ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Índice de preços de alimentos da FAO recuou 3,5% no ano passado

O índice de preços de alimentos da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) subiu 0,9 ponto percentual em dezembro em relação a novembro, para 161,7 pontos. Mesmo assim, a variação acumulada em 2018 foi negativa em 3,5%, e a média anual ficou em 168,4 pontos, 27% abaixo do recorde de 2011.

De acordo com a FAO, a variação mensal refletiu as altas das carnes e dos óleos vegetais, que compensaram o recuo dos preços dos lácteos e do açúcar. Já a queda do índice no ano foi atribuída à retração do açúcar e, em menor escala, também aos recuos de óleos, carnes e lácteos o período.

Em dezembro, o indicador que mede especificamente as oscilações dos cereais ficou em 167,1 pontos, avanço de 1,8% em relação ao mês anterior impulsionado por milho e o trigo. No acumulado de 2018, o indicador do grupo subiu 9% na comparação com a média de 2017.

O indicador de preços dos óleos vegetais alcançou 125,8 pontos em dezembro, um avanço mensal de apenas 0,5 ponto percentual, mas "o primeiro aumento após dez quedas consecutivas", destacou a FAO. A pequena reação foi puxada pelo óleo de palma. No ano, contudo, o resultado médio do indicador do grupo caiu 15% sobre 2017.

O índice de preços das carnes subiu 0,8% em dezembro, para 163,6 pontos, por causa da carne suína, cuja demanda cresceu, sobretudo na China. Em 2018, atingiu 166,4 pontos, 2,2% abaixo de 2017.

No caso dos lácteos, o indicador da FAO caiu 3,3% em dezembro, para 170 pontos. Foi o sétimo mês consecutivo de queda, determinada pelas baixas da manteiga, do queijo e do leite em pó integral. No acumulado de 2018, o indicador atingiu 192,9 pontos, 4,6% menor que a de 2017.

O indicador do açúcar ficou em 179,6 pontos em dezembro, em baixa de 1,9%. A queda foi determinada pelo incremento da produção de açúcar na Índia. A queda nas cotações do petróleo também contribuiu para o recuo. Em 2018, o indicador teve queda de quase 22%.

As informações são do jornal Valor Econômico.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.