ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Leite no foco do novo governo do Rio

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 02/04/2019

2 MIN DE LEITURA

3
8

No último dia 28/03 foi realizada, na sede da Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro), reunião para discutir o futuro da cadeia láctea no estado do Rio de Janeiro. O MilkPoint Mercado, por meio de seu sócio diretor, Valter Galan, esteve presente participando da discussão e fazendo a apresentação “Cadeia láctea brasileira e seus desafios no Rio de Janeiro”.

A apresentação contextualizou o mercado lácteo no mundo, apresentou as tendências mais recentes da cadeia láctea no Brasil, em relação à produção de leite, produtividade no campo, estrutura industrial e consumo de lácteos. Por fim, foram apresentados alguns resultados do Diagnóstico da Cadeia Láctea no Estado do Rio de Janeiro, trabalho realizado em 2017 pela equipe do MilkPoint Mercado, e os desafios do leite fluminense no sentido do crescimento da cadeia produtiva do estado.

Um ponto relevante que permeou a discussão foi o enorme potencial de desenvolvimento do leite no Rio de Janeiro em função de seu grande mercado consumidor. Como mostra o gráfico 1, o estado consome, anualmente, cerca de 3 bilhões de litros de leite equivalente, produzindo apenas cerca de 17% deste consumo. As “importações” de lácteos do Rio de Janeiro vindas de outros estados brasileiros resultam em quase 2,5 bilhões de litros anuais, mais do que a produção total de leite do nosso vizinho de Mercosul, o Uruguai!

Gráfico 1. Rio de Janeiro - Consumo, produção e volume de “importação” de outros estados. Fonte: MilkPoint Mercado, Diagnóstico da cadeia Láctea no estado do Rio de Janeiro.

Presente na reunião o sub-secretário da Agricultura do Estado, Ramon Neves, indicou a importância do leite no desenvolvimento do agronegócio do Rio, bem como no atingimento da meta estabelecida pelo governador do estado, de chegar a 10% do PIB fluminense vindo do agronegócio.

O presidente do Sindlat (Sindicato das Indústrias de Laticínios do estado do Rio de Janeiro), Antônio Carlos Celles Cordeiro destacou a importância do evento e da presença de diferentes secretarias de estado e entidades ligadas ao agronegócio, como Pesagro, Emater e Defesa Agropecuária. Para Antônio Carlos, a oportunidade é única para a construção de um planejamento estratégico efetivo, com metas agressivas, mas factíveis, que auxilie no objetivo macro do governo estadual e também no desenvolvimento da cadeia láctea no estado.

O MilkPoint Mercado, juntamente com o Sindlat, Secretaria da Agricultura, Emater, Pesagro, Defesa Agropecuária e outras Secretarias Estaduais (como Desenvolvimento Econômico, das Cidades e da Fazenda), elaborará proposta para implementação do plano estratégico do leite para o estado do Rio de Janeiro.

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

FLAVIO DE MORAES

VOLTA REDONDA - RIO DE JANEIRO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 08/04/2019

Realmente insumos mais baratos fará toda diferença além de uma boa assistência técnica. Sem esta o produtor terá dificuldade de se planejar a implantar um bom sistema de produção..
WAGNER OLIVEIRA SOUZA

SANTO ANTÔNIO DE PÁDUA - RIO DE JANEIRO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 04/04/2019

Para que não seja mais um programa como os anteriores que nunca funcionaram e levaram muitos produtores a inadimplência ou mesmo a falência, comecem simplesmente eliminando o imposto dos insumos que encarecem nossa ração em mais de 8%. O Estado do Rio não produz um grão de milho e soja que são os principais ingredientes para formulação de ração. Tudo vem de Minas ou outros estados. A energia é a mais cara do País e sem irrigação não tem pastagem para gado leiteiro. Sem ração a vaca não da leite e sem capim de qualidade não enche a barriga. Analisem o programa de passado recente (rio genética) e façam uma auditoria para saber quem de fato foi beneficiado com venda de vacas super valorizadas aos iludidos produtores que se atolaram em dívidas e muitos perderam as poucas que tinham e as que compraram. Nossas estradas vicinais continuam sendo os caminhos do século passado e as máquinas compradas com recursos do Banco Mundial serviram para eleger muitos políticos que hoje sabemos serem os mesmos demagogos e com as mesmas práticas nocivas a administração pública. Façam uma pesquisa e verifiquem as falências das Cooperativas do Norte e Noroeste fluminense e por que isso ocorreu, sem que nenhuma autoridade do setor se manifestasse. Sugiro que para início de qualquer programa, conversem com o Dr. Silvio, Presidente da Cooperativa de MACUCO. No meu entender é a única que vai sobreviver na Região.
Wagner Oliveira Souza - Santo Antônio de Pádua - RJ
ILDEFONSO AGUIAR COELHO

BOM JESUS DO ITABAPOANA - RIO DE JANEIRO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 02/05/2019

Exato Sr Wagner. Infelizmente, eu concordo com cada colocação destacada. Mas, trabalho com consultoria na região do RJ e ES e gostaria muito de poder ajudar nessa retornada ou melhor, em propor/discutir uma nova forma de gestão para o nosso Norte do Rio de Janeiro. Fica meu contato, para acrescentar a qualquer movimento de vitalização da pecuária de nossa região. (22) 99800.7955. Ildefonso.
MilkPoint AgriPoint