ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Queijo maturado com ação de ácaros resulta em publicação pioneira de pesquisadores da UFV

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 24/07/2020

3 MIN DE LEITURA

1
1
A reputação dos ácaros nunca foi das melhores: o bicho frequentemente aparecia associado a alergias respiratórias e representado como um inimigo escondido em tapetes e cortinas. A infâmia do minúsculo aracnídeo se estende ao universo alimentício brasileiro, cuja legislação traz restrições a sua presença em laticínios, por exemplo. Mas o que era entendido como um problema pode se tornar uma oportunidade - e bastante lucrativa. Pesquisadores da UFV acabam de publicar resultados de um estudo que apresenta os efeitos benéficos da maturação de queijos com a ação de duas espécies desses microrganismos.
 
A nova fase da, digamos, imagem pública dos ácaros no Brasil deve-se à publicação, pelo periódico International Dairy Journal, do artigo científico Chemometric evaluation of the metabolites and volatile profiles of mite-ripened cheeses (Avaliação quimiométrica dos metabólitos e perfis voláteis de queijos amadurecidos por ácaros, em tradução livre), em cuja autoria estão incluídos quatro pesquisadores vinculados à UFV. As análises demonstraram que as espécies Tyrophagus putrescentiae e o Sancassania aff. feytaudi - este, pela primeira vez identificado em queijos - trouxeram acréscimos em termos de sabor e textura ao alimento, com potenciais implicações na geração de valor adicional para o mesmo.
 
Segundo a primeira autora, a graduada em Ciência e Tecnologia de Laticínios pela UFV e doutoranda em Ciência de Alimentos pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Michelle Carvalho, os estudos podem levar a uma revisão das normas adotadas no Brasil, gerando inovações no setor. "Na Europa, o uso de ácaros na maturação de queijos é regulamentado e bastante conhecido, possibilitando a produção de tipos como o francês Mimolette e o alemão Milbenkäse Würchwitzer. A legislação brasileira é influenciada pela norte-americana, de perfil higienista e muito restritiva. Esperamos que, com o que estamos demonstrando, seja possível modificar esse panorama, naturalmente dentro de padrões de segurança adequados", explica.
 
A pesquisadora conta que a demanda surgiu na própria indústria, onde atuava como consultora. Funcionários em uma linha de produção encontraram uma alteração em alguns queijos que provocou o surgimento de farelos, e pediram uma avaliação dela sobre o que estava ocorrendo. Uma vez identificados os ácaros, Michelle foi em busca de informações a respeito, mas não encontrou publicações, a não ser a legislação que proibia a presença dos seres. "Fui então conversar com colegas que produzem versões artesanais e eles me alertaram para o fato de que na Europa isso é comum. Assim, o que geraria desperdício aqui poderia, na verdade, ser uma oportunidade", observa.
 
O estudo, pioneiro, utilizou dois tipos de queijos: o do Serro, um dos mais antigos de Minas Gerais, e o Colonial, típico da região Sul do Brasil. Cada um deles foi maturado - isto é, deixado em repouso para passar pela ação de microrganismos em reações enzimáticas que alteram suas propriedades - por seis meses. Foram comparadas versões com e sem a presença de ácaros. Para auxiliar no estudo, duas técnicas foram utilizadas: a de Ressonância Magnética Nuclear (RMN), que identifica os subprodutos formados no processo, e a análise de compostos voláteis, que captura os fatores aromáticos decorrentes.
 
O resultado, em ambos os casos, foi de um produto considerado diferenciado e mais suave, confirmando a vantagem esperada pelo emprego do aracnídeo. "Em geral, a maturação torna o sabor mais picante e forte. Mas o queijo maturado com ácaro, seja o do Serro ou o Colonial, resultou em versões leves, equilibradas e adocicadas, independentemente do tipo", relata Michelle. Resultados que, ainda segundo a pesquisadora, podem se refletir em expressivo valor agregado ao produto, o qual pode ser comercializado por até cinco vezes o preço da versão tradicional.
 
Os pesquisadores agora vão testar os níveis de segurança do processo - isto é, se traz algum risco à saúde. "Vamos direcionar os estudos para avaliar aspectos toxicológicos e eventuais possibilidades de gerar alergias", afirmam o professor do Departamento de Entomologia da UFV, Eugênio Oliveira, que integra a pesquisa e também é um dos autores do artigo. A coautoria inclui ainda a professora Célia Fortes Ferreira, do Bioagro da UFV, o graduado em Química pela UFV e pesquisador da Embrapa Guilherme Julião Zocolo, além de pesquisadores de outras instituições, como o professor do Departamento de Tecnologia de Alimentos da UFSC, Juliano De Dea Lindner, coordenador do projeto. 
 
O estudo completo pode ser conferido clicando aqui.
 

Quer ficar por dentro do mundo lácteo por meio de um formato diferente? Siga o nosso canal no YouTube e acompanhe as nossas publicações! Vamos amar ver você por lá heart

 
As informações são do Portal UFV.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MARISTELA NICOLELLIS

ITAPETININGA - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 28/07/2020

Este trabalho é fundamental para esclarecer consumidores e legisladores aqui no Brasil. Quem está há muito tempo na produção teve de se digladear com pessoas desinformadas ou moldadas por padrões higienistas americanos durante anos. Nada como a informação científica para iluminar a ideia das pessoas!
MilkPoint AgriPoint