FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

PR: pecuaristas contabilizam perdas pela geada

Dessa vez o problema não foi na lavoura. As baixas temperaturas registradas no último fim de semana na região Oeste do Paraná causaram problemas principalmente para os pecuaristas.

Quem trabalha com gado leiteiro viu as pastagens serem queimadas pela geada, o que compromete o trato dos animais e, consequentemente, a produtividade e o custo de produção do leite. “O pasto e a grama queimaram tudo. Sobrou um pouco de aveia, mas sem chuva também não cresce”, comenta o produtor de leite Ervino Krause. “Quem não fez estoque de silagem e feno vai passar por apuro”, alerta.

Por outro lado, o pecuarista ressalta que os produtores que trabalham na atividade há mais tempo já têm noção das variações climáticas da região e, por isso, se prepararam com silagem, sorgo e feno, este último que tem maior produção no verão e preço mais competitivo.

Nessa circunstância, declara ele, a produtividade do animal acaba diminuindo para quem não tem o gado confinado e depende do pasto, o que é a realidade de boa parte dos produtores de leite de Marechal Cândido Rondon. “E a maioria são pequenos produtores. Quem depende da pastagem vai ter uma quebra grande. Se o produtor não tiver preparado o estoque de comida, terá um alto custo com complementação de feno e ração. Agora tem disponível a cana, que vai matar a fome do animal, mas não vai ter influência na produção”, enaltece.

Para Krause, a produção nesta época do ano está na casa dos 500 litros ao dia, porém, no verão, a produtividade pode passar dos 800 litros ao dia.


(Foto: Mirely Weirich)

Morte de leitões

Em uma das madrugadas mais frias do ano, de sábado (06) para domingo (07), quando os termômetros marcavam 2ºC, cerca de 300 leitões morreram em uma Unidade Produtora de Leitões (UPL) de sete mil matrizes na Linha Felicidade, em Entre Rios do Oeste. O problema, segundo o produtor Jorge Rambo, não foi o frio, mas, sim, uma queda de energia que durou aproximadamente quatro horas. “A granja conta com placas aquecidas no chão, que é como o leitão se aquece. Quando começa a cair a temperatura, consequentemente o animal começa a passar frio. Com a queda de energia, devido ao esfriamento das placas, os leitões começaram a morrer”, lamenta o produtor.

Leia também > MilkPoint de olho nas redes (#11), sua fazenda também está sofrendo com as geadas?

As informações são do O Presente.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.