso em 09 de abril de 2021.

PANZIERA, W. et al. Aspectos epidemiológicos, clínicos e anatomopatológicos do linfoma em bovinos: 128 casos (1965-2013). Pesq. Vet. Bras., v. 34, n. 9, p. 856-864, 2014.

PEREIRA, A. L. M., COSTA, A. F., VESCHI, J. L. A. Soroprevalência da leucose enzoótica bovina. Revista Científica De Medicina Veterinária, FAEF, 2014.

RAJÃO, D. S. et al. Leucose Enzoótica Bovina. Cadernos Técnicos de Veterinária e Zootecnia. FEPMVZ editora, nº 64 - janeiro de 2012.

RANGEL, N. M.; MACHADO, A. V. Contribuição à oncologia comparada em Minas Gerais. Arq. Esc. Sup. Vet. MG, v. 1, p. 83-96, 1943.

SPADETTO, R. M., DIAS, A. S. Leucose Enzoótica Bovina – Revisão de literatura. Revista científica eletrônica de medicina veterinária. FAMED/FAEF, 2013.

LIBOVIS - UFRRJ

A Liga de Bovinos, LiBovis, é um grupo de estudos constituído por alunos de graduação em Medicina Veterinária e áreas afins da UFRRJ. Tem como objetivos estudar, compreender e defender os interesses da bovinocultura contribuindo para sua valorização.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint