carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Opinião: por que o mercado virou?

Por Roberto Jank Jr.
postado em 05/09/2016

55 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Nesse ano em que os preços posicionaram-se fora da curva, vários agentes do mercado acostumados com o comportamento do leite foram surpreendidos por oscilações e patamares nunca antes confrontados no atacado, varejo e também ao produtor. Já nesse momento da inversão da curva, ascendente até há poucos dias, também a queda do “spot” está sendo rápida e surpreendente. Será um reflexo do mercado frente à ascensão? Muitos dizem que o mercado é totalmente soberano. Será? Vamos analisar.

É possível que um crescimento negativo da produção em 2015 e 2016 (o primeiro, em 23 anos) possa se recuperar com essa dinâmica meteórica? Na seca, com custos altos de alimentos? Mais ainda, no caso do varejo, com queda de consumo na retomada das aulas apesar dos preços menores?

O primeiro movimento de baixa que enxergo é o enorme poder com que se apresenta o varejista, especialmente as grandes redes de supermercado. Veja que isso nada tem a ver com o consumidor. Nesse ano ficou provado o que é, de fato, um produto com baixa elasticidade de renda. Mesmo com preços fora da curva, ainda assim o consumidor não deixou de comprar leite. Possivelmente reduziu o consumo de derivados lácteos após os preços cruzarem a tênue linha do seu poder de compra, mas esses são produtos de alta elasticidade.

Por que o supermercado consegue impor preços para trás à revelia do consumidor? Em primeiro lugar sinto uma dicotomia entre o setor responsável por captação de leite e pela gerencia comercial das indústrias de leite.

No setor de vendas das indústrias, normalmente atribui-se importância apenas ao valor de compra da matéria-prima, esquecendo-se do contexto da produção e mercado externo. Já no setor de captação industrial é mais comum o entendimento de que leite cru mais caro ou mais restrito significa melhor margem na venda ao atacado; ou seja, normalmente é um jogo de ganha-ganha entre produtor e indústria. Mas para quem vende ao atacado, apenas o custo dos insumos importa. Por isso a decisão de importações pontuais maciças, em parte por indústrias captadoras de leite cru, que vão abastecer de forma rápida e desequilibrada o mercado, infiltra-se em todos os segmentos de vendas por vasos comunicantes, causando desvios de matéria-prima para setores antes equilibrados. Esse aspecto deverá ser confirmado com o fechamento dos volumes de leite em pó que entraram no país em agosto.

Porém esses mesmos agentes esquecem que a queda dos preços da matéria-prima reflete-se imediatamente nos preços de venda, especialmente pelo nervosismo das indústrias financeiramente mais frágeis, que compram mais barato e imediatamente vendem mais barato, agindo como traders. Com essa “carta marcada” dos preços na mão, os grandes varejistas saem do mercado exercendo seu papel impositor de preços. Como consequência, as indústrias sobram com seus estoques, muitas vezes caros como no presente momento e inicia-se a derrocada dos preços do atacado e varejo. Isso já é conhecido, mas seguimos sempre reprisando o mesmo filme.

Isso tem a ver com o consumo? Não creio. O consumidor vinha comprando caro e deixa imediatamente de comprar quando fica barato? Ou quando voltam aulas nas escolas? Não creio.

A meu ver, esse é um movimento simples de restrição de compra dos supermercados, de sensível administração de estoques pelos laticínios e de maior ou menor exposição do valor desse estoque com relação aos preços ora praticados. Mas nesse último caso, com um agente muito forte e difícil de ser confrontado: o grande varejista.

Isso não necessariamente significa que a produção aumentou ou que o consumidor deixou de consumir, como sugerem alguns agentes. Mas se estou certo ou errado, vamos saber logo. De fato o mercado virou. Mas a culpa é da nossa cadeia mesmo, porque não soubemos aprender com as lições do passado.

Saiba mais sobre o autor desse conteúdo

Roberto Jank Jr.    Descalvado - São Paulo

Produção de leite

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

Cláudio Henrique Oliveira de Carvalho

Cássia - Minas Gerais - Zootecnista/Responsável Técnico
postado em 05/09/2016

Bom dia, Roberto.

Concordo com você que, em espaço tão curto de tempo, tenha havido uma reposição tão rápida nos estoques a ponto de haver influência tão imediata nos preços. Mas, confesso que me preocupou quando foi noticiado que haveria, novamente, uma abertura por parte do país às novas importações de leite. Não acredito que esse movimento tenha sido somente com intuito de melhorar nossos estoques!
O varejo tem, sim, esse poder no país de determinar os valores.
Não sei se concorda, mas tem um cunho extremamente político nessa movimentação toda. Nota-se, nitidamente, nas reportagens feitas principalmente pelos telejornais de massa, onde, habitualmente, colocam os produtos agrícolas como vilões do momento. E, ultimamente, o leite tem sido a "bola da vez". E, em momentos de valores extremamente baixos, o destaque não ocorre com tanta intensidade.

Att.,

Cláudio H. O. de Carvalho.

Eduardo Amorim

Patos de Minas - Minas Gerais - Produção de leite (de vaca)
postado em 05/09/2016

Concordo com o companheiro Roberto Jank   Suspeito também que as grandes redes de supermercados podem estar por trás das quedas do preço do leite. Jogam com o leite UHT a anos colocando sempre na entrada dos super e hipermercados com preços geralmente em promoção para atrair o consumidor para outros produtos de maior valor agregado. Num cenário de custos de produção nas alturas produzir leite neste país é uma atividade cada dia mais penosa e sem nenhum reconhecimento. Hora de unirmos as forças como outros setores fizeram e hoje são respeitados.

Marius Cornélis Bronkhorst

Arapoti - Paraná - Produção de leite
postado em 05/09/2016

Boa colocação  Marcos

A historia se repete .
Dentro de algumas semanas promoçoes e liquidacão de leite pois o prazo de validade acaba em x dias.
Não seria o caso de diminuir o prazo de validade para assim diminuir os estoques etirar dos
super e hipermercados o poder de barganha e os laticinios fazerem menores estoques .

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade