ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Novas tecnologias conferem eficiência à pecuária leiteira

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 29/12/2020

4 MIN DE LEITURA

0
2

A produção de leite no Brasil tem avançado e se profissionalizado nos últimos anos com um empurrão considerável do uso de novas tecnologias. E dados da Embrapa comprovam o movimento: enquanto o rebanho ordenhado caiu de 22,9 milhões de cabeças, em 2010, para 16,3 milhões em 2019, a produção por vaca aumentou de 1,3 mil para 2,1 mil litros por ano na comparação.

Um dos maiores produtores mundiais de leite, com quase 35 bilhões de litros por ano, o país é também um dos maiores consumidores, com média de 170 litros por habitante por ano, entre leite e derivados. O Ministério da Agricultura projeta que o valor bruto da produção (VBP) da cadeia será de R$ 41,3 bilhões em 2020, alta de 12,5% em relação a 2019, e crescerá mais 6,2% em 2021, para R$ 44,9 bilhões

Para Paulo Martins, chefe-geral da Embrapa Gado de Leite, sem tecnologia esse avanço seria inviável. Ele lembra que, por muitos anos, a pecuária leiteira foi encarada como “atrasada” e o “patinho feio” do agronegócio, mas que esse retrato já está desbotado.

Doutor em Economia, Martins diz que essa visão é uma herança da década de 1980 e precisa ficar no passado. “O tabelamento de preços dos alimentos foi o que retardou o avanço tecnológico do segmento. O leite pesava 8% na cesta do consumidor e, por isso, o governo segurava seus preços, o que teve efeitos nefastos para a cadeia”.

Ele afirma que na década de 1990 a situação começou a mudar, já que os produtores, que se tornaram competitivos à força, abriram os olhos para a necessidade de se modernizar. “Muita gente deixou a atividade, e os que ficaram foram se profissionalizando”, observa Martins. Pressão por eficiência e problemas de sucessão familiar nas fazendas aceleraram o processo.

Hoje, diz Renne Granato, gerente corporativo de negócios da cooperativa gaúcha Cotrijal, ser tecnificado na cadeia leiteira não significa simplesmente tirar o máximo de produção ao menor custo. “Um produtor tecnificado é o que se preocupa com bem-estar e nutrição animal, genética e gestão financeira”, afirma.

Dos cerca de 7,8 mil associados da Cotrijal, 1,1 mil são produtores de leite. Dentro dessas diretrizes, a Cotrijal firmou uma parceria em setembro de 2019 com a startup Cowmed, de Santa Maria (RS), que desenvolveu uma coleira de monitoramento capaz de detectar vacas no cio, doentes ou com qualquer alteração comportamental. Ao todo, 5% do rebanho dos cooperados - ou 2,1 mil vacas, de um total de 40 mil - já está sendo monitorado.

Fundada em 2010, a empresa tem 200 clientes, em 13 Estados, e fatura R$ 2,5 milhões por ano. Em 2016, a Cowmed recebeu R$ 4 milhões da gestora KPTL. Investidores individuais injetaram outros R$ 5 milhões em 2019.

Outra que desponta na pecuária leiteira conectada é a Agtech Onfarm, de Piracicaba (SP), que prevê faturar R$ 10 milhões em 2021 com a venda de uma solução para identificar problemas de mastite nos animais em lactação.

A empresa desenvolveu um hardware, o SmartLab - um minilaboratório que fica na fazenda em comodato - e também provê testes de identificação de bactérias em 24 horas. Conforme Laerte Dagher Cassoli, CEO da OnFarm, um pequeno produtor pode contratar o serviço por R$ 190 por mês, tendo direito a oito testes.

Em 2020, a OnFarm monitorou quase 100 mil casos de mastite e reduziu em 54% o uso de antibióticos nas fazendas onde estão os animais. É possível diminuir a aplicação de medicamentos com a identificação de casos em que a bactéria não responde ao tratamento ou em episódios de cura espontânea do animal, por exemplo.

Em 2019, a empresa recebeu R$ 4 milhões do fundo 10b Livestock, gerido pela 10b Gestora de Recursos, integrante da SK Tarpon, e acelerou seu crescimento. Hoje, cobre 12 Estados, tem 965 clientes e monitora 1,5 mil fazendas no país.

A meta para os próximos três anos é chegar a cerca de 15 mil propriedades no Brasil e crescer na Argentina, onde deverá desembarcar em janeiro. Depois virão Uruguai, México e Colômbia. Para além das porteiras das fazendas, a revolução também se materializa no trabalho de agtechs como a catarinense Bionexus, que monitora a qualidade do leite cru em indústrias e propriedades rurais.

A empresa recebeu investimento de carteira de 15 clientes diretos, que atendem mais de 2,3 mil propriedades. Outra que quer ganhar espaço é a mineira VoluTech, que acompanha em tempo real os tanques das fazendas e permite as indústrias de laticínios acesso a todos os pontos de coleta. A empresa tem o Laticínios Porto Alegre como cliente e prevê crescer em 2021.

As informações são do Valor Econômico. 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint