ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Inseminação Artificial: conservação e transporte do sêmen

POR GUILHERME FIORESI MARQUES

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 27/10/2008

5 MIN DE LEITURA

6
0
A utilização e viabilização da técnica de "Inseminação Artificial" exigem um módulo mínimo do rebanho para que haja retorno econômico adequado. Em todos os casos deve-se questionar se a monta natural não é a opção que melhor atende aos interesses econômicos e do programa de melhoramento genético a ser implementado. A escolha da modalidade de inseminação depende fundamentalmente da sua adequação ao nível tecnológico do rebanho.

A utilização de sêmen a fresco, refrigerado ou congelado, apresenta como característica o fato de requerer um maior volume de trabalho quando comparada à monta natural, e é necessário a detecção do estro das ovelhas a serem inseminadas, a colheita, avaliação e manipulação do sêmen e o ato com contenção individualizada das ovelhas.

Fresco

Quando a inseminação é feita após a coleta, o espaço de tempo entre a coleta e a inseminação deve ser o menor possível. Em geral, quando a inseminação é feita com sêmen fresco, não devemos conservá-lo mais de ½ hora fora do organismo. O fato de a inseminação não ser feita após a coleta, determina uma série de operações destinadas a conservar a integridade do sêmen, a fim de que os espermatozóides possam alcançar o óvulo com potencia de fecundação.

Refrigerado

É necessário lançar mão de artifícios para deter a motilidade dos espermatozóides, determinante do esgotamento. Para isso, são usadas substâncias nutritivas e termorreguladoras, efetivando o equilíbrio ácido-basíco sobre a cápsula lipóide, com ação protetora e nutritiva.

É de extrema importância que o processo de resfriamento do sêmen para conservação, se faça gradualmente, em escalas de 5 em 5ºC, com permanência mínima de 15 minutos em cada escala. A temperatura mantida para conservação varia de acordo com o tempo de conservação, entre:

0ºC a 5ºC - 48 horas;
0ºC a 15ºC - 6 horas;
0ºC a 10ºC - 6 a 10 horas;
0ºC a 2ºC - mais de 48 horas

Congelamento por criopreservação

Os princípios e técnicas a serem utilizadas na criopresevação do sêmen ovino se equivalem as dos demais ruminantes domésticos. Cada espécie possui composição seminal distinta, havendo ainda peculiaridades quanto à composição e sensibilidade das membranas espermáticas ao processo de criopreservação.

A congelação e a descongelação do sêmen determinam marcadas alterações na estrutura da membrana, redução do transporte espermático e sua viabilidade no sistema genital das ovelhas. Após a descongelação, o percentual de membranas íntegras fica reduzido em 70% e foi encontrada uma correlação positiva entre este percentual de membranas íntegras imediatamente após a descongelação e a motilidade após 8 horas de incubação a 37°C.

Outros autores consideram que somente 10 a 20% das células espermáticas continuam competentes para a fecundação, após a descongelação. Isto tem sido sustentado através de experimentos comparativos, utilizando inseminações com sêmen fresco e congelado.

Os crioprotetores podem ser classificados em intracelulares, constituídos de moléculas pequenas requerendo maior concentração e extracelulares, constituídos de moléculas grandes e que requerem uma menor concentração para que protejam as células contra as crioinjúrias. O glicerol, o DMSO (dimetil sufóxido). O l .2-propanodiol e o etileno glicol, são intracelulares. Os extracelulares são constituídos de grandes moléculas de açúcar como a sacarose, rafinose, proteínas e liproteínas contidas no leite, gema de ovo e soro sangüíneo.
Conclui-se que o sêmen ovino pode ser congelado utilizando como crioprotetor o etileno glicol, que quando utilizado na concentração de 0,5M proporciona motilidade e vigor semelhantes a do glicerol, porém com uma melhor proteção acrossomática.

O transporte do sêmen

O sêmen do carneiro devidamente conservado, pode ser usado até 3 dias após a coleta. Os resultados não são constantes, havendo casos de pouca fertilidade, apesar de apresentar o sêmen boa motilidade. Para o envio de sêmen a grande distancia, são necessários cuidados especiais, a fim de que as condições de conservação não sejam alteradas. Usa-se para fim, sêmen diluído e proveniente de reprodutores de fertilidade comprovada, apresentando números elevado de espermatozóides, bem como as outras condições determinantes da boa qualidade.

A temperatura deve ser mantida entre 0 e 5 ºC. Esta se obtém colocando o sêmen dentro de um tubo de ensaio esterilizado, envolto em algodão ou papel e colocado dentro de um outro tubo de diâmetro maior, devidamente arrolhado. Para o transporte, são usadas garrafas térmicas com boca larga. Nestas operações o sêmen deve ser manipulado com o máximo de cuidado. Tanto os diluentes como os francos devem estar na mesma temperatura do sêmen. Em geral, faz-se o resfriamento no refrigerador, passando posteriormente para a garrafa térmica devidamente preparada.

Já no congelamento utiliza-se o botijão que é um recipiente térmico com isolamento a vácuo, destinado à conservação do sêmen, sendo que para tanto ele deve receber Nitrogênio líquido, que conserva as doses de sêmen congeladas a uma temperatura de -196ºC (cento e noventa e seis graus centígrados negativos) por tempo indeterminado, desde que se mantenha um determinado nível mínimo, abastecendo-o periodicamente.

O botijão deve ser manipulado com o máximo cuidado para evitar danos que possam resultar em prejuízos. Para diminuir os riscos com o botijão, é aconselhável a construção de uma caixa de madeira para seu acondicionamento. O botijão não pode sofrer choques (batidas), nem movimentos muito bruscos, além de tombar derramando todo o seu conteúdo. O nitrogênio líquido evapora constantemente, devendo o inseminador estar atento para evitar perda de sêmen por falta de nitrogênio não devendo ficar com nível inferior a 15 cm.



A- Tampa protetora B- Apoio da tampa C- Estrutura de alumínio D- Pescoço em isolante E- trava da tampa F- Canecas identificadas G- Sistema quimico para retenção do vácuo H- Apoio das canecas J- Super Isolamento a vácuo

Assim, torna-se possível, com estas operações, o transporte de sêmen para fazendas separadas por grandes distâncias.

Bibliografia

Bicudo, S.D.; Azevedo, H.C.; Silva Maia, m; Sousa, D.B.; Rodello, L. Aspectos peculiares da Inseminação Artifical em ovinos. Disponível em: https://www.emparn.rn.gov.br/links/publicacoes/Marciane/ASPECTOS%20PECULIARES%20DA%20INSEMINA%C7%C3O%20ARTIFICIAL%20EM%20OVINOS.pdf Acessado em 20 de outubro de 2008.

DA SILVA SOBRINHO, A.G.;Criação de ovinos.Jaboticabal: FUNESP, 1997.p. 138-142,

MORAES, Cácio do Nascimento; NEVES, Jairo Pereira; GONCALVES, Paulo Bayard Dias et al. Criopreservação do sêmen ovino em Pellets com etileno glicol. Cienc. Rural, Apr./June 1998, vol.28, no.2, p.287-292. ISSN 0103-8478.

Vanzin, I. M. Manejo com o botijão. In: Inseminação Artificial. Desenvolvido por Ivan Marcus Vanzin Disponível em: https://www.inseminacaoartificial.com.br/introducao.htm Acessado em 20 de outubro de 2008.

GUILHERME FIORESI MARQUES

6

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JUVENTINO LOURENÇO DA SILVA

RIO DE JANEIRO - RIO DE JANEIRO - PESQUISA/ENSINO

EM 12/05/2017

Boa tarde, gostaria que por favor alguém informe uma empresa que transporta botijão com N2- (nitrogênio líquido)



juventino.fundacaoflora@gmail.com
CARLOS ROBERTO BIANCHI

VILA VELHA - ESPÍRITO SANTO - ESTUDANTE

EM 02/06/2016

Olá onde encontro um botijão bem pequeno? Pois preciso trazer da Bélgica um boa quantidade de sêmen.
RICATI L. MAJEWSKI

ERECHIM - RIO GRANDE DO SUL

EM 27/05/2016

Bom dia. Para fazer a importação de uma dose de sêmen congelado, existe frasco/botjão de pequeno porte? Qual o menor frasco/botijão possível e onde posso adquirir? Grato desde já.
ANDRÉ LUIS ROCHA

GOIÂNIA - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 31/10/2008

Oque tem se usado para diluição de semem fresco e para congelamento com boa taxa de fertilidade? Qual a dose de mistura (diluição)?
GUILHERME FIORESI MARQUES

SÃO PAULO - SÃO PAULO

EM 29/10/2008

Prezado José Pereira Guimarães,

É permitido a reutilização do botijão, mais em primeiro lugar, fazer o resfriamento com o nitrogênio, em seguida completar e durante alguns dias medir o nível para saber se o botijão esta mantendo o nitrogênio, para não prejudicar a fertilidade do sêmen.

Atenção: tomar muito cuidado ao fazer a primeira carga de nitrogênio.

Estas informações não são de origem literarias e sim de atividades práticas em centrais de sêmen.

Um abraço e boa sorte,
JOSE PEREIRA GUIMARAES

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE OVINOS

EM 27/10/2008

O meu botijao ficou vazio ,sem semens e N2 , por longo período . Gostaria de saber se posso voltar a utiliza-lo. Um abraço . José P. Guimaraes.
MilkPoint AgriPoint