FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Mapeamento espacial possibilita avaliar disponibilidade de forragem em diferentes sistemas

Uma pesquisa coordenada pela Embrapa Informática Agropecuária (Campinas-SP), em parceria com Embrapa Pecuária Sudeste (São Carlos-SP) e Embrapa Meio Ambiente (Jaguariúna-SP), avaliou a variabilidade espacial e mapeou espacialmente a disponibilidade de forragem em três sistemas pecuários: intensivo, extensivo e integração lavoura-pecuária (ILP).

Os dados foram estimados por medidas de altura do dossel e massa de forragem obtidos nas estações chuvosa e seca na fazenda Canchim, sede da Embrapa Pecuária Sudeste.

A geoestatística permitiu espacializar os dados quando detectada a dependência espacial, resultando em mapas precisos para verificar a disponibilidade de forragem em diferentes estações hídricas e sistemas de manejo da pastagem. O mapeamento auxilia no processo de diagnóstico das condições de vigor da cobertura vegetal e na quantidade de forragem disponível para os bovinos.

“Com a análise geoestatística foi possível interpolar sem tendência e com variância mínima, ou seja, com maior precisão possível, a disponibilidade de forragem considerando apenas cerca de 45 pontos de amostragem em cada sistema. O resultado na forma de mapas de variabilidade permite visualizar o que acontece espacialmente dentro de cada sistema, facilitando a correlação com outros dados espaciais obtidos pelo projeto como os índices de vegetação”, explica pesquisadora Célia Regina Grego da Embrapa Informática Agropecuária.

Resultados

O sistema ILP e o intensivo foram os que mais disponibilizaram forragem na estação chuvosa, evidenciando que boas práticas no manejo melhoram a disponibilidade de forragem para o animal.

Nos sistemas ILP e extensivo, a disponibilidade de forragem diminuiu da estação chuvosa para seca, indicando maior sensibilidade à disponibilidade hídrica do que o sistema intensivo, onde se leva em conta a lotação animal para garantir a disponibilidade de forragem e o ganho de massa para todos os animais. A variação nos mapas de disponibilidade de forragem mostra-se decorrente da mudança de estação de chuvosa para seca, com menos evidência no sistema intensivo.

Conclui-se com o trabalho que o sistema ILP foi o que disponibilizou maior quantidade de forragem na estação chuvosa, comparado com o sistema intensivo e extensivo de pastejo. Portanto, o mapeamento foi eficiente para verificar espacialmente a relação de disponibilidade de forragem em diferentes estações hídrica e sistemas de manejo da pastagem.

As informações são da Embrapa Pecuária Sudeste. 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.