ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Embrapa e Lactalis estudam parceria

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 12/04/2021

2 MIN DE LEITURA

9
4

Em uma live com participação de gestores da Lactalis e, pesquisadores e analistas da Embrapa, ambas as partes anunciaram interesse em uma parceria com o objetivo de enfrentar os principais gargalos da produção de leite no Brasil: produtividade, qualidade, sanidade e produção responsável. 

De acordo com Armindo Neto, responsável pela captação de leite da Lactalis, a soma dos esforços das empresas pode fazer com que o Brasil se torne exportador de lácteos. “A Lactalis tem a pretensão de transformar o Brasil em hub de exportação para toda a América Latina”, resssaltou Neto.

Para Paulo do Carmo Martins, chefe-geral da Embrapa Gado de Leite, que a Lactalis, responsável pela captação de 20,1 bilhões de leites no mundo, está se tornando, rapidamente, um dos maiores conglomerados de produção de lácteos do Brasil.

“Embora o nome 'Lactalis' seja pouco conhecido pelo consumidor, a empresa é responsável por marcas tradicionais como Itambé, Parmalat, Cotochês, Batavo, Elegê, Poços de Caldas, Du Bom, Boa Nata e Presidente, possuindo grande capilaridade na pecuária de leite nacional”, disse.

Ainda de acordo com Martins, a parceria entre as instituições visa o treinamento de técnicos e a realização de palestras a produtores, além do desenvolvimento de conhecimento em conjunto.

“Entre outros temas, iremos focar no bem-estar animal e em questões ambientais, sob a ótica do ‘ESG’, garantindo as boas práticas de produção que assegurem cuidados com o meio ambiente e com a sociedade”, pontuou Martins.

“ESG” é a sigla em inglês para Environmental, Social and corporate Governance. Traduzida como governança ambiental, social e corporativa, refere-se aos três fatores centrais na medição da sustentabilidade e do impacto social de um investimento ou negócio. A análise desses critérios auxilia na determinação de um melhor desempenho futuro das empresas.

Parceria

Neto apresentou aos pesquisadores e analistas da Embrapa alguns projetos de incentivo ao produtor adotados na empresa, cuja participação da Embrapa seria oportuna, sendo eles:

  • Pro Leite: programa de acompanhamento do custo de produção nas fazendas;
  • Pro Quali: pagamento do leite por qualidade, com visitas a campo para melhoria dos resultados;
  • Mais Leite: programa de incentivo ao aumento da produção via bonificação extra do leite;
  • Meio Ambiente: produção com redução na emissão de CO2;
  • Bem-estar Animal: adoção de boas práticas e programas de certificação nas propriedades;
  • Reciclagem:  logística reversa de embalagens.

Global e Local 

Maior grupo de laticínio mundial, a Lactalis tem 47% de participação no mercado europeu, 24% nas Américas, 13% na África e 16% na Oceania. No entanto, é definida por Neto como uma empresa “glocal” (global + local).

Somos um grupo internacional que leva em conta as realidades locais”, afirmou. Um exemplo disso é que não existe nenhuma marca de lácteos com o nome Lactalis. Quando o grupo adquire um laticínio, preserva sua marca, como aconteceu com a Itambé, Poços de Caldas, Cotochês etc, no Brasil.

Ele conclui afirmando que a ambição da Lactalis é desenvolver a vocação exportadora para os lácteos brasileiros, aproveitando o potencial do parque fabril nacional, o amplo portfólio e a força das marcas.

As informações são da Embrapa, adaptadas pela Equipe MilkPoint.

9

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOÃO PAULO VARELLA

LORENA - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 14/04/2021

Sou produtor da Lactalis desde 2015 e reconheço o tratamento condizente aos produtores do Sul de Minas, valorizando o leite produzido. Investe nas fábricas e tem grande conhecimento na venda de produtos lácteos no mundo. No mundo não há espaço para empresas ineficientes. Não existe boa empresa sem bons produtores.
EDUARDO SALVADOR ROCHA

BALDIM - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 22/04/2021

Pois aqui na região central de Minas só numa linha ela perdeu 50000lts numa tacada só. isso mesmo cinquenta mil lts de leite perdidos numa única linha por tentar impor mixaria aos produtores.
EM RESPOSTA A EDUARDO SALVADOR ROCHA
JOÃO PAULO VARELLA

LORENA - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 22/04/2021

Caro Eduardo.
Realmente numa guerra saem vencedores e perdedores, mas com mortes dos 2 lados. Atitude correta dos companheiros. Não se submetam a politicas de mercado não coerentes. Também faria o mesmo se fosse tratado de tal forma.
FERNANDO BUENO SIMÕES PIRES

SANTANA DO LIVRAMENTO - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 14/04/2021

Boa tarde:

A primeira coisa que a Lactalis tem que fazer é tratar o produtor como um parceiro. Fui produtor da Lactalis, tenho conhecimento de causa no que estou afirmando. São tão exigentes como as outras, não ha diferença neste sentido. A diferença é no tratamento destinado ao produtor. Para captar o leite produzido fazem qualquer ginástica, mas depois que tem a Bacia Leiteira do Município na mão começam a baixar o preço do litro de leite pago ao produtor de maneira desproporcional e absurda. Tratam o mesmo como "Produtor de Terceiro Mundo" mesmo, sem pena alguma. Como quase todas as outras, tratam os produtores à distância, literalmente como apenas "vendedores" de leite. Moro e tenho propriedade em Livramento-RS, e sou produtor de leite desde 1988. Aqui tivemos sérios problemas com Cooperativas da região. Quando se conseguiu trazer a Latctalis para cá julgávamos ter outra oportunidade de fazer com que a Bacia Leiteira tivesse uma oportunidade melhor para crescer, ledo engano. É uma empresa que pensa EXCLUSIVAMENTE em seus lucros, e tem no Produtor um "empregado", e não um parceiro. Não é toa que é uma empresa francesa, fantasiada de multinacional e que aqui na região fez o que fez. Sinceramente, SOBROU decepção com ela e com os seus dirigentes/representantes, apesar de serem BRASILEIROS. NÃO vieram para cá com a finalidade de desenvolver o Setor Leiteiro, VIERAM simplesmente para explorar os produtores e o País, como se ainda fossemos uma COLÔNIA.
EDUARDO SALVADOR ROCHA

BALDIM - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 22/04/2021

Exatamente isso.
JOÃO PAULO VARELLA

LORENA - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 22/04/2021

Caro Fernando, contra fatos não há argumentos. Felizmente nosso negócio não é como politica, que exercemos nosso direito do voto a cada 4 anos aguentando as amarguras de governos corruptos e incompetentes. Quando "business is business" temos o direito de deixar de fornecer leite para uma empresa incompetente na noite para o dia e procurar um parceiro de fato. E que façam isto todos os companheiros que não forem bem tratados. Temos direito e liberdade para isto. Empresa incompetente tende a sair do mercado ou falir. Só crescem e solidificam no mercado as empresas sérias.
EDUARDO SALVADOR ROCHA

BALDIM - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 13/04/2021

A Lactalis tem inundado o mercado brasileiro com o descarte do excesso do leite da Europa através do Mercosul trazendo enorme prejuízo aos produtores locais. Atualmente é a empresa que pior remunera seus fornecedores levando esses produtores a buscar outras indústrias. Se o que ela fez no Brasil não é concentração de mercado não sei mais o que é adquirindo a quantidade de indústrias e manipulando mercado como faz. Certamente só está pensando nela.
LEONARDO SALLES ESTEVES DA COSTA

CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 13/04/2021

Certamente está pensando apenas nela mesma. E é assim que todas as empresas agem. Inclusive, se ela comprou empresas brasileiras, é porque essas empresas só pensaram nelas mesmas, pois se venderam para um grupo francês, de forma que, a partir de então, parte dos lucros vão para aquele país, em vez de ficarem por aqui. Quem deveria fazer o maior contra-peso é o consumidor, escolhendo produtos das pequenas empresas e originárias daquela localidade. Isso porque a simples ideia de "comprar local" já não adiantaria muito, pois a empresa assumidamente se disfarça de "local" para vender seus produtos. Sim, ela gera empregos e desenvolvimento. O que sobra, então, ou seja, o lucro, vai pra fora.
EM RESPOSTA A LEONARDO SALLES ESTEVES DA COSTA
EDUARDO SALVADOR ROCHA

BALDIM - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 14/04/2021

Exatamente, hipocrisia dizer interesse em desenvolver a pecuária de leite brasileira então.
MilkPoint AgriPoint