FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Embaré avança no Brasil e no exterior

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 08/04/2021

3 MIN DE LEITURA

0
1

A Embaré, empresa de laticínios com sede em Lagoa da Prata (MG), encerrou 2020 com avanço acima do esperado e prevê um crescimento da ordem de 20% neste ano, puxado pela expansão da distribuição de seus produtos no país e pela conquista de mercados no exterior.

Em 2020, a receita líquida da empresa registrou aumento de  37,9% em relação ao ano anterior, para R$ 1,65 bilhão — a previsão era avançar de 15% a 20%. Já o lucro líquido foi de R$ 73,7 milhões, montante 246% maior que os R$ 21,3 milhões apurados em 2019. O resultado foi associado ao incremento nas vendas e a melhoria na gestão de despesas.

“O auxílio emergencial gerou um incremento de renda para as classes C e D e isso foi muito positivo para nossas vendas”, pontuou André Antunes, Diretor de Vendas e Comércio Exterior da Embaré. Em volume, as vendas cresceram 33%, um desempenho acima da média.

Segundo dados do IBGE, a produção de leite no país cresceu 2,1% em 2020, para 25,5 bilhões de litros. A Euromonitor International informou que o segmento de leite em pó avançou 4,3% em 2020, para 354,5 mil toneladas. Em valor, as vendas aumentaram 8,7%, para R$ 10,37 bilhões. A Embaré é a sétima maior empresa no mercado brasileiro de leite em pó, com 4,1% de participação.

Antunes comentou que espera um aumento da demanda  por lácteos nos próximos meses devido à liberação do novo auxílio emergencial. Em 2020, de acordo com dados da Kantar, 58% dos lares no país receberam o auxílio, o qual foi principalmente usado na compra de alimentos e bebidas. “Para o segundo semestre, os bancos já projetam recuperação da economia. Espero que a economia rode sem o auxílio”, afirmou o Diretor.

De acordo com ele, as vendas de leite em pó subiram cerca de 30% no ano passado, em parte devido ao auxílio emergencial. O crescimento também deveu-se à chegada a novas praças, ao fortalecimento em mercados do Nordeste e do Norte e à entrada no segmento de food service, restaurantes e lanchonetes.

No mês de agosto de 2020, a companhia arrendou por 15 anos uma fábrica do laticínio Quatrelati, em Patrocínio (MG), ampliando em 25% a capacidade de produção de leite em pó, carro-chefe da empresa, que já era de 5,5 mil toneladas por mês. O laticínios possui fábricas em Lagoa da Prata, Santo Antônio do Monte e Patrocínio, em Minas Gerais, com capacidade de processamento de 2,8 milhões de litros de leite por dia.

O ano de 2021, disse Antunes, começou mais desafiador, com a ausência da  injeção de recursos do auxílio emergencial e com o fechamento do comércio em vários Estados. No entanto, em março, as vendas começaram a dar sinais de recuperação. “O mercado doméstico vem demandando bastante leite. E a exportação também tende a ser melhor por causa do câmbio atual, que deixa o leite brasileiro competitivo”, disse. 

No exterior, a Embaré abriu recentemente os mercados da Bolívia e da República Dominicana com exportação de leite condensado e consolidou as vendas de leite, creme de leite e leite UHT para o Paraguai, para onde exportou 228 toneladas em 2020. A exportação de caramelos representou 40% do faturamento da Embaré na linha de confeitos. A expectativa é que as vendas externas cresçam cerca de 10% neste ano.

Além disso, a empresa também exporta para a Venezuela leite condensado, creme de leite, doce de leite e bebida láctea. Em 2020, a empresa exportou 712 toneladas para o país, e espera manter esse volume neste ano.

Os produtos lácteos representam 95% das vendas totais da Embaré, e 5% são caramelos. Mais da metade da receita vem do leite em pó da marca Camponesa.

No setor de caramelos, a Embaré retomou recentemente os embarques para Índia, Bulgária e Egito e começou a exportar para Somália, Mauritânia, Argélia e Libéria. No Canadá, a empresa também fechou contrato com a varejista Costco, com mais de 100 lojas no país, e negocia ainda vendas com a rede CVS dos EUA e com a Costco da Coreia do Sul, exportando ao todo para  43 países.

De acodo com o Diretor, os clientes internacionais pressionam por descontos devido à forte variação do câmbio nos últimos 12 meses. “No caso de clientes mais antigos a gente segura o preço. Mas os Estados Unidos, por exemplo, um mercado importante, não tiveram desconto nenhum”, finalizou. 

As informações são do Valor Econômico, adaptadas pela Equipe MilkPoint.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint