ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Demanda por crédito rural cresceu quase 50% em julho

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 06/08/2018

2 MIN DE LEITURA

0
0

A safra 2018/19 já começou com forte ritmo de contratações de crédito rural, puxadas por taxas de juros ainda menores que as praticadas pelos bancos na temporada anterior. Em julho, o primeiro mês do novo calendário agrícola, o montante de financiamentos tomado pelo setor agropecuário junto aos bancos cresceu 48,5%, para R$ 14,4 bilhões, em relação ao mesmo mês do ano-safra 2017/18.

A maior demanda por empréstimos no campo foi puxada principalmente pela demanda por crédito para custeio agropecuário, modalidade bastante procurada no início da safra quando os produtores se preparam para o plantio da safra. Essas operações atingiram R$ 10,1 bilhões no mês passado, uma alta de 53% sobre julho de 2017. Os financiamentos para investimento também cresceram, saltando de R$ 1,8 bilhão em julho de 2017 para R$ 2,1 bilhões no mesmo mês deste ano.

Os empréstimos que registraram maior aumento nas contratações foram os destinados à comercialização. Essa rubrica cresceu 70% em relação a julho de 2017, para R$ 2,2 bilhões. 

Na avaliação de Fabrício Rosa, diretor-executivo da Aprosoja Brasil, entidade que representa os sojicultores do país, deve haver uma aceleração nos desembolsos de crédito rural nos primeiros meses desta nova safra, principalmente para a agricultura empresarial. O segmento tomou R$ 11,7 bilhões apenas nesse primeiro mês da nova temporada agrícola, 46,2% mais que no mesmo período de 2017/18.

"Como a safra passada foi a primeira em que os bancos foram autorizados pelo governo a praticar taxas de juros menores do que as fixadas pelo Plano Safra, os produtores já estão aguardando que isso se repita na nova safra agora", afirmou Rosa.

Em média, o governo concedeu uma redução de um ponto percentual nas taxas de juros do Plano Safra 2018/19. Com isso, as taxas do custeio caíram para 7,5% e as de investimento para até 5,5% ao ano. O cenário de juros baixos na economia, com a taxa básica de juros (Selic) em 6,5% ao ano, abaixo ainda do atual patamar do custeio, sugere que os bancos podem praticar taxas menores que os tetos do Plano Safra, avaliou.

O secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Wilson Vaz, afirmou que o aumento na tomada de crédito rural no primeiro mês da safra é comum sempre que há uma queda de taxa de juros. Mas ponderou  que ainda é cedo para dizer que a maior demanda dos produtores por crédito pode significar tendência de aumento na área plantada de grãos no novo ciclo.

A contratação de crédito rural cresceu em todos os grandes grupos de bancos que operam nesse mercado. No caso dos bancos públicos, puxados pelo Banco do Brasil, os desembolsos alcançaram R$ 8 bilhões em julho último, alta de 56,2% em relação ao mesmo intervalo de 2017.

Apenas o BB, líder desse mercado com participação de 60%, liberou um volume de crédito rural 32% maior do que em julho do ano passado, atingindo R$ 6,2 bilhões. Os privados também cresceram: o montante contratado subiu 58,3%, para R$ 3,8 bilhões.

As informações são do jornal Valor Econômico.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint