ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Associação Italiana de Criadores de Gado de Leite adotou o índice da relação verão/inverno

POR ISRAEL FLAMENBAUM

COWCOOLING - FLAMENBAUM & SEDDON

EM 16/04/2021

11 MIN DE LEITURA

0
2

Os produtores de leite em todo o mundo estão cada vez mais conscientes de que lidar com as condições de carga de calor é um dos fatores-chave para manter bons níveis de produção e lucratividade. A Itália enfrenta frequentes períodos de extrema carga de calor, com vacas no verão fora de sua zona de conforto térmico. 

A Associação Italiana de Criadores de Gado Leiteiro (AIA), como parte do projeto LEO financiado pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER), adotou o Índice de Relação Verão/Inverno desenvolvido em Israel, como uma ferramenta para avaliar o impacto da carga de calor nas vacas, e o grau de sucesso quando implementado nas fazendas. O índice é baseado na relação entre o desempenho das vacas no verão (julho - setembro) e o desempenho no inverno (janeiro - março).v 

Os resultados apresentados neste artigo, são baseados em dados oficiais de desempenho coletados pelo AIA na Itália, no período de 2014-2020, em cerca de 2.500 fazendas leiteiras localizadas na região do Vale do Pó, no norte da Itália, principalmente na província de Lombardia (a principal região leiteira, com aproximadamente 75% de todas as vacas leiteiras do país).

Os dados registrados incluíram índices produtivos, entre eles, FCPM (produção de leite modificada para 4% de gordura e 3,3% de proteína), produção de leite diária normal, porcentagem de gordura e proteína do leite e produção de leite no pico da lactação. A taxa de concepção de todas as inseminações foi usada como medida de fertilidade, enquanto as medidas de saúde incluíam a contagem de células somáticas (CCS) no leite.

Além disso, apenas para o ano de 2020, o índice da relação verão-inverno medido em todas as fazendas da região testada, foi comparado ao medido em um grupo de 100 fazendas leiteiras da mesma área geográfica, nas quais um programa de consultoria (Arienti “Element program") foi executado pela empresa italiana, projeto do qual o Dr. Flamenbaum participa.

Este programa teve início em 2018 e inclui o fornecimento de recomendações sobre como instalar e operar o sistema de resfriamento durante o verão, adaptando-o às condições especiais de cada fazenda, bem como, monitorar durante o verão o grau de sucesso no resfriamento, através de visitas técnicas frequentes e uso de registradores de dados intravaginais, para monitorar a temperatura corporal da vaca.

Os dados das fazendas do "Programa Element" são apresentados para o ano de 2020 de duas maneiras. A primeira era de 38 fazendas do programa que começaram a resfriar as vacas em 2020, enquanto as segundas 62 fazendas do programa eram aquelas que começaram a resfriar as vacas um ou dois anos antes.

A razão para esta divisão está no fato de que descobrimos que a "qualidade operacional" do tratamento de resfriamento foi menor no primeiro ano, em comparação com operá-lo depois de um ano e mais. Além disso, algumas das fazendas que operam o resfriamento no primeiro ano estão começando a fazê-lo já no período de verão.

A fim de caracterizar a carga de calor entre os anos de 2014-2020, foram divulgados dados climáticos de âmbito nacional e constatou-se que o ano de 2020 foi um ano muito mais quente do que a média dos últimos 60 anos. Com base em dados preliminares, 2020 ocupa o terceiro lugar na série, com o nível mais alto em 1,6 graus Celsius em comparação com a média climática dos últimos 60 anos (apenas menos que os anos de 2015 e 2018, que foram mais quentes).

O ano de 2020 foi o vigésimo quarto ano consecutivo com um desvio positivo em relação à norma, indicando aumento do aquecimento, como pode ser visto na Figura 1.

Figura 1 - Temperatura média anual em toda a Itália, expressa como um desvio (em graus Celsius) da temperatura média dos anos 1961-2020. O ano de 2020 está marcado em uma coluna amarela.

A flutuação sazonal na produção mensal de leite e na média de dias no leite entre o inverno e o verão em cada um dos anos testados é mostrada na Figura 2

Figura 2 - Produção média diária de leite por vaca (kg) e número médio de dias em lactação (DIM), nos rebanhos leiteiros da região de Po Valley, nos diferentes meses dos anos 2014-2020.

O apresentado na Figura 2 mostra uma tendência clara de aumento nas médias de produtividade nos meses de inverno e verão ao longo do período testado, com um intervalo variando de 2,5 a 3,5 kg por dia. A diferença foi relativamente pequena em 2014, caracterizada por um verão confortável, e grande em 2015, caracterizada por um verão particularmente quente.

O número médio de dias em lactação (DIM), também varia em torno de 180 dias nos meses de inverno e 220 dias no verão, esgotando-se o efeito da estação quente na taxa de concepção (como veremos a seguir).

Uma vez que os dados sobre a relação verão/inverno no relatório italiano são médias normais (ao contrário do relatório em Israel que lida com "médias corrigidas"), sem dúvida parte do efeito na relação verão/inverno na Itália é devido ao maior número de dias em lactação no verão (mais vacas no meio e no final da lactação).

A relação de desempenho entre verão e inverno representa, como mencionado, o grau de impacto da estação quente no desempenho das vacas, por um lado, e a melhoria que pode ser obtida com a correta instalação e operação dos meios de resfriamento das vacas. no outro. A relação verão/inverno da produção média diária de leite de vacas em primeira lactação e vacas adultas, em todas as fazendas da região de Po Valley nos anos de 2014 a 2020, é apresentada na figura 3.

Figura 3 - Relação verão/inverno da produção média diária de leite das vacas de primeira lactação e adultas, em todas as fazendas da região do Po Valley nos anos de 2014 a 2020 (em azul, primeira lactação e em laranja, as vacas adultas)

Do apresentado na figura 3 pode ser visto claramente que o efeito negativo da carga de calor na produção de leite é maior em vacas adultas do que em vacas jovens, semelhante ao que vemos em Israel. Esta relação está amplamente relacionada com a intensidade da carga de calor a que as vacas são expostas a cada verão e, de fato, se voltarmos à Figura 1, parece que o verão de 2014 foi relativamente agradável, então a relação verão/inverno foi maior.

Por outro lado, no verão de 2020, embora tenha feito calor semelhante ao dos três anos anteriores, a relação era maior, o que provavelmente pode ser atribuído ao aumento do uso de meios de resfriamento nas fazendas da região, resultado de nossa intensa atividade lá nos últimos anos.

Como já fizemos no passado em Israel, também aqui examinamos a relação verão/inverno entre fazendas com diferentes níveis de produção. As fazendas leiteiras na região do Pó Valley foram divididas em três grupos, com base no rendimento médio por vaca em 2020.

(a) Alta produção (acima de 35 kg/dia), (b) produção média (entre 28 e 35 kg/dia ) e (c) baixa produção (menos de 28 kg/d). A relação entre a produção de leite de verão e inverno, de acordo com o nível de produção da fazenda, é apresentada na figura 4.

Figura 4 - Relação da produção de leite verão/inverno de acordo com o nível de produção da fazenda, entre 2014 e 2020. (azul - nível alto, laranja, nível médio e cinza, nível baixo)

Semelhante aos resultados obtidos em Israel, também na Itália encontramos maior relação de produção de leite de verão para inverno nas fazendas com alta produção de leite, aparentemente, uma vez que esses rebanhos levam a um melhor manejo, o que muito provavelmente inclui, entre outras coisas, o uso de resfriamento intensivo significativo no verão.

O gap entre as fazendas com alto e baixo nível de produção tem aumentado nos últimos três anos e principalmente em 2020, novamente, provavelmente em decorrência da adoção de técnicas de resfriamento promovidas na região por fazendas mais avançadas.

Para avaliar o impacto da implantação de sistemas de resfriamento intensivo nas fazendas, calculamos especialmente o índice de relação verão/inverno em um grupo de 100 fazendas leiteiras participantes do "Programa de resfriamento Arienti Element", empresa italiana, fabricante e instaladora de meios de resfriamento.

O cálculo foi feito separadamente para 38 fazendas leiteiras que começaram a resfriar as vacas pela primeira vez no verão 2020, e 62 fazendas leiteiras que começaram a resfriar as vacas um ano ou mais antes do verão 2020.

A razão para esta divisão é baseada no conhecimento de que o resfriamento no primeiro ano é mais limitado devido à falta de experiência dos produtores em sua operação e ao fato de em parte das fazendas a instalação do sistema ter ocorrido já no período de verão.

O resultado da comparação da relação verão/inverno em uma série de índices produtivos, sanitários e reprodutivos nas fazendas do "programa Elemento Arienti" (resfriamento no primeiro ano ou mais de um ano), é comparado ao do total de fazendas leiteiras na região do Pó Valley, que é um grupo heterogêneo de fazendas, provavelmente incluindo também fazendas que usam resfriamento intensivo, mas não existe informação sobre isso. A comparação é apresentada na tabela 1.

Tabela 1 - Relação verão/inverno para índices produtivos, de saúde e reprodutivos nas fazendas do "programa Arienti Element" (primeiro ano e segundo ano e mais de operação), em comparação com a média das fazendas leiteiras na região do Pó Valley em 2020

Os resultados mostrados na tabela 1 confirmam nossa suposição de que se deve esperar pelo menos um verão antes de considerar a contribuição total da operação intensiva do sistema de resfriamento na fazenda.

Em todos os parâmetros, além do efeito do resfriamento intensivo nos dias para atingir o pico de lactação, melhores taxas de desempenho podem ser observadas nas fazendas do programa de resfriamento que operaram o resfriamento a partir do segundo ano, em comparação com todas as fazendas na região testada.

Como esperado, e semelhante ao que é aceito em Israel, o efeito é maior nas vacas adultas, nas quais a relação verão/inverno para a produção de leite foi de 0,96 (como a média das fazendas leiteiras de grande escala em Israel), em comparação com uma proporção de 0,91 em todas as fazendas do Po Valley.

Nas fazendas do programa de resfriamento quase não há diferença entre as estações no percentual de vacas com alta produção diária de leite, em comparação com todas as fazendas leiteiras da região (0,97 e 0,73, respectivamente), bem como na produção de pico de lactação (1,00 vs. 0,96, respectivamente).

A concentração de células somáticas no leite e a porcentagem de vacas com alta concentração de células somáticas foram visivelmente menores nas fazendas do programa de resfriamento, o que provavelmente indica melhor saúde do úbere e vacas com menos mastite nessas fazendas.

A fertilidade do verão nas fazendas do programa de resfriamento também foi melhor, e a porcentagem de gestações no verão chegou a 74% do que no inverno (melhor do que os resultados israelenses), em comparação com apenas 57%, em todas as fazendas do Po Valley.

As médias mensais de 3 dos índices examinados: (a) produção de leite (b) contagem de células somáticas e (c) taxa de concepção de todas as inseminações, nas 62 fazendas leiteiras que participaram do "programa Elemento Arienti" são apresentadas na figura 5.

Cada índice é examinado em três períodos diferentes: "sem resfriamento" (um ano antes do início do resfriamento), "primeiro ano" de ativação do sistema de resfriamento na fazenda e "muitos anos", onde os resultados no segundo e terceiro anos de operação do sistema de resfriamento são apresentados.

Figura 5 - Médias mensais de (a) produção diária de leite (b) concentração de células somáticas e (c) taxa de concepção de todas as inseminações, nas 62 fazendas leiteiras que participaram do "programa de resfriamento Arienti", no ano anterior à entrada no projeto, sem resfriamento, no primeiro ano de operação do sistema de resfriamento na fazenda e para o segundo e terceiro anos de operação.

Pelo apresentado na figura 5, pode-se perceber claramente o aumento gradativo da produção diária de leite das vacas e, ao mesmo tempo, a redução do gap na produção de leite entre o verão e o inverno.

Ao mesmo tempo, observa-se uma diminuição gradual da contagem de células somáticas no leite, bem como uma redução na extensão da diminuição da taxa de concepção das inseminações feitas no verão.

A tendência de melhora gradativa no "programa de resfriamento" das fazendas está de acordo com a experiência adquirida ao longo dos anos em Israel e em outros lugares do mundo, onde programas semelhantes foram implementados.

Isso significa que, além de melhorar o desempenho da vaca no primeiro verão de resfriamento, você também pode esperar um melhor desempenho no inverno seguinte (provavelmente quando as vacas parirem em melhores condições corporais), e como a diferença entre as estações continua diminuindo, nós continuamos vendo uma tendência geral de melhoria de desempenho por vários anos.

Em conclusão, pode-se dizer que a adoção do índice de relação verão-inverno pela Associação Italiana de Produtores de Leite e sua elaboração para todos os membros da associação, permitiu examinar o impacto da carga térmica de verão no desempenho de vacas em diferentes idades e fazendas de diferentes níveis de produção.

O mesmo índice permite detectar e quantificar o efeito positivo do resfriamento intensivo na redução das perdas de desempenho no verão, isto comparando um grupo de fazendas leiteiras onde foi realizado um programa especial de resfriamento, com o resto das fazendas da mesma região.

Os resultados desta comparação confirmam o que já sabemos, que o resfriamento intensivo das vacas no verão contribui para aumentar a produção de leite anual da fazenda, aumenta a eficiência da produção de leite, reduz o custo da produção de leite e leva ao aumento da lucratividade da fazenda.

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário, isso nos ajuda a saber que conteúdos são mais interessantes para você. Quer escrever para nós? Clique aqui e veja como.

ISRAEL FLAMENBAUM

Especialista no estudo do estresse térmico em vacas leiteiras, professor na Hebrew University of Jerusalém, tem ministrado cursos e treinamentos sobre o assunto em diversos países.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint