FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Foundation for the Future: um programa norte-americano de garantia de preços ao produtor e estabilização do mercado

POR RODOLFO TRAMONTINA DE OLIVEIRA E CASTRO

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 28/03/2011

4
1
A National Milk Producers Federation (NMPF, ou Federaração Nacional dos Produtores de Leite), organização que representa produtores e cooperativas de leite dos Estados Unidos, desenvolveu um projeto que visa mudar toda a estrutura de pagamento aos produtores norte-americanos.

O Foundation for the Future (FFTF, ou Fundação para o Futuro) propõe um pacote de mudanças às existentes políticas de composição e garantia de preços. A nova ideia difere-se dos programas vigentes por atuar na "proteção a margem de preços e estabilização do mercado", através de dois programas:

- Dairy Producer Margin Protection Program (DPMPP, ou Programa de Proteção a Margem do Produtor de Leite)
- Dairy Market Stabilization Program (DMSP, ou Programa de Estabilização do Mercado de Leite)

É importante ressaltar que a introdução desses programas passa pela eliminação de outros dois: Dairy Product Price Support Program (DPPSP, ou Programa de Suporte de Preços de Produtos Lácteos) e o Milk Income Loss Contract (MILC, ou Contrato de Perda de Receita do Leite), ambos em vigor.

Em linhas básicas, o DPPSP mantém um preço mínimo ao produtor comprando leite em excesso no mercado na forma de leite em pó desnatado, manteiga e queijos, e estocando esses produtos. O programa atua desde 1949 com o intuito de garantir um equilíbrio entre oferta e demanda e, portanto, preços, mas baseia-se na formação de estoques de intervenção para tal fim.

Assim, "o programa reduz a demanda por produtos norte-americanos e possibilidade de exportação, desfavorece o livre mercado e atuando contra o produtor", explicam analistas da NMPF.

O MILC teve início em 2002 e pelo programa, produtores de leite têm direito a um pagamento toda vez que o preço do leite fluido utilizado para consumo em Boston (Boston FMMO Class I) ficar abaixo de US$ 0,3334/kg. O produtor recebe até 45% da diferença entre seu preço de mercado e o do leite Classe I em Boston nos meses que isso ocorrer.

A NMPF critica o programa por: "oferecer um suporte falho para produtores que trabalham com margens baixas de lucro, desconsiderar altos preços de alimentação e utilizar-se de um preço de leite não representativo (o preço dificilmente fica abaixo desse valor)". Para a organização, a verba do MILC proveniente da Farm Bill de 2002, não é eficiente em garantir lucro ao produtor uma vez que ela só atua no preço e desconsidera outras variáveis.

É exatamente nesse ponto que o DPMPP atua, na garantia de uma margem de lucro. Como a tradução diz, trata-se de um Programa de Proteção a Margem do Produtor de Leite.

Dairy Producer Margin Protection Program

O programa, voluntário, tem duas opções de cobertura (seguro). O plano de cobertura básico, gratuito, "seria acionado em épocas de perdas catastróficas, garantindo pagamentos caso a margem (falaremos adiante de como esse valor é calculado) fosse menor que 17,6 centavos de dólar por quilo.

Os produtores podem receber os pagamentos por até 90% da sua média de produção histórica, definida como a sua maior produção de leite nos três anos anteriores ou do último mês extrapolada para 12 meses. Essa margem seria garantida por 50% da verba autorizada pelo Congresso Nacional, em outras palavras, uma alocação dos recursos direcionados ao MILC", explica o NMPF.

O plano de cobertura suplementar é a meninas dos olhos da Foundation for the Future. Segundo a NMPF, "essa modalidade é também garantidora de uma margem de 90% na média histórica de produção, contudo, possibilita um acréscimo do valor assegurado, atuando como uma ferramenta de gestão de risco. É a garantia dos produtores de uma margem de lucro e de matéria-prima para a indústria, uma espécie de hedge".

Para explicar seu funcionamento é necessário mostrar como é feito o cálculo da margem.

A margem, diferente dos programas em vigência, é calculada pela diferença do All Milk Price (preço do leite independente do destino da matéria-prima e único para todos regiões do país, divulgado mensalmente pelo USDA) e o custo da alimentação. Nesse custo, além de uma dieta hipotética a base de milho, soja e alfafa, também são considerados gastos com vacas secas, novilhas para reposição e bezerros.

A partir disso, o produtor pode assegurar no máximo 90% de sua produção e até a margem de 17,6 centavos de dólar por quilo, incluindo a cobertura sem custos do plano básico (8,8 centavos de dólar/kg). Exemplificando:

Um produtor de 1.000 litros diários (365 mil litros anuais) faz um seguro suplementar de 4,4 centavos de dólar por quilo de 50% da sua produção ao custo anual de US$ 623,87 (365 mil litros * 50% da produção * 4,4 centavos de dólar/kg * US$ 0,0034/kg de premium, ou custo do "seguro"), mais o plano básico de 8,8 centavos por 90% da produção.

Supondo o preço projetado do leite a US$ 0,3415/kg e o custo de alimentação a US$ 0,1656/kg, a margem seria de US$ 0,1675/kg, ou abaixo dos 17,6 centavos de dólar/kg. Dessa margem o produtor seria subsidiado em US$ 28,9 mil (365 mil litros * 90% da produção * 8,8 centavos de dólar/kg) pelo plano básico e US$ 8 mil (365 mil litros * 50% da produção * 4,4 centavos de dólar/litro) do plano suplementar.

A um custo anual de US$ 623,87 o produtor receberia US$ 36,9 mil caso o preço do leite e o custo de alimentação se mantivessem nesses valores durante todo o ano.



Essa tabela refere-se ao cálculo efetuado exemplificado acima e como é realizado pelo Programa de Proteção a Margem. Alguns campos que necessitam de preenchimento: produção diária; % da produção que deseja assegurar no plano suplementar; valor do seguro suplementar (em centavos de dólar por quilo).

Após o preenchimento dos mesmos e clicando em calcular, a calculadora dará as respostas de quanto o produtor receberia pelo plano suplementar se a margem durante o ano fosse menor que 17,6 centavos de dólar/kg e o custo desse seguro (Premium anual). O pagamento total refere-se a aos pagamentos do plano suplementar mais o plano básico, que funciona gratuitamente.

Dairy Market Stabilization Program

"O DMSP não é um programa de regulamentação da oferta, ele é um programa de estabilização de mercado. Ele não é referenciado no preço do leite, mas na margem, com o intuito de reduzir os valores extremos. O programa será um moderador da volatilidade", explica a NMPF.

O programa atuará alertando produtores quando o mercado apresentar algum desequilíbrio entre oferta e demanda, auxiliando-os a ajustar sua produção de leite para equiparar com a demanda. "O DMSP entraria em ação quando a margem ficasse abaixo de certo valor por 2 meses consecutivos. O produtor seria alertado para ajustar sua produção nos próximos 30 dias e essa redução da oferta geraria uma elevação dos preços. Em um cenário favorável, de elevação da demanda, ele também seria alertado em até que valor poderia aumentar sua produção".

O pagamento do DMSP funciona da seguinte maneira: o produtor recebe, dependendo da margem, somente por uma porcentagem da sua produção e fica condicionado a ter seu preço recebido pelo leite reduzido. Por exemplo, se a margem ficar abaixo de 13,2 centavos de dólar por quilo por dois meses consecutivos, o produtor receberá por 98% da sua produção e o preço pago pelo seu leite poderá sofrer uma redução de até 6%.

São três os pontos chaves do programa: i) permitir o crescimento da produção de forma mais segura, corrigindo os desequilíbrios temporários entre oferta e demanda; ii) reduzir a volatilidade da margem permitindo um maior controle nos preços; e iii) limitar as importações e favorecer as exportações.

Considerações finais

O Foundation for the Future é um dos três programas (além dos já vigentes) que estão sendo propostos para a próxima Farm Bill, de 2012, para garantir a remuneração do produtor de leite, que em 2009 amargou um ano trágico.

Grupos desenvolvem programas ou projetos para receber parte da verba da Farm Bill, a principal política para agricultura do Governo Federal dos EUA. Como a economia do país está ainda em processo de recuperação da crise, a expectativa para 2012 é de que o montante destinado a alguns segmentos seja menor. Por isso, o setor leiteiro dos EUA tem debatido qual será o melhor programa de suporte.

"Dentre os três programas, o FFTF traz a melhor abordagem teórica e técnica para garantia de preços ao produtor. Entretanto, trata-se da manutenção da produção de leite através de diferentes formas de subsídio. Portanto, contra o livre-comércio". É essa opinião do Departamento de Análise Econômica do American Farm Bureau Federation, uma espécie de corregedoria de propostas ligadas ao setor agrícola. Para eles o FFTF terá uma barreira difícil de ser transposta, o vigente Programa de Suporte de Preços de Produtos Lácteos, o que deve dificultar sua aprovação. Mesmo assim, considera a proposta como a iniciativa mais orientada ao mercado atual e que irá atuar como uma forma de seguro agrícola, gerenciando riscos.

"Das duas frentes de atuação a de estabilização do mercado foi a que recebeu as criticas mais positivas nas análises. O Programa de Estabilização do Mercado de Leite é o menos proibitivo e o melhor orientado no sentido de controle da produção e garantia de preços.

Trata-se de um programa menos subsidiado, mas com maior grau de exigência para que dê certo. Contudo, caso funcione, deve possibilitar um crescimento da oferta equilibrado à demanda, favorecendo os produtores de leite norte-americanos com preços mais ajustados e protegendo o mercado doméstico", segundo o departamento.


Atualmente, os programas do FFTF foram formatados para avaliação do Congresso, que analisa as leis por seus impactos economicos e sociais. Esse processo deve ter fim em meados de abril e deve sinalizar possíveis alterações no programa para posterior processo de aprovação, programado para a Farm Bill 2012.

Apesar de ser cotado como um dos melhores programas apresentados, segundo alguns especialistas do setor, é ainda incerto se será aprovado. Principalmente em razão do possível corte de orçamento pelo qual a política norte-americana está passando.

Faça o download do programa com narração em inglês clicando aqui.

Veja mais sobre o programa clicando aqui.

RODOLFO TRAMONTINA DE OLIVEIRA E CASTRO

Engenheiro Agrônomo formado pela Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz"-USP, e Analista de Mercado do MilkPoint.

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ANASTACIA HALAJDA RESSEL

PONTA GROSSA - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 10/12/2012

Fernando falta união da classe e mais pagamos todos os anos a contribuiçaõ sindical rural que vai para a CNA, pegunto o que a federação de agricultura e pecuária do seu estado está fazendo por seus produtores que a mantém? Falta se unir e cobrar ,como voce falou já está pago, é só saber cobrar o que é de direito.
FERNANDO CENSONI

PARACATU - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 13/05/2012

Discordo com os senhores.

A protecao ao produtor é essencial para proteçao da atividade.

Quem dera tivessemos estas políticas por aqui.

Isso não é subsidio disfarçado, isto é proteção declarada, coisa que deveriamos fazer também, o Brasil é um pai que nao protege seus filhos, um padrasto.

Sic. (Gustavo) Tem que barrar importações de lácteos produzidos neste sistema, com já deveria estar barrando. Isso é proteção!! Deveriamos estar fazendo mesmo.

A politica adotada por eles veio da pressão dos produtores atravéz de suas cooperativas e associaçoes, com a intenção de proteger o produtor em uma eventual crise, ja que existe um fundo que para este fim.

Amigos é por isso que pagamos os impostos, para sermos protegidos (coisa que nao ocorre). Temos fundo formado por verbas acumuladas provenientes de impostos que PAGAMOS "f.rural e ICM" é uma fortuna que vai para os cofres públicos todo mes.

Nunca tivemos retorno destas verbas que são nossas, e  o pior, não podemos requisitar e nem temos acesso a credito sem dispor de garantia.

TEMOS QUE REINVINDICAR NOSSO DIREITO! ASSIM COMO FAZEM OS AMERICANOS
FERNANDO ENRIQUE MADALENA

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 04/04/2011

Concordo com o Sr. Gustavo Carvalho. Subsídio à produção tende a proteger os menos eficientes. Melhor subsidiar o consumo.
GUSTAVO SILVEIRA BORGES DE CARVALHO

LAGOA DA PRATA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 29/03/2011

Isto é subsídio disfarçado. O melhor regulador de mercado é o próprio mercado. Se não está satisfeito com a atividade. Pede pra sair, como diria o comandante Nacimento.
Agora, o Brasil não pode cair nesta. Tem que barrar importações de lácteos produzidos neste sistema, com já deveria estar barrando.