FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Brasil amplia liderança no ranking mundial de superávits agrícolas

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 30/11/2020

3 MIN DE LEITURA

0
1

O Brasil se consolidou nos últimos 25 anos como o maior exportador líquido (diferença entre exportações e importações) de produtos agropecuários do mundo, apesar do persistente protecionismo e de crescentes barreiras sanitárias e fitossanitárias no comércio global de alimentos. É o que confirma um levantamento recém-concluído pela Organização Mundial do Comércio (OMC), que reforça as perspectivas de que essa tendência, que se tornou mais aguda a partir do ano 2000, ainda deverá se aprofundar.

O secretariado da OMC preparou o estudo para o aniversário dos 25 anos do acordo agrícola costurado pela entidade, e o Brasil é, certamente, um de seus pontos de destaque. Se já era o maior exportador mundial de commodities como açúcar, café e suco de laranja em 1995, nas décadas seguintes o país assumiu a liderança também nos embarques de soja, o produto agrícola mais comercializado no mercado internacional, e se firmou como um dos maiores do planeta também em milho, algodão e carnes.

Entre 1995 e 2019, as exportações globais de produtos agrícolas mais que triplicaram, de US$ 286 bilhões para US$ 1,051 trilhão. E os principais concorrentes brasileiros perderam fatias de mercado, enquanto as participações do país aumentaram. A América do Norte, que dominava quase 30% das exportações agrícolas mundiais em 1995, viu o percentual recuar para 22% em 2019. Os Estados Unidos, que eram os maiores exportadores mundiais, com 22,2% do total em 1995, caíram para o segundo lugar, com participação de 13,8%.

No ranking das exportações, a liderança passou a ser da União Europeia (16,1%), mas graças à colaboração dos 28 países do bloco, e o Brasil, assumiu de vez o terceiro lugar (7,8%). Com a arrancada brasileira e o avanço de países como a Argentina, a participação das Américas do Sul e Central nas exportações agrícolas totais aumentou de 14,5% para 17,6% de 1995 a 2019.

A China, por sua vez, tornou-se o maior país importador de produtos agropecuários do mundo, com compras que triplicaram entre 1995 e 2019. A segunda maior economia do mundo importou 12,7% dos produtos agrícolas comercializados no exterior em 2019, ante 3,6% 25 anos antes. Mas os maiores importadores agrícolas são os EUA, com 13,6%.

No tabuleiro dos maiores “exportadores líquidos” do setor, no entanto, o Brasil se firmou com um indiscutível campeão, com os embarques superando as importações em US$ 71,5 bilhões em 2019. A UE ficou num longínquo segundo lugar no ano passado, com US$ 35,2 bilhões. E grande parte desse saldo positivo brasileiro se deve às vendas para os chineses, que em 1995 eram exportadores líquidos e se transformaram nos maiores importadores.

Boa parte dessa simbiose sino-brasileira tem relação com a soja. O grão foi o produto agrícola mais importado do planeta em 2019, com fatia de 5,5% na receita total. Em 1995, a oleaginosa ocupava apenas a sexta posição e o café liderava a lista, com 5,3% do total. Agora o café é apenas o 11º produto mais comprado no comércio agrícola global.

Em 1995, o Brasil era o segundo maior exportador de soja, com 10,6% do total, atrás dos EUA, que tinham 74,9%. A situação se inverteu em 2019, quando a participação do Brasil chegou a 51,7% e a dos EUA caiu para 37,1%. Ao mesmo tempo, a China, que importou apenas 1% da soja comercializada no planeta em 1995, comprou 62,3% do total em 2019, e desbancou com folga a UE, cuja fatia caiu de 52,8% para 9,7%.

Nas exportações de carnes, a participação brasileira cresceu 4,8% para 17,8% e ficou atrás apenas da dos EUA (20,5%). O Japão continua a ser o maior importador nesse mercado, com 14,5%, e a China ocupa a terceira posição, com 8,1%.

Também no comércio mundial de algodão o Brasil avançou. O país sequer estava entre os dez maiores exportadores em 1995. Mas em 2019 apareceu na segunda posição, com 17,8% dos embarques totais, atrás apenas dos EUA (42%) e à frente da Índia (7,6%). A China, sem surpresa, lidera as importações, com 26,5%.

O trabalho da OMC realça, ainda, que no ano passado os preços globais dos alimentos ficaram 24% acima do patamar observado em 1995. Na média, houve crescimento de 0,9% ao ano. Em 2015, cerca de 61% do conteúdo do valor agregado nas exportações agrícolas tiveram origem no próprio setor agrícola, e 39% vieram de outras indústrias ao longo das cadeias de produção.

As informações são do Valor Econômico.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint