ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Projetos com novas variedades forrageiras visam avanço na produção de leite

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 19/05/2022

7 MIN DE LEITURA

0
0

Atualizado em 18/05/2022

Cientistas australianos estão desenvolvendo novas variedades e espécies de forragem para apoiar a indústria de laticínios à medida que os sistemas agrícolas mudam e se adaptam à variabilidade e volatilidade do clima.

A pesquisa Future Forages faz parte do programa DairyBio21–26 e também melhorará as variedades e espécies de forragem existentes. O programa começou em julho de 2021 e o objetivo é impulsionar a produtividade e a lucratividade das fazendas leiteiras australianas.

O DairyBio21–26 é uma iniciativa da Agriculture Victoria, Dairy Australia e da Gardiner Dairy Foundation.

O programa continuará a pesquisa e inovação da DairyBio16–21, que fornecerá híbridos F1 e edição de genes no programa de forragem. Também introduzirá novas características e seleção de genes no programa animal. Eventualmente, o programa fornecerá aos produtores opções de forragem de alta qualidade adaptadas e transformadoras.

O programa proporcionará um enorme ganho genético de 3x em azevém de curto prazo e uma variedade de forragens futuras. As forragens serão mais bem adaptadas às mudanças climáticas. Haverá também um aumento unitário de 15% na qualidade da forragem através da digestibilidade em azevém de curto prazo, luzerna e gramíneas de estação quente.

 

Tecnologia acelerada

A DairyBio também deve fornecer um aumento de 20% na biomassa de azevém de curto prazo e perene. O programa expandirá essa tecnologia em espécies relevantes e importantes para a indústria de laticínios. Processos de reprodução rápida serão desenvolvidos e entregues, incluindo seleção genômica, híbridos F1 e integração e exploração de edições de genoma em espécies de azevém.

Os locais de demonstração ajudarão a acelerar a tecnologia. “Ao alterar uma lignina e disponibilizar mais energia em uma variedade de forragens, nós as tornaremos muito mais amigáveis às fazendas leiteiras”, disse Noel Cogan, líder do programa de forragens DairyBio. “Um dos principais resultados de ambos os programas da DairyBio é impulsionar melhorias de lucratividade por meio de ganhos de eficiência – ou seja, produzir mais leite para os mesmos ou menos insumos – e melhorar a qualidade do pasto tem uma relação direta com o aumento da produção de leite.”

Uma das maiores empresas de sementes da Austrália, a Barenbrug, é parceira comercial do programa e fornecerá híbridos F1. “Isso aumentará a biomassa do azevém em pelo menos 20%”, espera Cogan. “Isso é igual a mais de 20 anos de melhoria da indústria de criação. Além disso, também temos novos endófitos e ferramentas que consideram como o ambiente e os genes interagem – que é fenômica – sendo integrados em nossa criação comercial”.
 

Melhorias de lucratividade

Os produtores de leite australianos puderam ver um aumento de 20% no lucro da fazenda por meio da adoção de tecnologia aprimorada por locais de demonstração. Ver a aplicação da tecnologia pessoalmente é uma maneira importante para os produtores avaliarem as opções e determinarem com confiança a adequação da tecnologia e dos produtos para seus sistemas de produção.

De acordo com Cogan, os locais de demonstração são uma ponte conhecida entre a pesquisa e a adoção de novas tecnologias ou produtos pelos produtores. “Estamos montando locais onde podemos demonstrar a aplicação comercial desses produtos em condições locais. E estamos ansiosos para convidar a indústria para vir e ver as melhorias de lucratividade em que estamos trabalhando.”

A Universidade de Melbourne descobriu em 2016 que a lucratividade poderia cair de 10 a 30% até 2040 devido ao clima se os produtores de leite não se adaptassem às condições mais quentes e secas. A pesquisa do Dr. Brendan Cullen e da Dra. Margaret Ayre mostrou variabilidade de lucro de ano para ano que dependia do sistema de produção. Os sistemas mais intensivos dependem mais dos preços elevados do leite e dos preços mais baixos dos alimentos para animais e são capazes de obter um grande lucro – e uma grande perda.

Os sistemas menos intensivos têm um nível médio de rentabilidade semelhante, mas não os mesmos níveis de variabilidade. No futuro, sistemas menos intensivos em algumas regiões podem trazer menos riscos e reverter as tendências atuais para tamanhos de rebanho menores, menos alimentação com grãos e menor taxa de lotação.
 

Temperatura futura

A pesquisa demonstrou que, para que a pecuária leiteira seja viável no futuro, os produtores precisam se adaptar às mudanças climáticas, e parte dessa adaptação é cultivar o melhor pasto para as condições.

O cientista pesquisador da Agricultura Victoria e professor da Universidade de Melbourne, Kevin Smith, tem trabalhado no projeto Future Forages, financiado pela Agriculture Victoria, para entender melhor a maneira como os climas futuros afetarão o padrão sazonal de crescimento e digestibilidade das pastagens.

Este projeto usa modelagem climática para determinar como serão as futuras temperaturas e chuvas em 2030, 2050, 2070 e 2090 em nível regional para determinar as necessidades futuras de forragem. “Análogos climáticos são onde o clima futuro esperado do local de interesse é combinado com o clima atual de outro lugar”, explica Smith. “Eles nos permitem ver de forma prática como será o clima do local de interesse no futuro. Usamos as previsões do cenário climático com foco nas taxas de precipitação e temperaturas mínimas e máximas, juntamente com registros climáticos históricos de 2015 para criar uma linha de base e modelar as mudanças previstas”, ressalta o professor Smith. “Os resultados para cada área foram calculados usando variações de temperatura e precipitação baixas, moderadas e altas e, em seguida, comparados com os climas atuais em outros lugares para escolher análogos climáticos”.

O benefício desta pesquisa para futuras forrageiras é que viveiros e parcelas experimentais podem ser localizados nos análogos climáticos para garantir a adaptação ao ambiente futuro.
 

Foco na qualidade da forragem

Prevê-se que as mudanças no rendimento, persistência e nutrição do clima afetem todas as forrageiras temperadas. O azevém perene será ainda mais afetado pela previsão de aumento de eventos extremos de calor na primavera, já que o início da primavera é a estação chave para a produção. O projeto identificou uma série de prioridades de pesquisa para futuras forrageiras para dar tempo para a indústria de laticínios se adaptar ao clima futuro. “Precisamos expandir o trabalho de modelagem e incluir gramíneas subtropicais nos ambientes”, disse Smith. “Também precisamos incluir persistência na modelagem com o aumento da frequência de eventos climáticos extremos e requisitos de re-semeadura para todas as espécies.”

A criação direcionada de espécies forrageiras com foco na qualidade é essencial, assim como investigar e melhorar a digestibilidade das gramíneas de estação quente. Também é essencial desenvolver locais de reprodução e demonstração agora que serão alinhados ao clima no futuro, com áreas de laticínios para reprodução e teste de forragens.

De acordo com o diretor de grandes projetos de inovação e co-diretor da DairyBio, Kevin Argyle, as descobertas do projeto de modelagem de clima e pastagens serão inestimáveis para o desenvolvimento de futuras forrageiras para a indústria de laticínios. “Sabemos que o clima está mudando e precisamos nos adaptar a isso.”
 

Tecnologia para ver o pasto crescer

Novas tecnologias podem ajudar os produtores a cultivar pastagens mais produtivas e utilizá-las melhor para melhorar o manejo da alimentação do gado.

Pesquisadores da Agriculture Victoria desenvolveram sensores em tempo real que podem medir o rendimento do pasto à medida que ele cresce, ajudando os produtores a estimar mais facilmente a quantidade de ração que eles têm para que possam tomar decisões mais informadas. Isso pode ser decisões sobre quando mover o estoque para dentro ou fora dos piquetes e se eles precisam considerar mais ou menos alimentação suplementar, como feno e grãos.

A pesquisa foi financiada conjuntamente pelo governo vitoriano, Dairy Australia e Gardiner Foundation por meio dos programas DairyBio e DairyFeedbase. Também está fornecendo informações úteis aos criadores de plantas, potencialmente ajudando a acelerar o desenvolvimento de variedades de plantas novas e melhoradas para os agricultores.

Smith enfatiza que a pesquisa combina as mais recentes tecnologias de sensores do solo ao satélite para fornecer informações em tempo real sobre o crescimento das plantas.
 

Medir plantas em programas de melhoramento

“Além de proporcionar aos produtores a capacidade de melhor alocar pastagens aos animais, essa tecnologia tem o potencial de medir plantas individuais em programas de melhoramento para permitir que os melhoristas selecionem plantas com maior precisão, com o objetivo de triplicar a taxa de ganho genético, ”Smith diz.

Os pesquisadores têm trabalhado com fazendas parceiras e empresas de criação desde os estágios iniciais do projeto para garantir que a tecnologia seja adequada às necessidades de pesquisadores e produtores.

As primeiras indicações são promissoras com a tecnologia de sonar e satélite sendo testada em fazendas leiteiras em Victoria para medir a matéria seca do pasto.

“Desenvolvemos um sistema de aquisição e análise baseado em sensores para medir o rendimento da matéria seca, as características nutritivas e a sobrevivência de centenas de milhares de plantas individuais no maior viveiro de reprodução de azevém perene do mundo, baseado na Hamilton SmartFarm”, explica Smith. “Antes, esse trabalho envolvia a laboriosa tarefa de contagem física de plantas, coleta de amostras de plantas e análise em laboratório, o que seria impossível em grande escala.”

Smith disse que o desenvolvimento dessa tecnologia não apenas fornecerá informações críticas aos produtores para informar sua tomada de decisão de gerenciamento, mas também fará com que novas variedades de pastagens mais adequadas às mudanças climáticas estejam disponíveis mais cedo.

As informações são do Dairy Global, traduzidas e adaptadas pela equipe MilkPoint. 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint